Recomenda-se:

Netscope

Monday, December 1, 2014

Paola, a Princesa "raio de Sol"


Acho sempre certa graça ao interesse de muitos bloggers pelas idas e vindas de algumas "cabeças coroadas" actuais, sem que se olhe para os exemplos de outro tempo - de uma época em que tudo era mais glamouroso e muitas vezes, tingido de maiores responsabilidades, o que só acrescentava valor ao facto de os representantes das Casas Reais europeias de então conseguirem, ainda assim, ser ícones de estilo que perduram.

 Antes de admirar uma Duquesa de Cambridge - o ai Jesus tratado de forma assaz superficial na era das redes sociais -  é inevitável lembrar como a Duquesa de Alba foi jovem e bonita, ou o assombro que era a Princesa Margarida. Nos anos 1950/60, várias  jovens aristocratas e Princesas  deslumbravam nas páginas (bem mais respeitosas e artisticamente escritas que as de hoje, assinale-se) de jornais e revistas, ora pela sua beleza e brilho, ora pelos seus dramas e rebeldias...

 Uma dessas beldades era a Princesa Paola Margherita Giuseppina Maria Consiglia Ruffo di Calabria, que viria a tornar-se Rainha consorte da Bélgica.



 Membro de uma antiga Casa italiana, filha mais nova do Príncipe Fulco Ruffo di Calabria e da Condessa Luisa Maria Gazelli di Rossana e di Sebastiano, Paola era uma jovem tímida de ascendência italiana, belga e francesa. Falava fluentemente quatro línguas, porém 
dizia-se  que era "muito simpática, mas tão retraída que nem se dava por ela". 

 Não obstante, o Príncipe de Liège, Alberto (filho mais novo da lendária Rainha Astrid da Bélgica)  ficou encantado mal a viu numa recepção em Roma e - embora fosse ele próprio bastante acanhado - não perdeu tempo a conquistá-la: após um breve namoro, casaram em 1958. O povo belga ficou tão enternecido pela beleza e sorriso doce da noiva de cabelos dourados que a apelidou de "Princesa Raio de Sol". 



Porém, a adaptação a um novo país e ao seu papel de consorte do segundo na linha de sucessão não foi fácil: Paola tinha saudades terríveis de casa e o marido estava sempre ocupado, o que levou a crises no matrimónio. 


Modas e Bordados- Vida Feminina, Maio de 1962

Valiam-lhe os bebés que foram nascendo e o facto de ter poucas funções oficiais, mas isso começou a mudar quando ficou claro que o Rei Balduíno, irmão de Alberto, e a mulher, a Rainha Fabíola, não teriam filhos. 



Aos poucos, a figura de Paola e o seu sentido de estilo começaram a despertar grande curiosidade nos média. Modesta, irrequieta e dotada de grande sentido do dever, a perspectiva de ocupar o trono acabrunhava- a (sic):

"A Princesa Paula é feliz e o consorte Alberto de Liège sente-se orgulhoso dela. Com o pequenino Filipe constituem, de facto, uma família perfeita. O segundo filho dos príncipes (...) deverá nascer no fim do mês de Maio, mas Paula continuou  até há poucos dias a aparecer em público, comovendo toda a gente com o seu ar compungido, os seus cabelos descompostos e a sua figura docemente pesada. «Embora Paola seja a última a desejá-lo - diz-se em Bruxelas - a comparação entre a sua tranquila segurança e a patética inquietude da rainha Fabíola surge espontâneamente» (...) Uma enorme responsabilidade pesa, por conseguinte, sobre os frágeis ombros da linda princesa Paula. «Paula - dizem as suas amigas romanas - nunca fala nisso, e seria uma grande descortesia se alguém lhe falasse mesmo em particular. A verdade é, porém, que Paula recusa a eventualidade de tornar-se rainha. Em vez de lisonjeá-la, uma tal eventualidade assusta-a (...). Ela conhece perfeitamente o enorme peso de obrigações que pende sobre uma rainha..."


 (in Modas e Bordados, 1962)


A temida responsabilidade  viria a caber-lhe de facto, mas só em 1993 quando o cunhado, o Rei Balduíno, morreu sem deixar descendência.  Paola tornou-se Rainha dos Belgas (posição que só deixou de ocupar no ano passado quando o testemunho foi passado ao filho, o Rei Filipe, e à sua encantadora esposa, a Rainha Matilde). Paola - que mantém muita da beleza e elegância da sua juventude - e Alberto celebraram 50 anos de casados em 2009, tendo dito na altura "tivemos os nossos problemas, mas agora reconhecemos que fomos feitos um para o outro".


 *Fontes -  "Modas e Bordados", Hola e via.




No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...