Recomenda-se:

Netscope

Wednesday, December 17, 2014

Duas coisas que as raparigas da minha geração bem podiam parar de fazer.


Isto de ir às compras com uma amiga é um verdadeiro estudo antropológico. Não há vez nenhuma que eu entre num centro comercial sem reparar numa curiosidade qualquer. E observando meninas e senhoras jovens mas com idade para ter juízo, constato que era simpático se perdessem dois hábitos que me arreliam:

1 - Atirar a palavra "bué" a torto e a direito - quando não é mais do que uma vez na mesma frase. Percebo que seja uma "bengala" prática de usar e que até já faça parte do vernáculo, mas mesmo às adolescentes já não cai muito bem, quanto mais a mulheres feitas dos seus late twenties - early thirties.

 Temos um idioma tão rico e há tantos sinónimos ou alternativas que, dependendo da intenção, se podem empregar: muito, demais, imenso, super, mega, muitíssimo, extra, bastante, intenso, exorbitante, demasiado, estupendo, esplêndido, soberbo, abundante, tremendo, colossal, desmedido, monumental, incomensurável, enorme, gigantesco, farto, exageradamente, grandemente, espantosamente, só para nomear alguns. Têm mesmo de passar um atestado de faltinha de sofisticação ao nível de uso da própria língua? Que vício!  É que se é para poupar sílabas, basta cortar um palavrão ou outro aos milhentos que dizem a acompanhar os bués e problema resolvido.

2 - Mulheres que não sabem caminhar - e nem me refiro só ao mau uso de saltos altos. Umas trotam, outras bamboleiam-se como se estivessem num cabaret de mau gosto (fenómeno que já analisei em mais detalhe aqui) outras ainda marcham ou gingam como marmanjos, e a maioria corcova - o que me dá vontade de andar por aí com uma agulha de bordar a picar certos derrièrres, como as professoras das escolas de boas maneiras, de ballet e de modelos à moda antiga, a ver se se endireitam!
 Está certo que com carteiras pesadas (vício a evitar) falta de hábito ou sapatos errados é fácil cair na tentação de fazer algumas destas coisas. Mesmo para quem aprendeu de pequenina as regras todas e foi obrigada a equilibrar um livro na cabeça, ao fim de um dia cansativo sentada à secretária pode ser complicado seguir as directrizes (costas direitas, glúteos e barriga para dentro, cabeça perpendicular aos ombros, pescoço direitinho e colocar o calcanhar no chão antes do resto) mas é tudo uma questão de disciplina.
 Desportos como o yoga e o pilates também ajudam a fortalecer os músculos das costas para evitar esse aspecto tão feio. 
 Mas basta estar atenta para notar que por preguiça ou por ignorância, a maioria não se sabe mover...e sem movimentos graciosos não há vaidade que valha!

No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...