Recomenda-se:

Netscope

Sunday, March 10, 2013

Das mulheres que tomam a iniciativa

                                   
Já  manifestei por aqui algumas vezes , noutros posts, a minha opinião sobre o assunto. Embora não tenha nada contra dar um empurrãozinho, encorajar com subtileza na hora certa, enfim, usar todos os truques de coquetterie que nós, mulheres, trazemos geneticamente programados, não consigo achar piada à ideia de uma mulher tomar, desde o princípio, todas as iniciativas para que uma relação aconteça. Acredito que a sábia Mãe Natureza calculou tudo muito bem, e que privar os cavalheiros do prazer da conquista é uma receita para homens bananas, mimados e incapazes de  fazer o que lhes compete, e mulheres desesperadas e confusas. Este texto, de que reproduzo um excerto em português, diz tudo:


"Os homens são feitos para perseguir, as mulheres para serem desejadas. O homem é naturalmente um caçador, tradicionalmente o fisicamente mais forte, e delira com desafios. O homem aprecia a emoção da caça e tentar descobrir o mistério que é a mulher. Perdemos esta aura ao atirar-nos a eles, que é o que a sociedade nos encoraja a fazer. Outra razão para os deixar tomar a iniciativa - é que isso é uma prova para uma rapariga saber que ele se importa com ela. Quem quer um tipo a namorar com ela porque foi a opção mais fácil, ou a que deu menos trabalho? Isso NÃO É O SUFICIENTE. Nenhuma mulher quer um homem que ficou com ela porque ela não lhe deu outra escolha - atirou-se a ele e antes que ele visse como, estava num relacionamento". 

6 comments:

Sérgio Saraiva said...

Tudo isto é um jogo, onde a maioria das vezes o importante é o que parece e não tanto do que é. Já se sabe, um macho para atrair a fêmea tem de se mostrar isto e aquilo, fazer umas palhaçadas para que a fêmea ria e baixe as defesas (como se o resto da vida fosse para ser passada a rir), mostrar-se muito decidido e nunca desesperado, etc, etc, etc.
Depois da coisa estar "feita", já pode voltar ao normal que é deitar-se no sofá a beber cerveja enquanto vê futebol e arrota, e a fêmea que arrume a casa que é obrigação dela, afinal aquela coisa do sempre divertido e muito dedicado era só para o engate... ;-)

Estas coisas do geneticamente programado pode ser uma faca de dois gumes, afinal não se pode querer só a parte boa que é ficar quieta à espera que o macho faça o trabalho, afinal se o macho está programado para ser ele a ir à caça, a fêmea também não estará programada para no entretanto em que fica à espera, tratar dos afazeres da casa (ou da caverna...)? O que não será obrigatoriamente mau para as fêmeas que gostam de passar a ferro.

A mim parece-me que nos tempos modernos situações de equilibro funcionam melhor.

MintJulep said...

Não poderia discordar mais. Que coisa tão bacoca, mas agora eu sou algum pedaço de carne para ser caçada por um homem? Ora ainda bem que eu tomei em mãos a iniciativa de conhecer aquele tipo altamente jeitoso que vi na discótéque e que ninguém me quis apresentar, ainda bem que eu meti conversa com ele e me dei a conhecer e ainda bem que tomei a iniciativa de o convidar para um cafézinho numa bela tarde de fim de Verão. Já lá vão 12 anos e cá estamos, juntos e felizes, e graç'adeus que de banana o meu marido não tem nada. De timido tinha tudo. Se eu não tivesse tomado a iniciativa nunca ele saberia que eu estava interessada, e timido como era, continuaria a achar que eu era demasiada areia para o camião dele, jamais tomaria a iniciativa e perdia-se um casal perfeito, que fez o puto mais esperto e giro do mundo ahahahah. Mulheres, respeitem-se, tomem a iniciativa.

Imperatriz Sissi said...

Sérgio, há a programação genética, depois há o bom senso para nos adaptarmos às situações. Não quer dizer queuma mulher não encoraje o segundo movimento, ou até que não dê um pontapé de saída quando a coisa não ata nem desata. Mas declarar-se e descer do salto acho mau. As mulheres sempre tomaram a iniciativa à maneira delas - ou seja, deixando-os pensar que foi tudo ideia deles. É a abordagem directa, o completo virar de jogo, que me faz confusão e que a meu ver, retira todo o mistério e encanto ao jogo.

Imperatriz Sissi said...

Mint, ainda bem que funcionou. Ainda bem que correu tudo bem e que se tratava de facto de um homem tímido ao lado de uma mulher com muita personalidade. A questão é, para quê arriscar sem necessidade? Esta questão levanta sempre discussões, mas lá está, este é um blog old fashioned. A questão é que 95% dos homens não são tímidos - são preguiçosos, mimados, esperam pelas facilidades todas como se não tivessem boca para falar, e boas pernas e braços. Quando eles querem realmente, vão atrás, perdem a timidez toda e nada os pára. Todas sabemos disto e é muito mais divertido ser conquistada, eu acho. Regra geral, se uma mulher tiver de tomar a iniciativa e forçar um pouco as coisas (e falo do que já vi acontecer) no princípio, eles estão sempre salvaguardados, leia-se " tu é que quiseste". Why bother? Eu prefiro seguir a natureza e ficar-me pelo empurrãozinho, flirt, encorajamento e subtileza femininas, o que não significa que seja uma panaceia ou a única receita. Beijinho.

MintJulep said...

Let's agree to disagree, que isso do arriscar sem necessidade a mim não me faz qualquer sentido, e sou daquelas que nunca achou minimamente divertido ser conquistada, mas lá está, eu não devo ter sido prendada pela beleza e sou daquelas que teve de se fazer á vida, como referiste num outro post, é a conclusão a que chego ;) agora fora de brincadeiras, nunca gostei de ser a conquista, sempre gostei de ser a conquistadora, mesmo. Acho que dentro de mim vive um homem. Das cavernas!
http://fashionfauxpas-mintjulep.blogspot.pt/

Imperatriz Sissi said...

Ahahah, Mint, gostei da resposta espirituosa. Não quer dizer que todas as mulheres que tomam a iniciativa sejam feias. Mas embirro com elas porque tornam os homens preguiçosos, fazer o quê? Um beijinho.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...