Recomenda-se:

Netscope

Sunday, September 14, 2014

Cuidado com o homem feminista.

Pois.

O homem feminista está na moda: em contacto com as suas emoções, compreensivo com a "opressão" das mulheres...um fofo. 

Bonita ilusão que divulgaram para aí, porque esse espécime é do piorio. Se calhar algumas de vós até já namoraram com um sem saber, já trabalharam para um, já se cruzaram com vários, sofreram as consequências e ainda hoje se interrogam o que correu mal.

O homem feminista toma várias formas, mas geralmente é igualitário e fofinho - principalmente no que lhe convém. E muito mais tirano que um machista, que esses ao menos têm a virtude da honestidade e chamam a si a obrigação de agir como homens (mesmo que não a cumpram lá muito bem, ao menos tentam).

 O homem feminista é o que prefere contratar mulheres...porque sabe que elas têm maior espírito de sacrifício, mais facilmente se viram umas contra as outras do que contestam uma ordem injusta ou parva e têm vocação para burrinhos de carga. E não tem problemas em mandar as empregadas carregar caixas pesadas, mesmo que essa não seja a função delas e haja um segurança de 1,90 e 100 quilos ali ao lado que só serve para "vigiar a portaria". Visto com os meus olhos. Desconfio sempre de equipas compostas por 95% de mulheres e chefiadas por um homem. A melhor parte? Nenhum dá desconto às "questões femininas" (dores de barriga, filhos pequenos) porque enfim...vivemos em igualdade!

É o devasso que não vê mal em nada: não se importa de ter uma relação assumida com uma rapariga com ar de stripper, não julga ninguém, está tudo bem para ele, é amigo de tudo quanto é mulher de mau porte...não por acreditar realmente em igualdade alguma, mas porque assim é mais fácil somar conquistas. Como tem moral de elástico e não julga para não ser julgado pelas sujeiras que faz, vale tudo. A namorada pode ir meio despida para a rua, que para ele está tudo bem: "os outros só podem ver, eu é que vou com ela para casa" é o seu lema rasteirinho de bimbo. Quanto mais ordinária, melhor, porque assim não pode reclamar dos pecados dele e ainda faz inveja aos bimbos como ele, percebem a ideia? Nada o choca, nada o envergonha.  No fundo é tão inseguro que acha que não merece melhor. Se mais tarde, por conveniência, tentar assentar com uma rapariga decente... trata-a com a mesma falta de respeito que tratava as outras. Para o homem feminista, todas valem o mesmo.

É aquele que espera que a mulher tome a iniciativa - assim não se responsabiliza e pode sempre atirar-lhe à cara "tu é que te meteste comigo". Também é demasiado moderno para casar: prefere juntar-se, pela mesma razão, à espera que lhe apareça coisa melhor. Com sorte, ainda é capaz de  ter o descaramento de justificar essa incapacidade para agir de forma viril como "orgulho de homem" ou "não se deixar pisar". Não se enganem- o que quer é facilidades e total falta de compromisso.

 Claro que pela lógica da conveniente  igualdade, não se rala minimamente de se encostar a uma mulher para subir na vida. Ou deixar que ela o sustente, o que ainda dá mais jeito. O papel de protector, de líder, não lhe convém nem um bocadinho - mas dá-se ao luxo de pôr e dispôr, se lhe derem asas.

É o amiguinho fofinho que faz de ombro, que ajuda, que ouve as mágoas da melhor-amiga-inalcançável-por-quem-tem-um fraquinho...tudo com segundas intenções, porque não tem coragem de se declarar, ou na tentativa de se aproveitar num momento de fraqueza. Isso não é amizade, não é friend zone sequer: é sinistro. Quando se vê rejeitado, ou a amiga encontra um namorado, revela-se: ressabiado, vai dizer mal dela, achar-se com direitos e gritar ao mundo que as mulheres são todas umas ingratas que só gostam de quem as trata mal

É o homem capacho que não impõe nem um bocadinho de firmeza em casa, que deixa a mulher pôr e dispor, fazer de generala, e ainda é insultado porque é passivo, não dirige, não resolve, não ajuda. Depois vinga-se pelas costas. Ou flipa. Nunca acaba bem.

 É o que nunca saiu das saias da mãe e procura uma desgraçada que o ature, mesmo que lhe dê pontapés. O inútil que se contenta com a primeira descarada que lhe aparece, porque dá menos trabalho. O que é demasiado preguiçoso para carregar as compras, ter uma gentileza, moderar os palavrões se vê uma senhora passar. O que se sente com direito a tudo e nenhuma obrigação, que é um ganda maluco e um espírito livre, por isso pode jogar playstation enquanto os filhos berram no berço. É menos homem que os outros, mas quer as mesmas regalias. E justifica isso sendo sensível e queridinho. Pior um pouco, alguns ainda têm a lata de fazer de cavalheiros para inglês ver, de assumir uma postura tradicional quando fazem tudo o que foi dito atrás. 

 Se estivesse no Titanic, o homem feminista corria para os botes, atropelava todo o mundo e as mulheres e crianças que se afundassem, porque honra e dignidade não lhe assistem e coitadinho, com aqueles braços fortes que Deus lhe deu não sabe nadar.

Respeitar as mulheres, trabalhar em equipa, apreciar a sua inteligência, ser cavalheiro, amável e ter empatia - ou mesmo ser romântico - nada tem a ver com essas ideias. Um homem que se recomende é digno, capaz, corajoso, responsável, assertivo, pronto a proteger quem é fisicamente mais frágil. Não é um espertalhão que se aproveita. Nem um cobardolas que foge às suas responsabilidades e ainda justifica isso com "respeito pelas mulheres". Respeito desse podem dá-lo às suas tias, coitadas, que não merecem sobrinhos assim...









No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...