Recomenda-se:

Netscope

Sunday, September 14, 2014

Chagas Freitas e as "mulheres inteligentes".


Diz que a Chaga das Chagas, que causa mais danos à psique e ao comportamento feminino com meia dúzia de citações melosas do que trinta feministas sem roupa e aos berros (traduzindo:é muito mau) tem livro novo. E eu já tremo verdadeiramente porque sei que lá vem disto: partilhas erótico-xaropentas do senhor (que uma blogger de juízo descreveu com palavras mais  certeiras do que eu conseguiria fazer) por mulheres-desesperadas-e-histéricas-em-busca-do-amor-nem-que-seja-por-uma-noite.

 Mas só hoje, ao ler a publicação de uma amiga-de-uma-amiga, percebi a razão de tanto sucesso: não é apenas porque o cavalheiro diz que é, bem, Deus. Para uma legião de mulheres aflitinhas com falta de quem lhes imponha juízo, até acredito que seja.

É que o criativo autor faz por cativar as mulheres solitárias armadas em inteligentes. Literalmente: escreveu-lhes epopeias e tudo (já lá vamos) e numa extensão inspirada da sua blasfémia, berra que "até Deus tem inveja da mulher inteligente". Benzam-se.

Para vos ser franca, não consigo olhar para as frases dele que andam para aí nos murais alheios sem me encolher. Com a desculpa de "falar de malandrice com sentimento" o senhor vai sempre buscar imagens constrangedoras, sórdidas, sujinhas. Não é romântico, nem literatura para adultos: é um híbrido grosseiro que lembra o discurso de certos tarados na internet, daqueles que deixam comentários anónimos nos blogs alheios.

 Para vos situar, é preciso dizer que descobri o fenómeno de popularidade através de uma criatura que era o público alvo perfeito para tais coisas, logo debitava citações dele como quem diz pão: feia de meter dó, daquela fealdade que é a pior porque é flagrante mas inconsciente, acompanhada de malícia e carência; burra como um cesto, mas armada em inteligente e culta A isto juntava-se a erotomania: aquela doença que faz as pessoas fixarem-se em alguém muito fora do seu alcance e achar que vão viver juntos para sempre. Era, em suma,  uma daquelas que se acham sensuais (blhec para a palavra).

 Para justificar a burrice, basta dizer que mulher inteligente teria vergonha de mostrar em público que está aflita por ter companhia à noite, não? Just thinking. Como diriam no Brasil, que lá há gente com tino como em toda a parte...

                                 

 Ora, não estou a dizer que todas as fãs do autor são feias ou maluquinhas. Provavelmente não. Mas que ao que vi, ele escreve para almas que meteram ilusões  na cabeça e trata de lhes incutir mais algumas, isso é verdade. E claro, nada melhor para agradar às mulheres armadas em inteligentes do que um ode à "mulher inteligente".  Vou tentar citar um bocadinho, e Deus (o verdadeiro, não o Chagas) me ajude:

"Sou doente pela mulher inteligente. Sou fanático pela mulher inteligente. Sou viciado na inteligência da mulher inteligente. Preciso dela, exijo-a a toda a hora, persigo-a como um cão com fome persegue o osso."


Ficaram com uma ideia? Espero que sim, porque eu não queria continuar a fazer copy/paste do chorrilho de piropos desagradáveis que ele dedica às pobres mulheres dotadas de neurónios. É que já vi trolhas berrar elogios mais delicados, juro. Mas para não dizerem que eu sou uma exagerada, aqui vai:

" A mulher inteligente faz do ...* palavra muito feia*  um estado de alma. A mulher inteligente dá-me *palavra muito feia*. Mmmm" (sic).

Nem faltam os mmmm sinistros. Não inventei, juro.  Mas fica pior ainda: segue-se o discurso de homem feminista. Homem feminista pseudo urbano que é muito gourmet e muito fashion:

"Viver com uma mulher inteligente é um privilégio que muito poucos estão à altura de degustar. Não é qualquer um que está à altura de rastejar e de ser rastejado."

Ok, começo por onde? Pela palavra "degustar", que é arrepiante?
Por dizer que não sei se "ser rastejado" existe na nossa língua? 

"A mulher inteligente não tem um pingo de vergonha. É uma desavergonhada da pior espécie, uma descarada sem remédio. A mulher inteligente é a p... preferida do seu homem". 

Ena, que romântico, que lindo. Andam pais a criar filhas e a pagar estudos universitários para que elas ganhem o direito de ser chamadas desavergonhadas e pior. Mas não esqueçamos, "até um arroto de uma mulher inteligente seduz – de tão inteligente que é", por isso está tudo desculpado. Serei só eu que fico maldisposta com isso? Serei eu uma coca bichinhos que não acho nada de romântico nos barulhos do organismo, e no suor e nos detalhes escatológicos que o autor tão detalhadamente descreve? É que cada texto tem mais fluidos e mais ADN que um laboratório do CSI.

E também me falha a coragem para reproduzir todas as partes do corpo em que ele acha que uma mulher inteligente é inteligente (ter orelhas inteligentes ou um (sic) rabo inteligente, estão a imaginar o fenómeno?) ou as coisas escabrosas que uma mulher inteligente faz como se citasse Proust. Vejam pelos próprios olhos, porque eu tenho limites. 

Raios e coriscos, uma mulher que ouça coisas destas sem ficar com medo não é inteligente, não; tem é pouco amor à própria segurança
 Se ouvissem tais coisas na rua, se calhar fugiam. Se calhar, já não digo nada. Mas como está impresso é aceitável e bonito?
 E até vos digo mais, se ser inteligente é isso, eu quero ser desmiolada. Uma verdadeira cabeça de alho chocho. Sem um único neurónio que ate coisa com coisa. Tudo, para não ouvir insultos escabrosos disfarçados de elogio. Dizia Eça de Queiroz que os romances punham caraminholas na cabeça das mulheres, que era por culpa dos romances que a Luizinha tinha caído nas garras do primo Basílio. Lesse ele isto, e diria que tínhamos a peste. E que já não havia mulheres, mas fêmeas. Ou se calhar ainda aparecia a criada Juliana a chamar a todas uma récua de qualquer coisa, que ela era malcriada, mas não tanto como os livros da moda...













9 comments:

A Flor said...

"A mulher inteligente não tem um pingo de vergonha. É uma desavergonhada da pior espécie, uma descarada sem remédio. A mulher inteligente é a p... preferida do seu homem".

Quando um autor parafraseia a "Taras e Manias" e acha que isso é produção literária, está tudo dito... Não só quanto ao autor, como a respeito do seu público também.

Imperatriz Sissi said...

Flor, agora é que disseste tudo. Entretanto dei por mim a pensar que o Quim Barreiros é bastante menos indecente...mal estamos!

Géraldine said...

Fico feliz por não ser a única a considerar isto um lixo!

Ivonne Zuzarte said...

Já dizia o outro que o amor é cego. Cego e louco, pelos vistos. Fico estupidificada com a corrente de fãs que o idolatram.

Ainda há semanas participei numa troca de opiniões sobre o novo livro dele, "Prometo Falhar", e uma autora que por acaso também foi publicada na colecção da RTP disse "os bons livros mostram o amor, os outros suam para tentar explicá-lo" (ou algo do género). Dissertar e filosofar sobre temas variados por páginas e mais páginas não devia constituir um livro. Não devia chamar-se de literatura. Mas, como sempre, as vendas falam por si. Cada vez mais tenho menos fé no povo português.

Na mesma discussão, disseram-me "era melhor ler este [o livro do chagas] do que não ler nada". Obviamente a pessoa nem tinha lido o livro. Ou se calhar se o lesse até iria gostar.

"Pouco, mas bom". O "menos é mais". Podia continuar o dia todo com "frases feitas" sobre as vantagens de não ler Chagas ou não ler nada em detrimento dele. Talvez assim conseguisse convencer alguns fãs, pois pelos vistos é do que gostam...

Enfim...

Imperatriz Sissi said...

Ivonne, obrigada pelas suas palavras. "Dissertar e filosofar sobre temas variados por páginas e mais páginas não devia constituir um livro. Não devia chamar-se de literatura." - completamente. Nunca li, a não ser o que anda pela internet, mas ao que vejo não consigo perceber se é crónica, ensaio, romance- bom, se calhar esse é o menor dos problemas.

Quanto a "era melhor ler este [o livro do chagas] do que não ler nada". Obviamente a pessoa nem tinha lido o livro. Ou se calhar se o lesse até iria gostar. " - sim, quem condescende nisso (como noutras coisas) vai baixando e baixando os padrões, perdendo a noção do certo e do errado. Beijinho.

Imperatriz Sissi said...

Duas! Não imagina o alívio, uff.

Ariana said...

"até um arroto de uma mulher inteligente seduz – de tão inteligente que é" graças a Deus que isto não é para mim, porque... Ahnnn... Os meus neurónios faleceram todos ao tentar descobrir o que diabo será um "arroto inteligente". Isto depois de rir até às lágrimas - palavra que ainda estou a rir! Ai, que chaga... Adoraria saber como o tio Eça o descreveria. :)

Inês Sousa said...

Eu estou atónita! A sério que há pessoas que publicam tanta barbaridade junta? Existem pessoas que não só lêem como o consideram um guru? Vergonha alheia é o que eu sinto depois de ter tido conhecimento do teor dos livros deste personagem e de saber que existem leitores para semelhante ultraje. Alguém lhe dê as gotas a bem da saude mental de todos.

A Bomboca Mais Gostosa said...

Bem, eu fiquei chocada, confesso. Não conhecia tal obra literária e ainda bem! Longe, longe!

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...