Recomenda-se:

Netscope

Monday, September 10, 2012

Não gosto


Ao contrário de outras celebridades que foram mães, Liv Tyler deixou  claro
que perderia a "baby fat" ao seu ritmo e se lhe apetecesse.
No entanto, apareceu sempre
bem arranjada. No meio está a virtude...
de ver no Facebook mensagens lamechas sobre a maternidade, vulgo " se tiveste uma mãe desgraçadinha, que sofreu muito por ti, que chorou muita lagriminha para te criar, que abdicou disto e daquilo por tua causa, cola isto no teu mural" ao melhor estilo canção-pimba-de-fazer-chorar-as-pedras-da-calçada-que- passa-nos-altifalantes-da-aldeia-em-dia-de-festa-do-emigrante, ou " se trocaste a tua silhueta por um barrigão, a tua maquilhagem por uma cara de meter medo e os teus luxos por choradeiras toda a noite e cocó verde, cola isto no teu mural". As mães desta blogosfera que me desculpem, que eu estou completamente solidária convosco e sei que nunca é fácil, muito menos nos dias que correm, com uma mulher a labutar em três ou quatro frentes. Mas tenho de dizer isto, primeiro porque embirro com palermices politicamente correctas estilo "se não partilhares esta mariquice és mau e insensível", como já disse aqui. Depois porque abomino a ideia de mater dolorosa. Já se sabe que ter um filho exige sacrifícios e ajuste de prioridades mas não é nenhuma tragédia, coisa do outro mundo nem caso para ganhar um Prémio Nobel, eu acho, e séculos de mulherio a pôr filhos na terra desde que Deus Nosso Senhor criou este planeta parecem dar-me razão. Depois porque me irrita ainda mais que tentem enfiar na cabeça alheia o mito " mãe é mulher desleixada". Ora, tretas. É certo que cada uma tem diferentes facilidades e meios, um organismo diferente e que a reacção do corpo de cada uma à maternidade é individual. Há mulheres que demoram mais a recuperar do que outras e dependendo das ajudas que se tem, existe sempre um período de transição em que há menos tempo/paciência para produções elaboradas, mas quem se preocupa com a sua aparência arranja maneira de estar apresentável. Mesmo que algumas coisas só voltem definitivamente ao sítio com ajuda de um Dr. 90210 qualquer (e para isso nem é preciso ser mãe, temos sempre coisas menos perfeitas) é possível manter uma boa aparência.  Nós, mulheres, somos boas nisso desde a noite dos tempos. E não é tanto uma questão de plásticas e tratamentos (embora isso ajude e agilize o processo) mas de vontade. Fala a filha de uma mãe que depois de dois bebés, tinha uma silhueta de capa de revista, numa época em que não se falava de procedimentos estéticos como hoje. As mulheres da minha família sempre se cuidaram e nunca viram os filhos como uma catástrofe, nem a si mesmas como heroínas. Bebés eram parte da vida e a vida seguia depois da maternidade. Não me digam que o biberon faz desaparecer o kit de maquilhagem, a não ser que se queira. O mais cómico no meio disto tudo é que as jovens que vejo falar assim, com uma atitude " sou MÃE, MÃE, MÃE, premeiem-me e desculpem lá se pareço um trambolho sem vida própria" nunca foram meninas de se cuidar. E agora deitam a culpa ao pequeno que ainda nem falar sabe? Balelas.

17 comments:

Jedi Master Atomic said...

São as chamadas desculpas de mau pagador :P

PS: Textos grandes na internet que não tenham espaços entre parágrafos são bastante dificeis de ler ;)

A Bomboca Mais Gostosa said...

Nos tempos actuais há muito mais vitimização, a "coitadinha", etc. Já se sabe que é difícil, mas espero que quando chegar a minha vez, mantenha a vontade em arranjar-me e sentir-me bem comigo própria.

Urso Misha said...

Chama-se caracter sendo pai e convivendo agora mais, com outros da mesma especie, ouço das maiores barbaries, o desgraçado (do bébé ou criança) serve de desculpa para tudo, mas enfim...

Imperatriz Sissi said...

Mesmo!
Obrigada pela observação. O blogger porta-se um pouco mal com a formatação, nunca sei o que ele é capaz de fazer e por isso às vezes prefiro deixar o texto um pouco mais compacto, mas vou tentar aprimorar esse aspecto.

Imperatriz Sissi said...

Eu também estou vulnerável à inevitável frase " quando fores mãe é que vais ver!" mas como digo no texto, tenho bons exemplos em casa. Por um lado, hoje é tudo mais difícil (mães e avós que trabalham, o pessoal doméstico para ajudar é menos comum do que antigamente) mas por outro há epidural, cesariana, tratamentos de beleza mais sofisticados e coisas que as nossas avós nem sonhavam. Para não falar das mulheres que ficam mais magrinhas com a amamentação e/ou mais femininas e bonitas depois de serem mães. Claro que há casos de saúde que estragam tudo, mas há felizmente tratamento para a maioria desses problemas. Acho que à falta de outras coisas, há quem se gabe de fazer a sua obrigação como se fosse algo de outro mundo e usa isso como desculpa para o desleixo. Caramba, espero não degenerar, mas como referi, as pessoas que vejo atirar tais postas de pescada já eram assim antes de ter filhos...

Imperatriz Sissi said...

E pergunto eu: os pais que encomendam pequenos com mulheres assim foram bem enganados, ou quê? Ó criaturas chatas.

Ilídia said...

Mais um texto com o qual concordo a 100%. Para além de me irritar solenemente tudo o que comece com "Se não colares isto no teu mural..." ou "Se não reenviares isto a não sei quantas pessoas...", e de estas frases serem meio caminho andado para, independentemente da causa, eu passar logo à frente ou carregar no delete, não lido bem com quem se esquece de si por causa dos filhos. "Já não me apetece comprar sapatos para mim, agora só para a minha princesa". O quê?!!!! Eu posso comprar sapatos para o meu filho(afinal tem de andar calçado :), mas nada como o prazer de comprar uns sapatinhos para mim. Em relação à recuperação pós-parto e ao desleixo normalmente a ele associado, eu fiz precisamente o contrário. Como não gostava do peso a mais, apostava na maquilhagem e acessórios e roupa gira que disfarçasse as gordurinhas.
Desculpa o testamento, mas achei que devia partilhar isto :)
Beijinhos,
Ilídia

Imperatriz Sissi said...
This comment has been removed by the author.
Imperatriz Sissi said...

Fizeste muito bem, adorei o comentário e concordo plenamente. Obrigada :D
De facto, andar a "princesa" muito bonitinha e a mãe que parece um susto é cá uma felicidade...beijinho

tiago leal said...

Podes crer. Tudo o que sejam pedinchices de sentimentos, tresanda a vulgaridade e a coisa sem sentido. Os verdadeiros dizem-se cara a cara! :)

Urso Misha said...

À umas que vê-se à distância outras nem por isso...

E esquecia-me de dizer que os papás também já gostam de dar desculpas, já não é só das mamâs,
- "não faço isto ou aquilo porque não tenho tempo e blá-blá-blá",
- "mas eu faço"
- "pois mas tu não és pai!" (seres supremos estes pais)
- "Sou, sou"
- silêncio...

E os papás que se acham os maiores por ficarem cada vez mais gordos, assim por simpatia acompanham a sua mulher por uma pança descomunal e o orgulho que têm disso...
Não à pachorra...

MissApuros said...

Não poderia concordar mais com este texto. O pior é que o face está mesmo inundado com estes textos!

Na Província said...

Estou plenamente de acordo, e já o disse a amigas minhas que foram mães e ficaram não digo no desleixo total, mas quase e a resposta foi a mesma, "quando fores mãe falámos, até lá...""" Ora, perante isto, numa primeira fase calei-me, mas não desisti e as coisas lá foram mudando,até voltarem a ser as bonequinhas de sempre. Mas ainda bem que falou neste tema, porque é uma coisa que penso muito e considero mesmo um fenómeno que eu não entendo, não entendo mesmo!
beijinhos

Imperatriz Sissi said...

Na mouche, urso Misha. Enfim, como se desleixam têm de deitar as culpas a alguém e então armam-se nos primeiros pais da Terra. Como se fosse proeza olímpica pôr crianças no planeta. Não há MESMO paciência.

Imperatriz Sissi said...

É isso mesmo. Há dias andava um retrato de uma criança com Progeria (S. do envelhecimento precoce) a ser divulgada com várias mensagens idiotas, do estilo "Quem ama Jesus, compartilha". Se fosse para angariar fundos para a investigação da doença, entendia-se. Assim é circo, hipocrisia e exploração mórbida da desgraça alheia. E logo a invocar o nome do Senhor em vão, Ele que odiava fariseus e hipócritas! É triste ver os pontos a que chega a mediocridade das pessoas, realmente.

Imperatriz Sissi said...

Completamente. Já tenho limitado as postagens de certos contactos porque de facto, não há paciência e não estou para lhes dar sermões um a um.

Imperatriz Sissi said...

Muito obrigada! Fico contente por haver quem me compreenda, ainda julguei que me fossem cair em cima com o "quando fores mãe, vais ver" mas parece que só anda por aqui gente sensata. Beijinhos.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...