Recomenda-se:

Netscope

Saturday, March 2, 2013

Sissi responde: estar bonita quando se trabalha em casa


                              
A querida C., que acompanha o Imperatriz, colocou uma questão que aflige muitas de nós, mulheres, tanto as que exercem a sua actividade independente em casa como  aquelas que optam por ser mães/gestoras do lar (ou ambas, o que vai acontecendo cada vez mais). Quando se fazem opções dessas, as vantagens são várias (nada de correrias, por exemplo...) mas equilibrar conforto inerente a estar indoors o dia inteiro com a a identidade da "mulher de sucesso" e no meio disso tudo, não perder o glamour pode ser um desafio. Afinal, por muito stressante que seja trabalhar fora, sair de casa é sempre uma motivação para investir no visual:


É grave o meu caso e preciso de socorro.
Hoje olhei-me ao espelho e percebi que estou em mutação... É assustador.
(...) a trabalhar remotamente de casa para uma multinacional, raramente saio do meu "covil / escritório" caseiro. E pois que aí está o problema.  
Porque não tenho de sair do meu covil optei por formas diria mais confortáveis de me vestir (nada que chegue ao pijama, como já vi noutras pessoas que trabalham no mesmo regime): calças de ganga, camisolões e (aqui tenho de confessar) pantufas.
A ocasional videoconferência impede que isto se repita todos os dias, ainda assim são mais os dias de downdressing que os restantes. E nos restantes o fato sem graça substitui as coordenações de peças com imaginação e estilo. Acontece que como qualquer outra pessoa tenho (ou devia ter) mais vida para lá do trabalho. E nesses escassos momentos a sensação é de que a manifesta falta de criatividade quanto à indumentária se estendeu a toda a minha existência. 
Não consigo (e é com sérias dificuldades que o assumo) recuperar os meus dias de bom gosto (e já agora bom senso - porque me parece que andam de mãos dadas).  
Para que conste - tenho  30 anos, 1.60m, peso 44 quilos (portanto sou mais para o "fininho"), tenho pele clara e cabelo escuro bastante curto (porque o cortei numa tentativa de simplificar a minha vida e que agora me parece ter sido um valente disparate, dado que o referido teima em assumir configurações estranhas e me dá um ar arrapazado).
Pois que chego ao meu pedido... Alguma arte mágica infalível, remédio para este achaque ou conselho que possa partilhar?

Como em todas as situações na vida, trata-se de encarar a situação por outro prisma, adoptando um raciocínio - e uma rotina -  diferente.  Aqui ficam algumas ideias:

 - Quem trabalha em casa não tem de suportar o trânsito, os horários loucos e na maioria das vezes, um chefe psicopata aos berros, o que é meio caminho andado para ter boa cara. E boa cara é meio caminho andado para... uma boa maquilhagem. Isso mesmo. Uma coisa é quem trabalha fora de casa optar por ficar sem maquilhagem ao Sábado,  quando finalmente pode gozar o sofá, para variar e para descansar a pele. Outra é quem gere a sua vida profissional dentro de quatro paredes. Está em horário de trabalho, vai para o seu local de trabalho (é a dois passos da cama mas isso não interessa nada) por isso não esqueça a maquilhagem. Não precisa de ser elaborada, apenas o suficiente para ficar com bom ar. Pense nas "donas de casa perfeitas" dos anos 50. A maquilhagem dá outro ânimo e obriga-nos a puxar pela imaginação...para não falar nos brios! Mulheres que não perdem o hábito do makeup dificilmente caem na tentação de se desleixar, porque a maquilhagem exige uma certa disciplina. Além disso, nunca se sabe quem pode bater à porta...

- O mesmo vale para o cabelo: lavagem e brushing como se fosse sair, mesmo que a seguir o prenda num carrapito o dia todo. Faz de conta que tem reuniões importantes diariamente! No caso da C. em particular, eu concordo que essa ideia do "cabelo curto é mais prático" é um mito, para muitas mulheres (eu, eu, eu!) pelo menos. Há quem se adapte lindamente a um corte dos grandes, há quem não saiba o que fazer quando o cabelo está curto. De qualquer modo, o que está feito está feito e é uma questão de aprender a  trabalhar com ele: uma escova de ar quente com um acessório grande (para quando quer usar o cabelo liso) e um redondo e pequeno (se lhe apetecer caracóis e volume) uma placa alisadora pequena (para assentar fios "arrepiados") e alguns produtos de styling e protecção são tudo o que precisa para estar penteada em 10 minutos. O cabelo escuro e curto dá um aspecto sofisticado, especialmente se o combinar com um bâton encarnado ou olhos delineados. Assim estará pronta para trabalhar, mas apta a sair para tomar café com uma amiga (e arejar) quando fizer um intervalo.

- Não há nenhum problema em trabalhar de loungewear se está em casa: mas pode investir em peças bonitas, de boa qualidade e sempre bem combinadas. As pantufas (pessoalmente gosto mais de botas tipo UGG, mas as chinelinhas ou slippers orientais também ficam sempre um amor) são uma coisa óptima, sem dúvida. Mas crie uma fatiota que possa ser coordenada com calçado normal se precisar de ir lá fora num pulo. E tenha à mão, num cabide, roupa de sair para esse dia, mesmo que não saia (pode parecer estranho, mas funciona para manter o estilo acordado). Ainda que não a use, já fica com roupa pronta para quando tiver videoconferências.

- Não se esqueça de usar lingerie bonita por baixo (pode ser lingerie mais ameninada ou desportiva, mas tem de ser bonitinha)  mesmo que vista "roupa confortável e gira de trazer por casa". O dia pode ter surpresas românticas - e acima de tudo, roupa interior boa 
dá-nos uma confiança completamente diferente. Não deixe adormecer a sensualidade e o lado feminino.

- Tire tempo para organizar o seu closet: examine as tendências, o que precisa de comprar, o que deve reformar, o que pode ser usado com outras ideias de styling e o que deve ir embora. Aproveite para criar alguns outfits diferentes (casuais, para um jantar especial, um passeio no campo, uma ida ao teatro) coordenando aquelas peças que comprou mas nunca usou com outras que podem levar outra "volta" e deixe-os já montados em cabides bem à vista. Não só terá vários looks prontos para quando precisar efectivamente de sair como treinará o seu glamorómetro, não permitindo que fique com "o gosto enferrujado". Ainda por cima, vai ficar com vontade de usar esses coordenados o mais rápido possível, o que a motivará  a ter vida para além do trabalho. Eventualmente este processo  demora algum tempo, e a criação de fatiotas pode ser feita periodicamente. É tudo uma questão de atenção e de exercitar a criatividade: esteja atenta aos bons blogs e revistas de moda e street chic, e repare no que lhe apetece vestir. 

- Comece a marcar saídas que lhe permitam efectivamente usar as roupas que organizou: jantares românticos com o mais que tudo, fins de semana fora, ida a uma convenção de trabalho, reuniões com amigas, uma ida às compras com a sua mãe ou a sua tia, levar as crianças a uma exposição, o lançamento do livro daquela sua amiga, qualquer coisa serve: mesmo que ao início não lhe apeteça, é importante que organize a sua vida social tal como organizou o seu closet (e que os dois colaborem na maior harmonia, claro).






 

1 comment:

Sara Silva said...

mais uma vez um bom post, Sissi! :)
dá gosto visitar o teu blog *

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...