Recomenda-se:

Netscope

Wednesday, February 1, 2012

Leonor de Aquitânia, it girl (e bad girl) medieval

                                      Leonor de Aquitania
De todas as mulheres célebres que admiro, Leonor de Aquitânia é talvez a mais completa. O exemplo de que se pode ter tudo, ser tão poderosa como um homem sem cair nos exageros do feminismo. E a prova de que a Idade Média não foi tão obscura e pouco divertida como muitas vezes os compêndios nos querem fazer crer. Sucessora de Guilherme X, o Santo, e neta de Guilherme IX, O Trovador, aos quinze anos era o melhor partido da Europa. Da mais nobre linhagem, riquíssima e deslumbrante, recebeu uma educação esmerada (algo pouco comum mesmo entre os herdeiros varões do seu tempo) e era fluente em oito línguas. Cresceu na corte mais animada e culta da época, onde imperavam a moda, a beleza, a música, a poesia e um estilo de vida refinado. Uma verdadeira it girl medieval, com a vantagem (ou maldição) de uma personalidade voluntariosa, de acentuada sensualidade.
Como destinado, casou com o jovem Luís VII de França. Aliança condenada à partida, já que o marido tinha crescido numa corte austera (que Leonor tratou de modificar rapidamente) e era um rapaz tímido, incapaz de se impôr à mulher. Foi Leonor que o estimulou a participar nas Cruzadas, que tratou de todas as diligências necessárias. E partiu à aventura, não enquanto Rainha consorte mas em pé de igualdade, como líder feudal de pleno direito e comandando o seu próprio exército - não se consegue ser mais cool do que isto - de tal modo que as notícias do seu comportamento escandalizaram o Papa.
Em Antióquia começaram as divergências. Deslumbrada pelo esplendor oriental, sentindo-se livre em horizontes mais largos,
Leonor reencontrou uma alma irmã, um homem feito da mesma fibra e do mesmo sangue: o seu tio, o príncipe Raimundo de Poitiers...e alegadamente, o seu antigo apaixonado. Raimundo era um aventureiro, guerreiro exímio e o príncipe mais belo da Cristandade. Grande, alto, louro, poderoso, cheio de vida. As faíscas saltaram e os mexericos também. Luís acusou a mulher da Fórmula Queirosiana: incestozinho e adulteriozinho. Desentenderam-se quanto aos objectivos da Cruzada e a união não duraria muito mais: foi anulada em 1152 por alegada consaguinidade. Leonor recuperou a liberdade e os seus territórios foram retirados da coroa francesa. Semanas mais tarde, uniu-se a com certo escândalo ao Conde de Anjou, futuro Henrique II de Inglaterra. Uma relação com final infeliz e rumores de infidelidade de parte a parte, mas da qual resultariam Ricardo, Coração de Leão, e boas razões para a Guerra dos 100 anos.
Leonor viveu inúmeras peripécias até à velhice, sempre igual a si própria. A Rainha que partiu em cruzada. Amante de lenda. E autora de um livro sobre o amor cortês. Melhor é impossível.

10 comments:

Anonymous said...

Que venham mais posts destes que gostei imenso de ler. Realmente mais cool que a Leonor não há!

Teresa said...

Sobre Leonor de Aquitânia e a sua extraordinária personalidade, recomendo-lhe esta obra-prima:

http://www.amazon.co.uk/The-Lion-In-Winter-DVD/dp/B0019GJ4HY/ref=sr_1_1?s=dvd&ie=UTF8&qid=1328130001&sr=1-1

E este remake, também muitíssimo bom (tenho ambos):

http://www.amazon.co.uk/Lion-Winter-DVD-John-Light/dp/B001THPPCG/ref=sr_1_2?s=dvd&ie=UTF8&qid=1328130001&sr=1-2

aovirardaesquina said...

Gosto desta biografia e entendo porque admiras esta Leonor e depois de ter lido a caixa de comentários sobre o teu post dos 100 seguidores entendo como é pertinente este post de hoje. Realmente tem tudo a ver com a imagem que transmites, de uma it girl bem disposta e opinativa mas deste século.

Beijokas
Su

Imperatriz Sissi said...

Obrigada Flor. De facto, a Leonor é uber cool. Tenho mais posts destes "na gaveta" e alegra-me que tenhas gostado. Beijinhos.

Imperatriz Sissi said...

Teresa, muito obrigada pela sugestão. Já ouvi falar bastante do original. Quanto ao remake, com a minha querida Glenn Close, já o tive na mão mas deixei-o escapar. É um must-have na minha lista.

Imperatriz Sissi said...

Su, assim fico toda vaidosa. A minha pessoa, it girl? Muito obrigada :D
Mas sem dúvida que a duquesa Leonor é um exemplo para as it girls: cultivava a beleza, mas também o espírito. E não se deixava pisar. Mandar dois reis às urtigas é obra!

Teresa said...

Convém dizer que nem sempre lhe correu bem a vida. Passou 16 amos na prisão, amavelmente encarcerada pelo marido.

Imperatriz Sissi said...

É verdade. Deixei esses episódios de fora que o post já ia longo e receio não ter a ter a graciosidade da Teresa nos textos maiores (embora vontade não me falte). Creio mesmo que às grandes senhoras a vida nunca corre 100% bem...talvez fiquem para a história como grandes damas por saberem sobreviver de cabeça erguida à adversidade (apesar de me parecer que estar prisioneira num castelo não é tão mau assim). O segundo marido, realmente, saiu-lhe cá um embrulho! Tenho para mim que o grande amor da vida dela foi mesmo o belo Raimundo, mas a união não teria interesse estratégico, para Leonor pelo menos. Conhece algum filme que retrate a relação deles?

Obrigada ;)

Unknown said...

A Patroa da época medieval! eheheh

Imperatriz Sissi said...

Ela é a Grande Patroa. Está para as patroas como o Xuxu está para o conhecimento :p

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...