Recomenda-se:

Netscope

Wednesday, January 9, 2013

Hollande quer abolir os TPC - hip, hip, hurra!




Opiniões políticas à parte, apetece-me mandar um cestinho de ovos moles a Monsieur Hollande. Então não é que o Presidente francês - por motivos com que concordo, outros nem tanto - quer abolir os malfadados, odiosos e ranhosos trabalhos de casa, proibi-los mesmo, realizando assim o sonho de infância de milhares de ex (e actuais) criança  que passaram, ou passam, a meninice a amaldiçoar os ditos?

Não sei quanto a vocês, mas apesar de ter sido boa aluna (às matérias que me interessavam; não esperem milagres, que eu por mim tinha tido uma perceptora que selecionasse o que eu queria aprender, em vez de ser "another brick in the wall"...) detestava os TPC. Tinha dias longuíssimos na escola, fora as actividades extra curriculares - música, alemão, ballet, equitação, you name it - os meus pais chegavam tarde, quando finalmente punha os pés em casa já era de noite, queria estar com a família e descansar um pouco antes de outra jornada extenuante no ia seguinte. A última coisa que me apetecia era fazer mais do mesmo, com metodologias semelhantes. As únicas ocasiões em que fui capaz de me concentrar e de levar os TPC a cabo sem chatices foram aquelas em que nos permitiam fazê - los ainda na escola, em salas de estudo, para ir para casa tranquila. De resto, odiava-os com paixão e recusava mesmo fazer uma coisa tão horrível.  Concordo com o que é dito na notícia - os TPC podem gerar um ódio de estimação à escola. Não direi que odiava a escola, mas quando passava por ela nas férias chamava-lhe "aquela coisa pegajosa..." logo, não éramos exactamente unha com carne.
Hoje, com toda a informação disponibilizada na internet, e tantos outros meios para que os alunos não dependam dos manuais e do material complementar para estudar (no meu tempo, se calhava o manual não ser grande coisa e não haver outros livros à mão que explicassem melhor determinada matéria era uma chatice...actualmente basta pesquisar com algum critério para obter informação melhor e mais clara) não se justifica mesmo esta tortura gratuita, chata, que passa a impressão de que os professores, coitados, não têm mais nada  que fazer além de perseguir as pequenas vítimas after hours
    Ainda hoje, a não ser que um  projecto me entusiasme muito (e tenha as devidas compensações) custa-me levar trabalho para casa. Se os adultos não gostam, que farão as crianças? E com que cara, eu, a rebelde-quando-a-coisa-se-justifica, direi a um hopotético filho meu " os TPC são importantes, toca a fazer os TPC" quando passei a vida a tentar esquivar-me a esses gremlins, ladrões da infância alheia? Convertam os tempos lectivos excessivamente longos - uma violência que não estimula o cérebro de ninguém - em tempo de estudo, aumentem a  disciplina mas deixem os feriados em paz porque é ridículo olhar para as paredes a fingir que se trabalha, dêem à escola o que pertence à escola e ao lar o que pertence ao lar,e deixem os pobres pequenos brincar.
  Têm tempo de sofrer com disparates que não lembram a ninguém quando crescerem. E não me venham dizer "eu gostava de fazer os trabalhos de casa, a Sissi está doida" porque eu não acredito, e não engulo argumentos politicamente correctos, masoquistas e carregadinhos de síndroma de Estocolmo como esses.

6 comments:

*C*inderela said...

Compreendo, principalmente durante a primária tinha outras actividades extra-curriculares e a última coisa que me apetecia fazer quando chegava a casa era agarrar-me aos livros.
Mas eu até gostava de estudar, mas imagino o horror para as crianças que não gostam. Ainda por cima, hoje em dia, elas têm mais cadeiras do que eu tive (por ex. já têm inglês desde a primária), passam mais tempo na escola. Devem ficar mesmo traumatizadas!

Bjokas.

dinona said...

Sempre fui uma aluna impecável e sempre odiei os TPC. Já bastava estarmos o dia fechados na escola, quanto mais sair da escola vir para casa e agarrar aos livros... se a intenção da escola é ocupar tempo criem actividades extracurriculares.

Fashionista said...

eu confesso.. sou estranha, gostava de TPC e acho que sempre ajudam os miúdos a estudar!

lena said...

Fui uma boa aluna e fazia os TPC. Alguns até gostava outros não. O problema era a quantidade. Acabava por muitas vezes não fazer mais nada do que estudar para os testes e os tpc. Por isso acho que o problema está na quantidade. Um pouco de Tpc por semana ajuda a estudar agora as quantidades industriais que alguns professores mandam, isso não concordo porque não há so uma disciplina. Deveria haver uma melhor regra.
Beijinhos grandes

Imperatriz Sissi said...

Meninas, o problema é a quantidade e a dificuldade de articular tudo isso entre professores. Não digo que não se façam alguns exercícios ou que não se encontrem modelos menos formais de fazer as crianças estudar por si. Mesmo na primária, recordo-me de estar um serão inteiro com MONTES de contas de dividir. Há paciência?

Isto e aquilo said...

Só para lançar a confusão: eu sou professora e defendo os TPC, com unhas e dentes. Porque são a única maneira de realizar trabalho autónomo que leve os alunos a perceber se estão ou não a acompanhar as matérias. Claro que, como em tudo, há que haver bom senso.
Mas esqueçam o vosso tempo. Hoje, nenhum aluno abre um livro para estudar, se não tiver algum trabalho para fazer fora do espaço da sala de aula. :)

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...