Recomenda-se:

Netscope

Monday, December 17, 2012

O (meu) perfeito cavaleiro

                            
No ciclo das Lendas Arturianas - e histórias, cantigas, filmes, poemas, séries, obras de arte, you name it, que lhe estão associados - Sir Lancelot é sempre apresentado como o golden boy, o perfeito cavaleiro, o homem ideal por quem todas as mulheres suspiram.
      Embora eu tivesse o mais profundo respeito por todos os integrantes da Távola Redonda, baluartes da fina-flor da cavalaria, cosia cá comigo uma embirraçãozinha com Lancelot: Ele dorme com a mulher do Rei, essa tonta da Gwenhwyfar (o que não é grande conquista, pois a desmiolada também se deixa seduzir pelo filho bastardo do marido, Mordred, fazendo justiça ao velho estribilho galês que reza:



Gwenhwyfar, filha de Ogrfan Gawr
Má em pequenina, pior na grandeza... )


A traição de Lancelot do Lago acabaria por causar a ruína de Camelot, o que não é, de todo, o que se espera do Primeiro Cavaleiro do Reino.
 Também a Senhora de Shalott, do poema de Lord Tennyson, morre por amor de Lancelot; e outras há...é um verdadeiro homem troféu, com tanta basófia como valentia, e tanta fraqueza de carácter como força física. Todas o querem, todos o aplaudem e ele, apesar das boas intenções, acaba por se corromper, indo contra tudo aquilo em que acredita. 
       O meu fraquinho sempre foi para Sir Gawain, sobrinho do Rei Artur, melhor amigo de Lancelot (até ser, também ele, vítima das consequências dos seus caprichos) e o mais nobre dos Cavaleiros da Távola Redonda, em todos os sentidos. No que concerne ao sexo oposto, a minha preferência vai inevitavelmente para os homens reservados, senhores de si, que dão provas de valor em vez de o alardear. Gawain é belo, formidável, valente, entende de curas, defende os pobres e oprimidos e apesar de lhe chamarem o "protector de todas  as donzelas" não aparece ligado a nenhum caso amoroso em particular. É demasiado discreto e grandioso para se envolver em romances sem consequência, ou para deixar mulheres mal colocadas. Mas Gawain acabou por se apaixonar, e de uma forma extraordinária:

Para salvar a vida do seu tio, que precisava, no prazo de um ano, de resolver o enigma " o que é que as mulheres realmente querem?" Gawain acedeu, como perfeito cavaleiro que era, a casar com uma bruxa repugnante, Lady Ragnelle - a única que sabia a resposta.

 O banquete de casamento foi um horror: além de feíssima, a bruxa enojou toda a gente com os seus maus modos à mesa, deu escândalo, fez barulhos terríveis, enfim, uma vergonha. Gawain, no entanto, tratou-a como se ela fosse a mais bela dama da mais ilustre linhagem, procurando fazê-la sentir-se o melhor possível. Quando chegaram ao tálamo nupcial, o pobre Cavaleiro ia de coração pesado, embora fizesse tudo para não o demonstrar. Assim que ficaram sozinhos, no entanto, Gawain não podia crer nos seus olhos: tinha diante de si a mulher mais linda que se podia imaginar!
Ela abraçou-o e com um sorriso doce, e explicou-lhe que ao aceitar casar com ela apesar do seu aspecto horrendo, ele quebrara parte do seu encanto; Ragnelle aparecia-lhe, por isso, com a sua verdadeira aparência. No entanto, ele tinha de escolher: preferia que ela aparecesse bonita durante o dia, para ser admirada por toda a corte, e que ficasse horrenda à noite, quando se encontrassem a sós...ou que ficasse bela de noite, nos momentos de intimidade, e assustadora durante o dia, em público?
Gawain não era capaz de escolher - ter à sua disposição uma esposa lindíssima durante a noite, ou uma mulher bela para exibir aos amigos e salvar, assim, a sua reputação?
 Pensou então que só a esposa podia decidir sobre a sua própria vida - e entregou-lhe esse poder de escolha. 

- Se é assim - disse a mulher, radiante - ficarei bela de noite e de dia. O meu encanto está quebrado.

A beldade tinha sido embruxada pelo Rei do país vizinho, seu irmão, por se atrever a questionar os seus métodos duvidosos de governo. Ao devolver-lhe o poder de escolha, Gawain destruu o feitiço e resolveu o enigma: o que as mulheres realmente querem é soberania sobre as suas próprias vidas...

E assim Gawain salvou o Rei Artur e encontrou a sua própria felicidade. Gawain é o Perfeito Cavaleiro não só pelos seus feitos grandiosos, ou pela sua bela reputação, mas por ser  capaz colocar  de o orgulho irracional de lado, e de não se intimidar com o poder da mulher que escolheu. É preciso um homem a sério para fazer isso.

No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...