Recomenda-se:

Netscope

Monday, October 15, 2012

Quem nos ama...

 Relações superficiais sempre existiram - mas nos nossos dias, em que uma amizade pode ser imitada com um simples clique e basta um copy/paste para fazer uma declaração de amor que se esquece na semana seguinte, os afectos são encarados com uma ligeireza ainda maior e complicados por uma série de pressões, questões do ego e interferências externas. Assistimos a uma banalização sem precedentes do amor ou das amizades .O suspense e a privacidade que compunham o evoluir de uma relação estão muitas vezes condenados à partida, a não ser que os envolvidos tenham muita racionalidade, sangue frio e sentido do decoro para impedir precipitações ou influências de terceiros. Na era do individualismo, do digital e dos resultados para ontem é fácil fazer um juízo errado.
Mas há coisas que nunca mudam e se nos sentarmos a reflectir, percebemos facilmente a diferença entre quem  ama e quem pratica um "gostar" assim assim e egoísta. 


- Quem ama gosta de ver o outro bem, feliz e tranquilo; não tem prazer em arreliar ou provocar sofrimentos escusados. No início de um namoro, por exemplo, alguns ciúmes ou "jogos de poder" podem fazer parte das manobras de sedução e dar o empurrãozinho que falta para que os sentimentos se manifestem. Mais do que isso, é uma fonte de ressentimentos e desencontros.

- Uma pessoa que se importa com a outra não faz desfeitas, não se faz "caro(a)", "charmoso(a)" ou misterioso(a) sem motivo, não sai de cena nem muda de comportamento repentinamente. Tem tanto prazer em dar como em receber. É constante, carinhoso e honesto. Manifesta os seus sentimentos, por palavras e/ou actos. Não submete as pessoas de quem gosta a situações constrangedoras e caso tal coisa suceda, defende-as sem cobardias nem comodismos. Tão pouco se compraz com rivalidades e intrigas que lhe massagem o ego. 

- Quem ama confia; não dá ouvidos a rumores ou mexericos. É certo que todos os apaixonados se deixam assaltar pela dúvida ou pelo ciúme; a diferença é que quem ama verdadeiramente, se tem dúvidas por qualquer motivo, senta-se com o visado e comunica-as sem rodeios em vez de amuar sem explicar porquê ou de fazer acusações veladas que minam o relacionamento. Jamais submete o objecto dos seus afectos a provas ou testes; é humilde que chegue para se entregar emocionalmente, mesmo arriscando uma desilusão. 

- Age de modo a comunicar ao par (ou amigos) confiança e tranquilidade. As pessoas de quem gosta sentem-se bem e protegidas na sua presença. Isso não significa uma relação "morna", pouco divertida ou sem emoções fortes, e sim uma relação segura, com estabilidade e lealdade. 

- Jamais deita abaixo, diminui ou brinca de forma cruel com as pessoas de quem supostamente gosta. Não há desculpa para isso.


Quem não procede mais ou menos assim, das duas uma: ou não gosta realmente de ninguém, ou precisa de crescer. Todas as desculpas que se dêem não passam de mecanismos de auto ilusão...









3 comments:

thalassa said...

Está perfeito

Imperatriz Sissi said...

Grazie :D

Cristina Torrão said...

Há pessoas que não gostam realmente de ninguém, isso é uma verdade.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...