Recomenda-se:

Netscope

Friday, October 11, 2013

Finalmente...um protesto contra os sintéticos!



Não estou certa, mas desconfio cá que este blog será dos que mais barafusta contra os tecidos sintéticos: rayon, poliéster, lycra e outras pragas da humanidade. O molde, corte e acima de tudo, o material de que a minha roupa é feita são os critérios mais importantes na hora de investir em coisas novas.
Sendo certo que nem todas as fibras sintéticas são iguais e que algumas peças podem agradecer um pouco de elasticidade (ou um determinado comportamento para ficar como os designers as imaginaram) na maioria dos casos a percentagem necessária para isso é muito pequena (mais do que 2% de elastano nuns jeans é too much!) . 

 No entanto, actualmente até as melhores Casas de Moda apresentam modelos em "tecidos" que nada têm de natural - sem que a diferença se veja muito no preço, verdade seja dita...

 Fibras à base de petróleo nunca têm bom ar, duram menos, fazem transpirar, são inflamáveis ( desde que me contaram no hospital que alguém morreu unicamente porque a roupa de poliéster se agarrou ao corpo durante um pequeno incêndio, tenho pânico) encolhem, marcam onde não devem...e se forem usadas junto à pele, pior um pouco.

 Felizmente há consumidores conscientes que tal como eu, passam a vida a virar as roupas do avesso para verificar as etiquetas e que, fartos da caça à seda, à caxemira e quanto mais não seja, ao algodão, decidiram criar um movimento para despertar a consciência das marcas para o cuidado com a composição do que fabricam- COTTON OR NOTHING.
 Claro que aderi imediatamente e a bem do vosso conforto, bom ar e durabilidade do vosso guarda roupa, recomendo que façam o mesmo e passem a palavra.
 Não sou muito de protestar, mas lycras e coisas com aspecto reles são capaz de despertar o Che Guevara que há em mim*.

*(E se aderirem, ainda ficam com um retrato bem patusco a empunhar o cartaz da vossa escolha....how cool is that?)

2 comments:

Joana Antunes said...

É uma praga desses tecidos que já não se aguenta. Também eu já deixei nas lojas muitos vestidos que adorava pelo simples facto de serem de poliéster. Coisa mais horrível. Não deixa transpirar e ainda se cola à pele e deixa-nos o cabelo cheio de electricidade estática. E as lojas cada vez aderem mais a essa moda de caca. Depois é ver vestidos e túnicas na Lanidor, por exemplo, a 100 euros ou mais e 100% poliéster....o lucro que não terão! Ainda sou do tempo em que o poliéster era usado, unicamente, nos forros das saias e vestidos. Tem o seu quê de engraçado ver pessoas a dar esse dinheiro por poliéster convencidas que aquilo é seda....e sim, eu já assisti a isto :)

Joana Antunes said...

Lembrei-me de um vestido que comprei certa vez. 100% viscose. Um vestido estilo vintage, suposto ficar ligeiramente largo. Comprei o tamanho acima do habitual, porque era o que me assentava melhor naquele modelo. Da primeira vez que lavei o vestido - na máquina, mas água fria e programa de lavagem à mão - este encolheu, literalmente, para metade do tamanho. Continua a servir, mas perdeu o encanto e a fluidez. Agora fica-me justinho ao corpo. E muito mais curto. Se encolher mais um centímetro ou eu engordar um quilo, deixa de me servir. Se tivesse comprado o meu tamanho habitual, hoje nem justinho me servia. Foi um desgosto, adoro aquele vestido. Já pensei mandar fazer igual, mas noutro tecido que não me traía desta forma.Tenho outras roupas em viscose, que lavo sempre no referido programa na máquina e nunca tal me aconteceu.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...