Recomenda-se:

Netscope

Monday, September 24, 2012

Emmys: a sensaboria

Entre o desastre e o assim assim, até Glennn Close desiludiu. Escolheram à pressa, ou quê?
É uma maçada uma pessoa olhar para a passadeira encarnada dos Emmy e ver coisas pouco melhores do que em qualquer trólaró televisivo do pseudo jet- set lusitano. Uma pobreza, uma falta atroz de imaginação, de gosto, de ganas e de noção. Desconfio que os stylists devem ter ido todos de férias, porque foi mais do mesmo ou looks que pareciam criados de propósito para desfear gente bonita e glamourosa como a querida Jessica Lange, uma das mulheres mais belas que por ali andam, capaz de fazer brilhar qualquer vestido de gala digno desse nome (enfiaram-na dentro de uma cenoura largueirona e gigante, e ala que se faz tarde). Por polidez e porque tenho sempre preguiça de analisar coisas de que não gosto, vou mencionar os que, na minha modesta opinião, escaparam à sensaboria geral. 


Ginnifer Goodwin, por Monique Lhuillier
Não consigo achar graça ao look rapazinho que arranjaram para esta actriz - poucas mulheres o suportam bem. No styling para os Emmy, a maquilhagem fez pouco por ela. O  decote também não é o mais adequado para a sua silhueta, mas no todo é um vestido bonito, com impacto.


Julianna Margulies, por Gianbaptista Valli
Outro vestido giríssimo, com um padrão e textura em voga neste momento e  que teria ganho se fosse ajustado convenientemente. Assim espalmou o busto da actriz. O styling também não faz justiça ao vestido nem à senhora - o cabelo tão colado à cabeça favorece muito poucas pessoas, não sei porque insistem nisso. Acrescentou-lhe dez anos e a maquilhagem pálida não ajudou.

Julianne Moore, por Dior
Sou suspeita por três razões: adoro a Julianne Moore (ruiva linda!) o amarelo é uma das minhas cores preferidas para vestidos formais e tenho um fraquinho tanto pelas mangas como por modelos minimalistas. O look não é espectacular - poderia ser, se não fosse aquele decote que raramente enaltece a beleza de alguém e o formato estranho na cintura - mas chamou a atenção entre tanta mesmice e disparate que por lá passou.

Kat Dennings, por J.Mendel
Vamos ver se eu percebo. Temos uma jovem com pele de porcelana e uma bela figura, um vestido de uma cor absolutamente gloriosa, e depois não o ajustamos à medida? Os cai-cais em coração são os mais favorecedores, mas o vestido tem de ser estruturado na perfeição para suportar tudo. Fez o peito parecer descaído e blusou na cintura. Com uns puxões de um profissional competente teria sido simples, mas arrasador. Adorei o styling.

Kelly Osbourne, por Zac Posen
Não sei como a menina passou de uma desgraça pegada a guru de moda, não morro de amores pela cor (nem do cabelo, nem da toilette) o tecido não me seduz, mas cai-lhe na perfeição e é admiravelmente feito. Se não estamos num momento genial mais vale ficar por um clássico, e foi isso que Kelly fez. Sure and simple.

Sofia Vergara, por Zuhair Murad
Cai-lhe a matar? Cai. Foi moldado para ela, sem dúvida. Se estava gira? Oh la la. Terá sido a única mulher a virar cabeças no evento? Aposto nisso. É um vestido para os Emmy? Por supuesto que si! Terá classe? Isso é que eu já não posso jurar. Zuhair Murad tem modelos deslumbrantes. Outros - como é o caso - lembram-me demasiado certas boutiques da baixa, Modas Milu-  temos trajes para casamento e baptizados. O azar que se seguiu é uma consequência de levar ao exagero a máxima "uma senhora não precisa de respirar" e mais não digo...só não havia necessidade de tweetar o desaire.

Tina Fey, por Vivienne Westwood
Ora aqui está um decote cai-cai que assenta na perfeição, com a cintura como deve ser, uma cor rica e pormenores bonitos. Um pouco mais de cauda presa atrás teria acrescentado o va va voom necessário, mas é lindo mesmo assim. No styling é que Tina Fey, que parece continuar pouco confortável com o facto de ser uma mulher bonita, raramente acerta. Uma só cuff de brilhantes teria sido melhor do que as pulseirinhas e brincos longos, a clutch está um tanto desfasada e a makeup...é como o Melhoral, não faz bem nem faz mal. Ela tem traços regulares, não é difícil criar um look que os destaque. E aquela poupa? Adicionou-lhe anos e tirou-lhe beleza. Um estilo Veronica Lake era mil vezes melhor, me thinks.











 


4 comments:

Cristina Torrão said...

And me thinks ;)

O vestido preto e branco da segunda menina a contar da esquerda, nas quatro fotografias iniciais (desculpa, não sei quem é), é um autêntico desastre.

O vestido amarelo da Julianne Moore não lhe fica nada bem. Uma cintura realmente esquisita, que lhe dá uma silhueta quadrada :(

Quanto à Kelly Ousborne, oh là là!!! Se não dissesses quem era, não a conhecia. Há quanto tempo ela está tão elegante?

Imperatriz Sissi said...

O vestido preto e branco não era adequado para ela (actriz naquela série muito badalada, Girls) -e é desafiador para quase todas as figuras, mesmo para quem tenha uma silhueta muito esguia, pouco busto e rosto de boneca. É interessante de ver mas difícil de vestir. O styling fez o resto do desastre. Uma rapariga que não prima pelos traços correctos usar uma fatiota que tapa tudo menos a cara, um penteado sem qualquer volume e makeup inexistente, estavam à espera de quê?
A Kelly já está assim há mais de um ano. Não prestei muita atenção mas recordo-me que parou de comer disparates e ganhou juízo...como sempre teve uma cara engraçadota, ficou assim :)

Colour my life said...

Adorei o vestido da Julienne Moore (que é lindíssima), mas não me parece que a tenha favorecido. É pena. Os outros não me disseram, absolutamente, nada.

Boboquinha said...

Acabei de escrever sobre as vestimentas destes Emmys e nem sou muito disso, mas apeteceu-me. Poucos vestidos surpreenderam, muitos estavam "bem", alguns nem por isso mas não vi essa terceira menina a contar da esquerda.
Adorei a variedade de cores, existiram tons suficientes para compensar as mais deslavadas a dar para o cinzento.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...