Recomenda-se:

Netscope

Monday, September 3, 2012

A nobre arte de tratar de si primeiro

                    

A avó Tete contava muitas vezes a história de uma conhecida sua, nos nostálgicos anos 50, que lhe ficou como lição. Essa pequena era a esposa perfeita para os exigentes padrões da época: excelente dona de casa, uma cozinheira impecável e muito devotada ao marido, a quem adorava apaixonadamente. Todos os santos dias que Deus deitava ao mundo a jovem orientava as tarefas domésticas e preparava um soberbo jantar com os petiscos preferidos do Chefe de Família. Punha a mesa com requinte e depois, já cansada e a cair de fome, ia embelezar-se para lhe dar as boas vindas. Uma verdadeira Stepford Wife! Por mais esgotada que estivesse, não provava uma migalha até que se sentassem para comer juntos. O marido, no entanto, saíra-lhe um embirrento e ingrato do piorio. Era rara a vez que ao chegar à mesa não peguilhava por isto, quezilava por aquilo, refilava por aqueloutro e provocava a pobrezita da mulher até ela começar a chorar e perder o apetite para as iguarias que tinha preparado com tanto carinho e esmero. Só então, já apaziguado (ou seja, depois de ter descarregado o seu mau humor) é que se sentava a saborear a refeição. Ele andava cada vez mais satisfeito e ela, coitada, a empalidecer e a emagrecer, em tempos que muita magreza não era formosura...
As coisas estavam neste estado quando a mãe da recém casada - senhora sensata e experiente - se inteirou da situação, e a ensinou a contorná-la sem um confronto directo.
 - Quando a comida estiver pronta - explicou - antes de te ires arranjar, tratas de ti primeiro! Come metade do teu jantar. Assim, se quando ele chegar começar a 
infernizar-te, ao menos a refeição já ninguém te tira e tens energia para o enfrentar. E se correr tudo bem, como já não estás com muita fome, ficas na fama de comer como um passarinho, que é sempre coisa que cai bem a uma senhora delicada. Ela assim fez e a partir dali não teve mais problemas. A avó guardou o conselho para seu governo e apesar de ter arranjado um marido que a tratava como uma rainha, tratou de o pôr em prática, just in case. Hoje em dia a dinâmica dos casais já não é a mesma, mas dá sempre jeito saber que (numa relação ou noutra situação qualquer) por mais altruísta, empenhada e carinhosa que se seja, uma mulher não se deve esquecer de si própria. E a máxima "trata de ti primeiro" vale para os homens também. Quem se sente mal, ou fragilizado de alguma forma , não pode cuidar dos seus interesses nem dos dos outros...

4 comments:

Ao Virar da Esquina said...

Nem mais! Elas é que tinham a lição bem estudada.

A Bomboca Mais Gostosa said...

Que ensinamentos preciosos! Esta metáfora pode de facto aplicar-se para a vida. Antes de todos os outros, nós. Costumo dizer que se nós não estivermos bem, nunca poderemos ser grande ajuda para os outros.

Imperatriz Sissi said...

Eram tempos de muitos truques e manhas, já que não podiam confrontar directamente os maridos ;)

Imperatriz Sissi said...

My thoughts exactly ;*

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...