Recomenda-se:

Netscope

Thursday, June 21, 2012

Sou do contra: crazy manicure X tradição italiana


                                                                                                      Eleonora Carisi


Esta semana tenho “cortado na casaca” de todos os modismos que andam para aí. Antes que me passe a vontade, confesso o meu cansaço (que já dura há uns bons meses) em relação à craze das “garras” de todas as cores e feitios. Creio mesmo que o verniz é o cosmético mais desejado do momento; basta reparar na quantidade de marcas que têm surgido no mercado português. Este meu enfado não é propriamente novidade. Torci o nariz quando há uns anos toda a gente (mesmo quem tinha unhas bonitas) aderiu às extensões de gel, que me pareceram demasiado extravagantes, desconfortáveis e bling bling para o meu gosto. Com piercings, brilhinhos e bonequinhos, pior um pouco. Sempre preferi um aspecto natural, embora não negue que o “verniz de gel”, menos invasivo, possa ser útil em alguns casos, particularmente agora que já há máquinas para o fazer em casa (com a minha mania de ser engenhocas, não digo que não me dê para umas experiências “científicas” um dia destes). Em todo o caso, uma senhora conhece-se pelas mãos e com pontuais excepções - como os tons pastel ou melancia que apareceram no Verão passado - sempre me cingi a um comprimento discreto e às cores clássicas: nuances porcelana,  encarnado e rouge noir. Quanto mais simples melhor, principalmente com as inovações que têm surgido a nível de roupas e sapatos, já de si chamativas o suficiente. Não nego que há muita informação valiosa na blogosfera para quem prefere economizar e divertir-se a fazer a sua própria manicure. Mas ultimamente, vendo dezenas de bloggers a mostrar “o verniz da semana” eu que gosto de tocar piano, de desenhar e de jardinar, e que acho que há mais coisas na vida para além de me ralar com um verniz estalado, tenho-me cingido à tradição italiana (não confundir com a espaventosa coisa alcunhada de "manicure italiana"): unhas tratadas com verniz transparente para o dia-a-dia, e pintadas com uma cor intemporal em ocasiões especiais. As minhas “primas” , nativas de um dos países com mais estilo do planeta, sabem o que fazem. É um sossego. Era o que me faltava, mudar constantemente as unhas conforme a toilette do dia…
Claro que isto me coloca na categoria das bloggers pouco “fashion”, mas como dizia Madame de Maintenon, “mais vale passar por circunspecta do que por tola”.

2 comments:

Alexa ML said...

Eu por acaso sou mais de usar cores "à Verão". Uns amarelinhos, azuis, laranjas.. Isto no Verão, que no Inverso saio pouco do castanho e vermelho. Maaaas concordo a 100% contigo, macacadas nas unhas é que não! Eu sou muito simples no que toca ao estilo de roupa, de maneiras que a cor das unhas nunca me incomodou nem faz demasiado contraste. Já a "filha única" e o cupcake e as bolinhas.. Nheeec =/
E unhas de gel acho um pavor. São raras as que vi que achei que ficassem bonitas. E o engraçado é que me perguntam imensas vezes se as minhas são de gel! Não porque as uso demasiado compridas (detestooo), mas porque elas já de si são fundas. Enfim, como em tudo, é preciso é bom senso! (: Bjz*

Imperatriz Sissi said...

Adorei o termo "macacadas nas unhas" :D . Também j+a me têm me perguntado se as minhas eram falsas , porque graças a Deus até se portam bem e com manicure francesa realmente enganam. No ano passado comprei uns tons pastel ou baby(verde água,salmão, amarelo claro...) e há dois anos o azul muito escuro e o preto veludo. Mas foram as minhas maiores ousadias, e viram muito pouco a luz da rua...é como dizes, questão de bom senso.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...