Recomenda-se:

Netscope

Saturday, September 29, 2012

Canção do dia: Lord Randal, ou o amor venenoso

Arthur Hugues, La belle dame sans merci
Lord Randal, ou Lord Randall, é uma balada anglo-escocesa medieval, uma das mais antigas em língua inglesa e uma canção que adoro, mas que andou arredada da minha memória por demasiado tempo. Acredita-se que seja baseada num episódio do século XIII. É uma canção de amor, assim parece ao início. O jovem e belo senhor chega ao seu castelo, cansado da caça e queixando-se à mãe que o interroga, preocupada, de "dores de amor".  Como todas as mães, a de Lord Randal não descansa enquanto não descobre a história toda. Ficamos assim a saber que houve um rendez-vous apaixonado nos bosques e que a amada, por motivos não explicados, o terá envenenado. Se o "veneno" é literal ou uma metáfora fica à nossa imaginação, mas a inspiração para a trama terá sido Lord Randolph, 6º Conde de Chester, que morreu em 1232, alegadamente envenenado pela esposa amantíssima. Lord Randal é, pois, uma murder ballad, embora mais romântica e menos assustadora do que outras no seu género. Os versos prosseguem com o infeliz protagonista cada vez mais enfraquecido, a fazer o seu testamento. À mãe deixa o gado, à irmã ouro e prata, ao irmão as suas terras e domínios, e ao seu "verdadeiro amor", "fogo e inferno". Assim acaba a história, sem sabermos se Lord Randal sobrevive e se esta "belle dame sans merci" é culpada ou inocente. Pessoalmente, imagino sempre um final feliz para o enredo, e que a "dor de amor" não passou disso mesmo...



"O where ha you been, Lord Randal, my son! 

And where ha you been, my handsome young man!" 
"I ha been at the greenwood; mother, mak my bed soon, 
For I'm wearied wi hunting, and fain wad lie down."

"An wha met ye there, Lord Randal, my son? 
An wha met you there, my handsome young man?" 
"O I met wi my true-love; mother, mak my bed soon, 
For I'm wearied wi hunting, and fain wad lie down."

"And what did she give you, Lord Randal, my son? 
And what did she give you, my handsome young man?" 
"Eels fried in a pan; mother, mak my bed soon, 
For I'm wearied wi hunting, and fain wad lie down." 

"And wha gat your leavins, Lord Randal, my son? 
And wha gat your leavins, my handsome young man?" 
"My hawks and my hounds; mother, mak my bed soon, 
For I'm wearied wi hunting, and fain wad lie down." 

"And what becam of them, Lord Randal, my son? 
And what becam of them, my handsome young man?" 
"They stretched their legs out and died; mother, mak my bed soon,
For I'm wearied wi huntin, and fain wad lie down." 

"O I fear you are poisoned, Lord Randal, my son! 
I fear you are poisoned, my handsome young man!" 
"O yes, I am poisoned; mother, mak my bed soon, 
For I'm sick at the heart, and I fain wad lie down." 

"What d'ye leave to your mother, Lord Randal, my son?
What d'ye leave to your mother, my handsome young man?"
"Four and twenty milk kye; mother, mak my bed soon,
For I'm sick at heart, and I fain wad lie down"

"What d'ye leave to your sister, Lord Randal, my son?
What d'ye leave to your sister, my handsome young man?"
"My gold and my silver; ; mother, mak my bed soon,
For I'm sick at heart, and I fain wad lie down"

"What d'ye leave to your brother, Lord Randal, my son?
What d'ye leave to your brother, my handsome young man?"
"My houses and my lands; mother, mak my bed soon,
For I'm sick at heart, and I fain wad lie down"

"What d'ye leave to your true-love, Lord Randal my son?
What d'ye leave to your true-love, my handsome young man?
"I leave her hell and fire; mother, mak my bed soon,
For I'm sick at heart, and I fain wad lie down"

4 comments:

Sérgio Saraiva said...

No meu caso confesso que a minha cultura musical não vai tão longe no tempo, e só chega até ao periodo barroco.

Neste caso, confesso que não curti especialmente a música, mas gostos...

Gostos para além de pessoais, evoluem, regridem, transformam-se muito ao longo do tempo.

Deixo um exemplo de um trabalho que no seu tempo foi provavelmente o maior fracasso de Handel, tendo ficado esquecida durante cerca de 200 anos, sendo actualmente uma das suas melodias mais conhecidas de uma das suas óperas (Serse) mais populares e de maior aceitação nos dias de hoje.

Handle: "Ombra Mai Fu (largo: Serse)"

Ariana said...

Não conhecia, apesar de triste, é linda.

Imperatriz Sissi said...

Esse álbum da Signora Bartoli é lindo!
Mas são de facto género muito diferentes, cada um com os seus encantos.

Imperatriz Sissi said...

Gosto muito, faz-me sonhar...todas as baladas celtas ou medievais têm algum encanto, mas as que contam uma história são as minhas preferidas.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...