Recomenda-se:

Netscope

Saturday, May 10, 2014

Brilhante carreira que me passou a lado: ilusionista.


Quando era pequena, as minhas duas avós, muito responsáveis por me estimular a imaginação e o interesse pelo maravilhoso popular, tinham perspectivas diferentes quanto às coisas mágicas. Já contei aqui e ali que a minha família é muito criativa o que, adicionado às histórias de fantasmas que corriam nas respectivas terras, formava uma combinação daquelas. 
Para uma, o David Copperfield era um "bruxo" e via-lhe o programa com um misto de interesse e medo; a outra não achava tal, mas fingia que sim e aprendeu mesmo umas ilusões (não me perguntem onde) que fazia à lareira e me fascinavam mas que nunca me ensinou. "Um mágico nunca revela os seus truques!" dizia ela com um ar muito misterioso.

 E não revelou mesmo.

Depois eu via séries ou filmes sobre bruxinhas e magias, lia as revistas do Mandrake, ouvia falar no Houdini e a certa altura, na minha cabeça, crendice, fadas, duendes, feitiçaria (acredite-se nela ou não) ou ilusionismo era tudo a mesma coisa; não separava "poderes mágicos" de magia de palco:  era mágico, era misterioso, logo interessava-me. E comecei a pedir "livros de magia" como presente de aniversário, o que levou toda a gente lá em casa a pensar se eu estaria a variar.

Cheguei a ter um daqueles kits de ilusionismo, que um vizinho me ofereceu, e que a par com o estojo de química  foi alvo de intensa pesquisa e experimentação. É que à magia eu também misturava a química porque se a carreira de bruxa, ilusionista, agente secreta, artista de circo (sim, a dada altura ser acrobata passou-me pela ideia, porque tendo um pai oficial da Força Aérea, ele não se sentia incomodado por eu andar pendurada pelos pés, de cabeça para baixo em cima do balouço do jardim ou a fazer o pino em cima do paciente Charolês nas aulas de equitação; não parti o pescoço, por isso acho que tinha algum talento) podia sempre sair-me bem como alquimista. 

Mas quando começava a ser uma ilusionista de feira razoavelmente capaz, os meus cães deram-me cabo do brinquedo; foi a cartola espatifada pelo jardim, a varinha despedaçada em mil bocadinhos, toda uma parafernália circence em fanicos...e a partir daí deixei-me de tentar essas habilidades. 

 Mais tarde, por volta dos meus dezasseis anos, quando já distinguia bem uma coisa da outra (mal seria) e uma carreira no circo já não me dizia nada, cheguei a conhecer um jovem ilusionista, rapaz deveras enigmático, muito louro, muito pálido, assim com um ar germânico e um sotaque a condizer, que me contou que nem tudo era truque. Supostamente ele sabia de hipnotismo, magnetismo e conseguia partir garrafas só de olhar para elas, o que a ser verdade significava que o moço possuía a habilidade da telecinese, que me daria bastante jeito aprender (imaginam as possibilidades?). 
 No entanto, perdi o contacto dele - ou antes, como bom mágico, desapareceu tão depressa como tinha aparecido.

 Mas agora tenho uma certa pena de não ter aprendido ao menos umas ilusõezitas, ou de não manter a amizade com uns mágicos competentes. Não porque tenha paciência para espectáculos de magia (já não tenho, deixei-me de fantochadas) mas porque...imaginem o jeito que isso não dá. Tudo na vida é ilusão, persuasão e truque, smoke and mirrors.

Sempre achei que por exemplo, os espiões, devem aprender um pouco de ilusionismo nas agências (acrobacias aprendem, isso eu sei). Imaginem as partidas que um mágico não pode pregar a pessoas malvadas que gostam de fazer brincadeiras de mau gosto ou de meter o nariz onde não são chamadas: simular que um jantar está assombrado, com copos e guardanapos a voar; pôr pó de comichão nos incautos sem que eles se apercebam; fazer-lhes aparecer bicharada atrás das orelhas ou coelhos nas calças; plantar-lhes, eu sei lá, plutónio na pasta, fazendo-os ser recambiados para uma repartição secreta da CIA por uns mesinhos...

 Seria divertidíssimo, há pessoas que merecem assim uns sustos e eu gosto muito de rir. Mas porque é que eu desisto das coisas e perco contactos úteis?



1 comment:

Sandra said...

C'est la vie Sissi ;)

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...