Recomenda-se:

Netscope

Friday, April 27, 2012

Very Stylish ladies


Jane Birkin x Kate Moss
Existem as raparigas da moda. E depois há as mulheres com estilo. Ícones cuja elegância transcende o passar do tempo e o mero aspecto físico: uma combinação de carisma, luz interior, inteligência, gosto, imaginação, classe e saber estar. Décadas depois, os seus retratos continuam a fazer sonhar designers, artistas e fashionistas em todo o planeta. Há várias musas incontornáveis - como Twiggy, Audrey Hepburn e Elizabeth Taylor -mas destaco as minhas favoritas: 

Marilyn Monroe



Mais importante do que a sua aura de sex symbol supremo, é o seu estilo. Este pode parecer elaborado ou glamouroso, mas era construido em passos simples e eficazes. Marylin sabia como vestir: tirava partido dos seus pontos fortes e da espectacular figura de ampulheta, combinando como ninguém sensualidade, elegância e fragilidade.
" Gosto de estar bem vestida ou inteiramente despida: não me preocupo com o meio termo" era o seu lema.

Looks e peças chave

O figurinista William Travilla e o maquilhador Whitney Snyder foram responsáveis pelos looks de Marilyn na tela, mas não restam dúvidas quanto à habilidade da talentosa actriz para aplicar esses conhecimentos no seu dia a dia. Saias lápis, camisolas fofas de boa qualidade, decotes amplos, sheath dresses bem cortados, saltos altos Ferragamo, vestidos de algodão cintados, casacos cingidos ao corpo, jeans ou calças clássicas e adereços em pele
compunham o seu visual. Marilyn também preferia cores sólidas e clássicas : encarnado, creme, bege/champagne, verde escuro, branco e preto. Consciente do impacto do cabelo e pele clara,  procurava manter a cútis imaculada e usar sempre uma peça luminosa (creme, bege ou champagne) perto do rosto: pérolas ou uma estola de pêlo nesses tons.



Brigitte Bardot

 Começou a sua carreira como bailarina - o que lhe garantiu um porte gracioso - mas tornar-se-ia uma verdadeira musa europeia ao longo das décadas de 50 e 60. BB era a imagem da fescura e sex appeal. Também ela representava a fórmula olhos grandes + cabelão fabuloso + lábios de almofada. As suas curvas e beleza super feminina valeram-lhe a alcunha de "sex kitten". Ajudou a popularizar o bikini. A sua influência na moda mantém-se até hoje e foi uma inspiração para outros ícones, como Kate Moss.
                                                                  Looks e peças chave
O seu estilo era uma mistura entre o chic francês, classe e sensualidade. Bardot insistia em usar peças feitas por medida, tipo alfaiataria, que evidenciassem a sua cinturinha minúscula. Também preferia peças simples e clássicas e trouxe para a rua alguns elementos do ballet, como as sabrinas, as meias pretas e as fitas de cabelo. Casacos assertoados com vários botões, cintos grandes, vestidos de dia amorosos, skinny jeans, calças capri, polka dots, riscas náuticas, estampado vichy, blusas de camponesa, cardigans, calções e saias de balão marcaram os seus visuais. O famoso decote que expõe ambos os ombros, e que usava tantas vezes, ficou conhecido como "Bardot neckline". Botas overknee, peças pretas e blusões de cabedal também fizeram parte da sua imagem durante os anos 60.


                                  Jackie Kennedy



































A mais famosa primeira-dama dos EUA é uma referência intemporal de estilo, graça e elegância. Jacqueline Lee Bouvier nasceu na elite da sociedade nova iorquina, no seio de uma família de origem francesa, irlandesa, escocesa e inglesa. Frequentou a Sorbonne e trabalhou como jornalista.  Em 1953, casou com o futuro Presidente dos Estados Unidos, John Kennedy. Em 1960 tornou-se a mais jovem primeira dama do país, com 33 anos de idade, imprimindo um novo estilo à Casa Branca: era imensamente popular não só junto do público americano como entre as individualidades estrangeiras, artistas, escritores, cientistas e diplomatas, que eram convidados frequentemente para cocktails e festas descontraídas na residência presidencial. O seu estilo pessoal - espartano, requintado e sem direito a erros- foi inicialmente inspirado em Audrey Hepburn. Fascinada pela imagem Old Hollywood da actriz, Jackie encomendou à casa Givenchy o design do seu guarda roupa, que rapidamente adaptaria aos seus gostos e personalidade, como uma segunda pele.



 Looks e peças chave:

Jackie regia-se pelo conforto e simplicidade.  O seu sentido de requinte e de ocasião - sabia sempre vestir-se conforme o evento e os convidados, mesmo nas situações mais delicadas- continuam insuperáveis. Quando visitou a Índia, optou por um outfit mais conservador do que em qualquer evento americano: esta sensibilidade e capacidade de adaptação tornaram-na sinónimo de classe. O seu guarda roupa, embora adequado à sua idade e figura esguia, não permitia fantasias nem exageros. Usava pouquíssimos padrões, embora ocasionalmente vestisse peças com riscas, um windowplane plaid ligeiríssimo ou aplicações brilhantes em tons pálidos. Preferia as peças por medida e suavemente estruturadas: casacos Chanel, trench coats, sobretudos cintados, vestidos com poucos adornos e sem mangas, saias de linha A Dior, calças de cintura subida ou os famosos jeans brancos (combinados com blusas, camisolas de gola alta ou sweaters de cachemira) longos vestidos cai cai, de decote barco, portrait ou decotados nas costas, vestidos sheath (simples para odia, longos e acetinados para a noite) fatos de saia casaco neutros ou escuros. Era igualmente parcimoniosa nos acessórios:  lenços Tiffany sobre os ombros, longas luvas brancas, pumps, grandes óculos escuros, pérolas, pregadeiras, os pequeninos chapéus "pillbox", cintos de cabedal, carteiras sóbrias, algumas pulseiras e brincos compunham a sua colecção, mas raramente usava mais do que dois em simultâneo. Rosa, amarelo, encarnado, marfim, preto e azul marinho eram as suas cores de eleição.






Marisa Berenson




Rompeu os cânones das modelos gélidas e reservadas, de maçãs do rosto altas, típicas dos anos 50 e assumiu-se como a cara dos anos 60 e 70. Marisa era filha de Robert Lawrence Berenson, um diplomata judeu convertido em homem de negócios, e da Condessa  Maria Luisa Yvonne Radha de Wendt de Kerlor (mais conhecida como Gogo Schiaparelli). Os seus avós maternos eram o Conde Wilhelm de Wendt de Kerlorde - famoso medium e teósofo- e Elsa Schiaparelli, fidalga napolitana e couturier incontornável, rival de Coco Chanel.
 Era inevitável que Marisa tivesse estilo a correr-lhe nas veias. Com traços exóticos ( combinação de sangue lituano, suiço, italiano, francês e egípcio)  corpo delicado e enormes olhos verdes, rapidamente se tornou uma das modelos mais bem pagas da indústria- amadrinhada por Diana Vreeland, a lendária editora da Vogue-  e a incontestável " Queen of the Scene". Era uma grande amiga de Diane Von Fustenberg e Andy Warhol. Fez sucesso em momentos icónicos do cinema (A Morte em Veneza de Visconti, Cabaret de Bob Fosse e Barry Lyndon de Kubrick) e Yves Saint Laurent chamou-lhe " the girl of the 70s" . Hoje mantém-se fabulosa (em 2011, desfilou para Tom Ford) e uma inspiração para modelos e designers por todo o planeta. Top models como Carla Bruni, Christi Turlington e Natalia Vodianova foram fotografadas com looks a recordar Marisa Berenson, ou mesmo apontadas como suas sucessoras.

Looks e peças chave:
A maior qualidade de Marisa era a sua versatilidade: encarnava com graça diversas tendências. Podia ser andrógina, aristocrática, feminina, rebelde, bem comportada, uma swinging girl ou hippie. Padrões ricos e vibrantes (como os de Emilio Pucci) brocados, veludos, rendas, fatos Chanel,  túnicas, cores fortes (lima, verde água, melancia, laranja, roxo, fuchsia...) tanto nas roupas como na maquilhagem, chapéus floppy e turbantes, casacos estruturados linha A, casacos de cabedal, lenços e acessórios fantasiosos faziam parte de um look, trendy e divertido, que oscilava entre o puro clássico e o bohemian chic sem nunca perder a sofisticação. As cores fortes e muitas camadas de máscara nas pestanas também faziam parte da sua imagem de marca.



Jane Birkin



A actriz e modelo britânica Jane Birkin é a verdadeira wild child dos anos 60, a mistura quintessencial entre o chic parisiense e a fleuma inglesa. Chegada da frenética Londres - meca da moda revolucionária daqueles dias- em 1968, La Birkin apaixonou imediatamente os franceses. A sua figura arrapazada, com membros esguios, o rosto pálido com grandes olhos espantados, a boca carnuda, um certo ar "complexo" - misto de arrogância e insegurança-  e a longa cabeleira castanha fizeram escola. A história de amor com o icónico Serge Gainsbourgh, que resultou na escandalosa canção "Je T´Aime...moi non plus" catapultou-a para a fama. A par com Twiggy, foi responsável pela popularização da figura andrógina. Em 1981, Jean - Louis Dumas, executivo-chefe da Hermès, inspirou-se nela para criar a incontornável Birkin Bag.

Looks e peças chave:
 
Quando estava vestida (alguns looks de JB poderiam dar multas por atentado ao pudor hoje em dia...sinais dos tempos!) Jane optava por um estilo relaxado e natural. Vestidinhos pretos ou brancos, bordados, crochet, botas overknee, cestos de verga, jeans boca de sino ou pata de elefante,t-shirts de manga comprida, grandes casacos de pele, alpercatas de corda, camisolões brancos de lã e algodão, meias longas, blusinhas de camponesa, tops curtos e t-shirts às riscas faziam o closet que marcou uma geração - mas que continua absolutamente actual.



Grace Kelly


Apelidada " O Cisne" durante a sua carreira no cinema, a Princesa do Mónaco será para sempre um símbolo inquestionável de graciosidade, sentido de estilo e sofisticação.
 Nascida numa família católica e abastada de Filadélfia - filha de um self made man irlandês e de uma aristocrata alemã - recebeu uma educação adequada e tornou-se a imagem do auto domínio. Sempre bela, reservada, serena, preparada, bem arranjada, amável. Hitchcock dizia dela " é demasiado perfeita!". O seu guarda roupa- um exemplo de depurada elegância - era o reflexo disso.
Sac à dépêches da Hermès foi re-baptizado "Kelly bag" a partir de 1956, depois de Grace ser fotografada muitas vezes a usar este modelo para dissimular a barriguinha de grávida.


Looks e peças chave:

 Grace Kelly é a principal referência quando se fala de puro estilo clássico e elegância impassível. A sua linha era simples, definida e impecável, com uma noção perfeita das proporções. Ela não flutuava entre estilos e investia num guarda roupa adaptado por medida às suas formas: tailleurs de alfaiataria cingidos ao corpo, saias rodadas, luvas brancas,  vestidos gregos drapeados em tons claros (ela era particularmente fã do azul-gelo) pérolas, vestidos-camiseiro, clássicos e day dresses (sempre a 3/4) calças capri, twinsets, jóias de boa qualidade, lenços Hermès, tops halterneck, blusas de laçada, algum chiffon, decotes portrait e em V...
 Também era conhecida por ter uma figura imaculada, que não necessitava de chumaços ou armações para resultar maravilhosamente em qualquer vestido. No entanto, esta compostura era acompanhada de um certo ar blasé, tranquilo e descontraído que poucas mulheres conseguem imitar. A gentileza e encanto que emanava para todos eram o seu principal acessório.  

Carolyn Bessette Kennedy

 
Criada em Greenwich, Connecticut, casada com John F. Kennedy Jr. e relações públicas da Calvin Klein, Carolyn encarnava na perfeição a corrente minimalista dos anos 90. A elegância da sua figura, a pele imaculada, os lábios escarlates e o cabelo louro impecável fizeram história e definiram o regresso a uma simplicidade chic.  Apesar da sua morte trágica em 1999, é impossível olhar com indiferença para imagens dos seus outfits. Carolyn não chegou a conhecer a sua sogra, Jackie Kennedy Onassis, mas tinha em comum com ela um estilo depurado e limpo que nunca passa de moda.

Looks e peças chave

mystique de Carolyn residia numa elegância sem esforço. O brushing perfeito num cabelo louro -açúcar (que viria a inspirar outras elegantes, como Gwyneth Paltrow) a maquilhagem simples e o porte elegante eram a base. O seu guarda roupa compunha-se essencialmente de casacos de lã cintados (camel, encarnado e preto) little black dresses, saias lápis ou longas em preto, beige e cru, jeans e calças de bombazina em tons terra, camisolas de cachemira e camisas brancas, acompanhadas de mocassins, mules e botas de salto alto. Prada, Narciso Rodriguez, Yohji Yamamoto e Calvin Klein eram alguns dos seus designers de eleição. CBK também adicionava alguns elementos vintage aos seus looks - foi uma das responsáveis pelo regresso da Birkin Bag, que na época era considerada quase démodé.







Kate Moss


Por vezes o mérito não está só em criar um estilo novo, mas em reinventar os clássicos, e Kate Moss fá-lo como ninguém. O seu estilo boho chic e a sua elegância sem esforço são constantemente copiadas por designers e it girls como Sienna Miller.  Desde que a sua imagem explodiu nos media, no início dos anos 90, a eterna top model tem sido uma verdadeira trend setter, herdeira por excelência de BB e Jane Birkin. Foi responsável por devolver à ribalta peças e looks como as botas longas sobre skinny jeans, as calças boca de sino de cintura subida, as ugg e as bailarinas. Com uma imagem e um lifestyle de rock star chic, Kate nunca procura a perfeição - nem precisa. A sua imagem é elegante, rebelde e actual, parecendo jovem sem nunca cair no ridículo. Entre as it girls dos nossos dias, ela será provavelmente a que vai perdurar, independentemente dos caprichos da fama.


Looks e peças chave

Kate é conhecida pelos jeans, e vai sempre ressuscitar modelos surpreendentes. Quando as calças de cintura descaída eram a regra, ela fez o contrário e trouxe para as ruas os flare jeans e as skinny de cintura alta. Consciente da qualidade das peças, foi uma das primeiras celebridades a colocar o vintage na moda: antes de se tornar manequim, já tinha o hábito de percorrer os flea markets à procura de roupas e acessórios antigos, com cortes e materiais de qualidade inatingível no panorama  fast fashion actual. O hi-lo fashion, tão em voga hoje em dia, foi também um dos estilos que ajudou a popularizar: misturar o novo com o antigo, o acessível com o exclusivo, o dress code com o inesperado-  investindo sempre no requinte rigoroso dos moldes, cortes e materiais - faz com que o seu look, ainda que desalinhado, seja sempre maravilhoso. E sem muita canseira. Quem sabe sabe.

2 comments:

Joana Sá said...

Adorei o post! E que senhoras!
Adoro a Kate

Kiss kiss.*Jo
http://joandcompanystyle.blogspot.com/

Imperatriz Sissi said...

Thanks, Joana ;) . Fui conhecer o blog e gostei muito, já sou seguidora. Beijinhos.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...