Recomenda-se:

Netscope

Tuesday, November 18, 2014

Dos elogios baratos


 Apesar de certos exageros que se têm visto e publicado por aí, um galanteio ou elogio bem educado não encerra automaticamente más intenções.

 Mas há seres de calças muito desesperados - e muito superficiais - que julgam que as mulheres são todas como eles: vaidosas e burrinhas. E de facto há muitas assim, lamento reconhecê-lo. Conheço algumas - mulheres aparentemente normais, com uma carreira e estudos, bonitas que chegue para não precisarem de pescar elogios - com quem um cavalheiro não tem chance nenhuma se não puxar de bajulação manhosa. Elogios de bimbo, portanto. Raparigas assim derretem-se à menor menção à sua extraordinária beleza, por mais copy/paste, meloso e rústico que seja o elogio. E depois arrependem-se e pior, pagam umas pelas outras. Na era da igualdade e dos social media mede-se tudo pelo mesmo e nivela-se por baixo...

 Deixem ver se consigo explicar a diferença entre um elogio decente e um elogio barato.

Não custa muito. Vamos supor o cenário mais simples: um caramelo que nunca viram mais gordo e com quem terão conhecidos em comum (pois suponho que as minhas amigas não dão conversa a completos estranhos) aproxima-se.  Pessoalmente (numa reunião social qualquer) ou por mensagem (numa rede social qualquer). 



 Antes de prosseguir, uma ressalva: não é por seleccionarem muitíssimo as companhias (evitando associarem-se ainda que remotamente a quem prive com, sei lá, porteiros de antros, personal trainers de esquina e bailarinos de danças do engate) e por se apresentarem de forma modesta que ficam livres de elogios melosos ou sinistros.

 Há elogiadores baratos em todas as esferas da sociedade (alguns bem nascidos e com obrigação para saberem comportar-se) e com todo o tipo de gostos. Alguns preferem mesmo incomodar mulheres com o ar mais sério deste mundo, porque consideram isso (e mesmo a resposta mais torta) um desafio à sua técnica.

 E por fim, não têm de se mostrar "disponíveis" nem solteiras para os receber. Basta andarem na rua sem ser de burka, ou estarem num local físico ou virtual em que haja mais gente. Ser comprometida ou casada ajuda a evitá-los, mas não há garantia: há quem tenha tão pouca vergonha que já está a elaborar a corte mal a cara metade do alvo se distrai.

 Conheço não poucas raparigas que foram perseguidas por admiradores chatos, e só se livraram deles quando puseram o irmão ou namorado a berrar-lhes com maus modos. Aparecer com o irmão ou namorado não era o suficiente. Engatatões têm muito pouco medo e ainda menos vergonha...

 Exemplo de elogio decente: não me leve a mal o atrevimento, mas acho-a muito bonita e parece-me que temos gostos em comum

De preferência, dizer algo como isto depois de começar por uma conversa NORMAL, tipo investir nem que seja dez minutos a tratar a outra parte como um ser humano pensante e avaliar se a pessoa é solteira e está (ou não!) para conversas. 

E se disser "lindíssima", aqui cabe a cada uma olhar para o espelho e ver se isso é plausível ou não. Se o elogiador for sincero, dirá decerto mais qualquer coisa QUE NÃO FAÇA CORAR para suportar esse argumento, vulgo cabelo bonito, lindos olhos ou coisa que o valha.

 Quem de facto quer travar conhecimento respeita as distâncias óbvias e é delicado, não atira coisas que estão reservadas aos íntimos. 


Vade retro.

Exemplo de elogio barato: Linda!  (sem mais nada) ou que sonho! Ou ainda (blhec, blhec, blheeeeec) ÉS TÃO LINDA!

 Primeiro, o "tu" demonstra logo ali - a não ser no caso de alunos do mesmo liceu - uma aproximação não requisitada. Tratar por "tu" uma desconhecida, que não se sabe se está receptiva ou não a abordagens e de quem não se sabe os hábitos sociais, é uma forma de a reduzir a um cromo de catálogo. As pessoas não estão disponíveis só por estarem no mesmo espaço ou na mesma rede social. Presunção e água benta, anyone?

 Segundo, o mais certo é uma mulher com dois dedos de testa estar-se marimbando para os sonhos dele. 

 Terceiro, linda é a coisa mais rápida que se diz antes de passar à próxima feliz candidata caso o alvo não esteja pelos ajustes. Como 50% das mulheres são inseguras e ouvem poucos elogios, acham eles, então têm 50% de hipóteses de ter sorte. Not.

 Há ainda os elogios baratos rebuscados, da parte de quem acha que sabe escrever ou tem certos pergaminhos, e que vão desde falar em "*qualquer coisa* sensuais" (se alguém vos chamar "sensuais", fujam) ou a mencionar a vossa "ousadia e irreverência" (quando a vossa profile picture vos mostra sentadas com uma saia abaixo dos joelhos) tudo isto não solicitado nem encorajado.

 O mais curioso é que muitos atiram o barro à parede quando é óbvio que não terão sorte nenhuma - pois a pessoa que é alvo da sua corte não tem nada em comum com eles. Nem o perfil, nem os hobbies, nem a vida social, nem a idade. Devem gostar de coleccionar pontapés, ou são adeptos das teorias de vendas "são precisos 100 NÃOS para ouvir um sim".

Tanto anúncio de emprego para comerciais sem resposta, e eles a maçar as almas. 








5 comments:

maria madeira said...

"Tanto anúncio de emprego para comerciais sem resposta, e eles a maçar as almas." (ahahah).

Nem mais! Está tudo dito e muito bem dito :)

Ulisses L said...

Pá, caso não saibas, a coisa funciona assim:

-O gajo que está mesmo interessado em alguém tenta com esse alguém. Leva uma tampa. Recolhe-se e só volta a tentar quando aparecer outro alguém, correndo o risco de levar outra tampa...
A taxa de sucesso é baixa porque o dito está mesmo interessado nas pessoas que aborda!

-Por outro lado, o gajo que está interessado nele próprio tenta, leva tampa, tenta com outra, leva tampa, tenta com outra, consegue, descarta, tenta com outra, leva tampa, tenta com outra, leva tampa, tenta com outra, consegue, descarta...
Ora, com é a tal técnica dos 100 nãos para um sim e como o interesse não é no alvo mas nele próprio, a sua taxa de sucesso até pode ser, em média, igual à do outro desgraçado, mas por via de tantas tentativas, enquanto o outro tem uma pessoa na sua vida, o engatatão colecciona vinte cromos!
Mas aquilo que é verdadeiramente curioso é que o engatatão, quando já tem as tais marcas na cronha da pistola começa a ter cada vez menos não e mais sins, porque as mulheres são um bicho complicado e começam a pensar "se este gajo já andou com aquelas todas, alguma coisa de interessante deve haver ali". Isto, claro, porque só são contabilizados os sucessos e nunca os fracassos!

Ou seja, um gajo cheio de si e sem medo da rejeição acaba por chegar a um ponto em que raramente é rejeitado porque:
-A sua fama precede-o
-A sua auto-confiança é tal que a maior parte das mulheres "abana" com isso.

Caímos na história de ontem: Muito feministas e independentes e sei lá mais o quê, mas depois, vai-se a ver, querem um gajo que seja homem e que as faça sentir mulheres. E como é óbvio, nada melhor que um "bad boy" para as fazer sentirem-se mulheres...
...pelo menos até se arrependerem da escolha...
...ou acordarem de manhã e o gajo já não estar lá, não ligar, e quando o vêem novamente já caçou outra e se fazem uma fita por isso ainda passam por gaja desesperada!

:)

Imperatriz Sissi said...

@Maria, obrigada .D É que ao menos os vendedores andam identificados...

@Ulisses, completamente de acordo quanto ao sujeito que só está interessado nele próprio.
Em relação ao super confiante cuja fama o precede, acredito que tenha sucesso com certo tipo de mulheres. As outras fogem desse género como da peste. "Pintas" e ainda por cima com má fama? Cruzes!

Ulisses L said...

Sublinho o que disseste da seguinte maneira:

As que são verdadeiramente interessantes fogem desse género como a peste!

LOOOOOOOOL

Imperatriz Sissi said...

My thouhgts exactly, Ulisses!

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...