Recomenda-se:

Netscope

Wednesday, January 16, 2013

Sê-lo ou parecê-lo: expensive x cheap

                       
Uma frase muito usada por stylists, personal shoppers e produtores de moda é "it looks expensive!", elogiando uma peça de roupa que, tendo um custo elevado ou não, pareça luxuosa e bem acabada. A expressão também pode aplicar-se a um look, ao cabelo ou a alguém que no todo tem bom ar. Certas pessoas parecem sempre impecáveis, distintas e sofisticadas usem o que usarem, mesmo a passear o cão ou a fazer compras no supermercado pela manhã, com roupas que aparentemente não têm nada de especial. Nem todos podemos ser como Grace Kelly (a 100%, pelo menos) mas por trás do visual composto de certas celebridades ou indivíduos com estilo há mais que boa genética e berço - atenção, conhecimento e um pouco de disciplina são ingredientes chave para um aspecto "dispendioso" e elegante. Além disso, todos sabemos que dinheiro não compra gosto: como qualquer forma de poder, os recursos financeiros ilimitados agem como uma lupa, e se quem os tem for desprovido de sentido estético, é pior a emenda do que o soneto...

            
      Natalie Portman, Gwyneth Paltrow e  Angelina Jolie são mulheres que, cada uma no seu estilo, 
     fazem as roupas mais simples parecer  dispendiosas. 

 A frase batida "há quem use Zara e pareça Prada, e vice versa" é cada vez mais verdadeira. Há quem por ter gosto, know-how e uma figura graciosa consiga fazer milagres com um orçamento controlado...e as figuras públicas que integram sistematicamente as listas das  mais mal vestidas, mesmo com acesso a toda a ajuda de profissionais. Por um lado, as marcas acessíveis têm-se aprimorado, oferecendo opções de maior qualidade. Por outro, embora griffes prestigiadas sejam (ou devam ser) um bom indicador para comprar produtos de confiança, é preciso ver que por questões de lucro, de criatividade ou para agradar a determinados públicos, cedem por vezes aos materiais sintéticos ou a designs algo...experimentais, para não dizer duvidosos. Recordo-me de um vestido Dior que me entusiasmou muito...até o ver de perto e perceber que o tecido era muito fino e sem forro. Por fim, a Moda é um negócio - e como tal, importa alimentar a máquina das tendências, gerando constantes novos "objectos de desejo"  passageiros que não favorecem toda a gente.

Por desleixo ou falta de sensibilidade para o seu tipo de corpo, Britney Spears, Christina Aguilera e Alicia Keys não tiram partido do acesso privilegiado a roupas fantásticas.

 Assim, roupa, calçado e acessórios sofrem do complexo Mulher de César: não basta que seja caro, é preciso parecê-lo. Ou antes, mais do que ser caro, convém que pareça caro...e acima de tudo, que dentro do seu preço, tenha a melhor qualidade possível
 Por parecer caro, não se entende, antes pelo contrário, o uso de logótipos, monogramas ou publicidade à marca de forma visível. O que se procura são peças com caída perfeita, confortáveis ao toque - a qualidade sente-se, nota-se à distância. Quem sabe usar coisas boas da forma correcta  projecta uma imagem de confiança inabalável, sem se esforçar demasiado. De que serve gastar uma fortuna em roupa se ela continua a parecer barata?

Para evitar maus investimentos e manter um aspecto polido, é boa ideia: 

- Reparar nos detalhes e acabamentos (botões, costuras, bainhas...).
- Arranjar uma boa costureira. Nada cai tão bem se não for adaptado a si.
- Não complicar: peças simples e bem acabadas são a base de tudo. É muito mais fácil acessorizar um look básico, imprimindo-lhe estilo, do que suportar com elegância um visual kitsch. Poucas pessoas o conseguem.
                              
Gwen Stefani suporta muito bem looks irreverentes, ao contrário de Nicki Minaj: manter a base simples, ter boa pele e cabelo, evitar o ruído visual e guardar o impacto para as peças chave, mantendo a harmonia, são o segredo para dominar visuais impactantes sem cair na caricatura.

- Atenção à roupa interior: nada pior do que soutiens a marcar ou esborrachar o busto, alças descaídas, rendinhas sob t-shirts justas...se a lingerie está velha e gasta, livre-se dela e substitua-a por peças simples em preto e cor de pele, que dão com rigorosamente tudo. Não faz sentido ter um vestido de designer e um soutien que não segura nada por baixo! A confiança vem de dentro, não se esqueça...

- Descubra o melhor visual para si (cabelo, unhas, maquilhagem), que seja fácil de manter em casa ou num salão acessível. De nada lhe vale ir ao melhor stylist da cidade se só tem possibilidade de passar por lá "quando pode" e anda despenteada ou com a coloração atrasada. Manicure, maquilhagem e cuidados capilares básicos são coisas que fazem a diferença entre um um aspecto pouco cuidado e um ar realmente fabuloso, mas não têm de ser caras: o lendário cabelo de Giselle Bundchen era pintado por um amigo aspirante a cabeleireiro, na banheira e de cabeça para baixo!

Kate Beckinsale devia
 pouco
 ao bom gosto há uns anos
atrás: hoje é uma perfeição
- Evitar os exageros: extensões de cabelo e de unhas, demasiados acessórios, demasiadas jóias, demasiados brilhos, demasiada maquilhagem, demasiado largo, demasiado curto...

- Apostar em bons cortes, modelagens e tecidos. Evite tudo o que tenha fibras sintéticas mais do que estritamente necessárias e fuja dos materiais brilhantes, pouco firmes ou que sejam desconfortáveis ao uso.


- Observar as celebridades de que gosta, que se parecem consigo, e que estão sempre elegantes: veja quais são os designers que as vestem e sem copiar cegamente parta daí, comprando nas mesmas marcas ou noutras mais acessíveis que sigam uma linha criativa semelhante.

- Conhecer o seu tipo de corpo e divertir- se criando coordenados que se adequem realmente a si - a escolha é imensa quando se sabe o que procurar.

- Seguir as boas regras do smart shopping.


  






14 comments:

Akira Ureshi said...

aplausos de pé ^^ assino por baixo
há cada coisa que se vê meu deus credo
alicia keys que horror esta sem sutien com um vestido daquele tecido :/ nunca imaginei

Fashionista said...

adorei o post!
Concordo a 100%!

Maria Misteriosa said...

Sem dúvida que o bom gosto deve imperar. E bom gosto não é só adquirir roupas de marca e dispendiosas. Priviligiar a elegância, acima de tudo. Muito bom! A consensualidade é marca registada.

lena said...

Concordo plenamente. E tenho cuidado quando compro uma peça de ver bem o tecido e os acabamentos. Gostei muito de ler excelente post.
Beijinhos grandes.

A Bomboca Mais Gostosa said...

Post brutal, adorei. Muito útil, sem dúvida.
A simplicidade e boas peças de roupa fazem milagres. Muita atenção aos acabamentos e sim, a roupa interior é fundamental.

aiuich said...

Nem de propósito... Bem sei que nem toda a gente tem que vestir roupa de estilistas, ou andar com "aquela" mala (não tem que ser uma Chanel! ;)). Mas quem não gostava de ter um ou outro artigo de luxo a preços acessíveis?

Como é óbvio, há quem nunca tenha vestido uma única peça de "marca", mas que tenha muito bom senso e gosto ao comprar e a combinar peças. No entanto, quem não se sente mais confiante quando tem uma LV ao ombro?

Por isso mesmo, gostava de dar a conhecer o meu recentíssimo blog, onde vendo artigos de Luxo e Vintage que já alguém amou! Temos PRADA, DOLCE & GABBANA, CÉLINE, MIU MIU, ROBERTO CAVALLI, PAUL SMITH, GUCCI, JILL SANDER, MOSCHINO, etc, etc.

http://aiuich.blogspot.pt/

Neste momento temos uma MALA CÉLINE vintage à venda. Espreitem!

Imperatriz Sissi said...

É verdade, uma peça realmente boa, desde que bem escolhida, dá outra confiança, além de durar e durar. Vou espreitar o blog. Obrigada.

MintJulep said...

Já percebi porque é que não "faço sucesso" com os meus "outfits", marimbo-me para este tipo de regras hiper redutoras eheheehehh.
http://fashionfauxpas-mintjulep.blogspot.com

Imperatriz Sissi said...

ehehe, Mint, não acho que sejam redutoras, até facilitam a escolha e as compras. Uma vez habituando-se, adaptam-se a todos os estilos; apenas os tornam numa versão melhor. Beijinho.

Imperatriz Sissi said...

Nunca hei-de entender a necessidade de criar vestidos em lycra
(para mim isso serve para bikinis e pouco mais) Mas já que existem, usem-nos com cuidado...

Muito obrigada. Beijinho :*

Imperatriz Sissi said...

Obrigada :D
Bj

Imperatriz Sissi said...

Muito obrigada :D
Não há dúvida que comprar em boas marcas pode ser meio caminho andado, mas o "meio" que falta decide tudo.

Imperatriz Sissi said...

Somos duas ;)
Obrigada, Lena. Beijoca.

Imperatriz Sissi said...

Muito obrigada, Bomboca :*
Tendo peças simples e boas, torna-se tudo muito mais fácil, até porque são as que recordamos melhor no meio das outras. Se multiplicarmos esse tipo de peças podemos dizer que o nosso armário é realmente fantástico, com coisas úteis e elegantes em vez de "tanta roupa e nada para vestir".
Beijinho.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...