Recomenda-se:

Netscope

Friday, October 5, 2012

A confiança cega do guerreiro


                                       
Tenho mencionado várias vezes que me dá pena o facto de Cristiano Ronaldo, que nos representa além fronteiras, ser um rapaz tão mal orientado e em alguns aspectos, um exemplo pouco abonatório para os jovens. Aqui há tempos, uma revista publicou um artigo baseado na biografia do craque que esclarecia muita coisa -  como faltava às aulas para jogar à bola com o beneplácito materno, pois a senhora  Dolores achava que o jovem "tinha era de praticar para ser um grande jogador" e até se recusava a pagar aos vizinhos os vidros que o filho partia à bolada. Factos que o meio explica, em parte, mas continuam a ser de lamentar. De resto, o próprio já lastimou em entrevista o hábito de fazer gazeta, o que o impediu de saber falar inglês mais tarde...mas isso não foi amplamente divulgado, justiça seja feita.  No entanto, o artigo também mostrava alguns aspectos curiosos sobre o passado do jogador, que dizem muito sobre o poder de acreditar numa ideia.  Quando gozavam com ele por ser posto de castigo a conduzir o carrinho das bolas, alcunhado de "o Ferrari" ele respondia "pois vais ver, ainda vou ter uma data de Ferraris a sério".   
E cumpriu. As dificuldades, o sofrimento, a consciência daquilo que o esperava caso falhasse e a paixão pelo que fazia aumentaram-lhe a determinação, acenderam-lhe a fúria de vencer em vez de o deitarem abaixo. Foi realmente pena que as pessoas que o ajudaram a subir ao estrelato não o tivessem obrigado a instruir-se, não lhe transmitissem outros valores e não lhe polissem os modos. Bem dirigido, Cristiano Ronaldo seria um esplêndido rapaz. Tal como outros grandes atletas e outras pessoas bem sucedidas, possui uma qualidade rara, que admiro profundamente. O dom dos grandes guerreiros: confiança cega, à prova de bala, apoiada em trabalho duro. Pessoas assim são implacáveis consigo mesmas. Conhecem o seu trabalho. Superam os seus próprios limites. Como não haviam de ter confiança? 

 Não podemos colocar limites em nada. Quanto mais sonhas, mais longe chegas.

Tudo é possível quando pomos a nossa mente num objectivo e lhe dedicamos trabalho e tempo. A mente controla tudo.

                                                                   Michael Phelps

Os guerreiros vitoriosos vencem primeiro e só depois vão para a guerra; os derrotados vão à guerra primeiro e só então procuram ganhar.

Sun Tsu


Se puseres limites em tudo o que fazes, eles vão invadir toda a tua vida. Não há limites. Só planaltos;  e não devemos ficar neles, mas ultrapassá-los.

Não receies o fracasso. O crime não é o fracasso, mas apontar para baixo. Numa grande tentativa, até falhar é glorioso.
 
                                                                                                 Bruce Lee


A crença nas suas capacidades, no sonho, numa visão interior, que leva à vitória mesmo num estádio (ou num campo de batalha) cheio de gente  a desejar o seu fracasso. Que não se abate perante ameaças, inveja, comentários maliciosos. Quantas vezes receamos o sucesso, por um medo inconsciente do que meia dúzia de infelizes possam dizer ou fazer para nos roubar ou amesquinhar o que alcançámos com tanto esforço? Quantas vezes nos acanhamos em vez de ouvir a nossa voz interior, ou perdemos o entusiasmo, a força ou a energia a meio do caminho? 
Pessoas como Muhammad Ali, Michael Phelps, Bruce Lee ou Cristiano Ronaldo fecham esses monstros num pequeno armário das vassouras. Convencem-se do seu tamanho gigante, deixam-se crescer até que as vozes contrárias não passem de formiguinhas. E depois esborracham-nas sem pensar duas vezes. As suas vitórias estão ganhas antes de entrar na arena, pois " nenhum homem está derrotado sem que se derrote a sua confiança". A sua mente é hermeticamente fechada às influências negativas. Nada os afasta da visão que criaram - e ela acaba inevitavelmente por se materializar, tranquilamente, enquanto os detractores se descabelam. O que puxaria outros para o abismo obriga-os a trepar, com a energia do desespero se preciso for, até ao cume. Pessoas assim vêm em vários formatos - podemos gostar delas ou não - mas todas têm em comum essa chama teimosa a brilhar dentro de si. Não têm medo de absolutamente coisa nenhuma, venha quem vier. Danem-se. Quem manda ali são eles. Não creio que o nosso Cristianinho tenha lido Sun Tsu, mas não há dúvida que aplica algumas das suas máximas. Não me parece que citações suas fiquem para a história como as de Muhammad Ali, mas que é digno de ser observado...isso é.

11 comments:

Urso Misha said...

de facto, nada até hoje do que o rapaz disse entrará como uma "quote" conhecida, quem sabe um dia.
Li pelo menos 2 vezes Sun Tsu e não sei se o facto de ser positivo para a vida e achar que à solução para tudo se deveu com alguns livros que li ou do "instruções" meu pai.
Mas sem duvida SUn Tsu não é só militarista é Honra e Humildade

Cristina Torrão said...

Excelente texto, subscrevo! Também o facto de ter faltado alguma orientação pessoal/educativa ao Cristiano Ronaldo. Embora ele o consiga superar muito bem, penso que isso, de vez em quando, se manifesta, por exemplo: a sua falta de confiança nos primeiros jogos do último Campeonato Europeu. Aquilo não foi só azar, havia ali uma falha que eu interpreto como falta de orientação em algum aspeto da sua vida (isto é uma opinião muito pessoal, não o conheço suficientemente bem, nem a sua vida, para fundamentar a minha ideia).

Sérgio Saraiva said...

Hum... Daqui a pouco estás-nos a dizer que tudo se baseia na lei da atracção... :p

Imperatriz Sissi said...
This comment has been removed by the author.
Imperatriz Sissi said...

Na Lei da Atracção não sei, teria de lhes perguntar a eles. No "fake it ´till you make it" tenho uma certa fé.

Imperatriz Sissi said...

É uma pena que ele não seja um pouco mais instruído. Parece-me um rapaz inteligente, mas não puxaram por ele nesse aspecto...

Imperatriz Sissi said...

Honra e humildade fazem parte de uma boa estratégia, eu acho.

Sérgio Saraiva said...

Estes dias estava a senhora do café onde costumo ir muitas vezes toda contente, afinal o puto dela tinha começado a treinar nos infantis do Sporting. A realidade é que para uma grande faixa da população, a solução para sairem do meio relativamente pobre em que vivem passa por ganharem o euromilhões, ou que terem um filho jogador de futebol famoso. A questão da escola e dos cursos superiores e afins é para outras pessoas... Daí metem todos os esforços familiares nesse tipo de apostas, para bem ou mal dos miudos. Acho que é relativamente simples perceber olhando para este tipo de pessoas mais humildes.

Imperatriz Sissi said...

Completamente, Sérgio..essa questão já foi analisada noutros posts e não valia a pena abordar esse aspecto novamente. Mas é um problema, e é uma vergonha que os clubes nada façam para colmatar a ignorância dos jovens jogadores.

Jedi Master Atomic said...

A vertente educacional do Ronaldo dar-lhe-ía uma outra forma de olhar para a vida e de se comportar, sem duvida. Não estaria a rebentar Ferraris mês a mês como aconteceu há 2 anos atrás.

A Bomboca Mais Gostosa said...

Adoro este tipo de pensamento e estas máximas de vida.
De facto, não existem limites.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...