Recomenda-se:

Netscope

Monday, April 11, 2011

Dos saltos altos e da pinderiquice

Christian Louboutin

Saltos altos, quem não adora? Pump, stiletto, compensado, venham a mim as alturas. Da tríade sagrada (Louboutin, Choo e Manolo)  aos sapatos de sonho criados por outras boas casas (Prada, Ferragamo) passando por marcas médias e acessíveis, em poucas épocas o calçado teve o estatuto de obra de arte (e objecto de desejo) de que goza actualmente. Com prática e olho clínico, qualquer mulher de gosto pode dispor de uma boa selecção de sapatos de qualidade adequados à sua bolsa e estilo de vida, com formatos que se adaptam às diferentes situações. Falo em prática porque, mesmo para quem pode, a etiqueta não significa automaticamente conforto. O formato do pé, a estabilidade do salto e plataforma, a maciez do material, os acabamentos e detalhes são os aspectos a ter em conta quando se adquire um sapato, bota ou sandália. Já aqui mencionei a importância do formato da perna e do tornozelo, porque tal como nas roupas, nem todos os modelos são lisonjeiros (ou confortáveis) para todas as mulheres.
 Em termos de moda, as portuguesas enfrentam um desafio sem paralelo, passe o trocadilho: o pavimento das nossas ruas. Os paralelos e calçada portuguesa são verdadeiros testes à resistência do calçado e à saúde dos pés (para não falar nos riscos de dar uma valente queda).  Não vivemos em Nova Iorque. Conformem-se. Isto leva-me a chamar a atenção para o "bom tom" do calçado. Vejo muitas senhoras e meninas a usar saltos assassinos e pior (os chamados f****me shoes) durante o dia, no quotidiano. Ele é apliques. Ele é brilhos. Ele é o belo stilletto de metal.  Com raras excepções, é do pioro. Principalmente quando a utilizadora é baixinha e miudinha (não "baixinha" estilo Eva Longoria, mas mesmo mignon, petite!). O resultado é que o sapato fica maior que a dona.  Pumps e stilettos muito altos são indicados para sair à noite (desde que permitam dançar) para o red carpet ou para eventos que exijam traje social ( a não ser que se desenrolem na relva, o que requere um salto mais largo para não andar aos pulinhos) - enfim, ocasiões onde à partida não será necessário correr para o autocarro nem carregar pastas. Existem saltos elegantes para o dia e para trabalhar, basta procurar. Com tanta oferta, não há motivo para coxear, arrastar os pés e  passar a si própria um grande atestado "pindérica power". Pergunto-me o que usarão num casório. Não havia necessidade, já dizia o outro...

4 comments:

Anonymous said...

Verdade! Normalmente são as moças baixissimas que os usam assim, não dá jeito nenhum mas querem muito aqueles poucos centimetros a mais.

A nossa calçada tão tipica deveria estar confinada a locais históricos, não entendo porque continuam a fazer isto por toda a parte, não tem qualidade nenhuma, fica tudo cheio de buracos, as pedras aos altos e baixos não é pratico é um perigo para todos principalmente para idosos e pessoas com mobilidade reduzida.

Alexandra Neto said...

Não diria mais, nem diria melhor!!! Adaptar o calçado à realidade... Sem dúvida! E percebo perfeitamente essa das pessoas baixinhas... Me-nos!!! loool


Beijinhos

Imperatriz Sissi said...

Há maneiras de ficar mais alta que não sejam sapatos de salto finíssimo...fico com dores só de olhar para elas, coitadas :). Mas é verdade que a nossa calçada não dá jeito nenhum!

Imperatriz Sissi said...

Muito obrigada :) . Tinha uma colega minúscula que metia medo...todo o dia a coxear nuns stilettos altíssimos e dolorosíssimos que só realçavam o quão pequena ela era!

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...