Recomenda-se:

Netscope

Sunday, February 8, 2015

Sexy ou vulgar? Catwoman explica.


Em certas situações, a fronteira entre o que é apelativo e feminino e o too much pode não ser tão evidente como isso. É claro que qualquer rapariga de bom senso sabe que o que é demasiado curto, descoberto, coleante e chamativo deve ser evitado a bem da elegância (e de não atrair atenção indesejada!) mas por vezes há nuances mais subtis. Uns centímetros, um botão, um acessório, um pequeno excesso na maquilhagem ou na atitude ditam a diferença entre o irresistível e o vulgar, que é sempre ridículo.

Como o Entrudo está quase aí, lembrei-me de exemplificar isso com um exemplo sexy por excelência, que é útil (de forma hiperbólica) para o dia a dia, ou caso estejam a pensar em mascarar-se: a nossa amiga Catwoman.

 Todas as super heroínas são necessariamente sexy - para começar, por qualquer razão desenham-nas sempre com uma espécie de fato de ginástica, ninja ou ballet (creio que a desculpa é a necessidade de trajes que não comprometam os movimentos) além de que uma super heroína (ou super vilã) tem de estar sempre em forma e ser bonita, senão era um disparate. Depois, os super poderes deixam-nas em super contacto com a sua deusa interior e blá blá blá, pelo que a rapariga tímida ou desajeitada, uma vez vestindo (literalmente) a capa do seu alter ego se transforma numa mulher assertiva e confiante.

 Mas a Mulher-Gato junta a hiper feminilidade aos movimentos e atitudes felinas. Os gatos fazem o que bem lhes apetece, têm uma manha irresistível e movem-se com uma sensualidade natural, por isso todo o cuidado é pouco.

Vejamos então as três catwomen mais recentes. 


Michelle Pfeiffer foi uma mulher gato perfeita. Eu era pequena quando vi o filme e fiquei fascinada por ela. Esguia, lânguida mas sem se bambolear demais, com olhos realmente felinos, um pouco perturbada e com a maquilhagem sempre algo "desfeita", comme il faut. E o fato -além de parecer dispendioso apesar de ter sido feito em casa a partir de uma gabardine velha, ó rapariga prendada - era de gola alta, manga comprida e luvas!


Faz sentido: se uma roupa é justa, brilhante, com costuras à vista, o mínimo que se pede é que seja tapadinha e tenha uma silhueta simples.

Depois, não por ordem cronológica, temos Anne Hathaway. 



A menina Anne tem sempre classe e na maioria das cenas em que aparece, é mais graciosa do que provocante, uma ladra de casaca (ou antes, de saias):


Para catwoman, ela até se movimenta de uma forma bastante contida. Bravo! Os saltos altos dão todo o "requebro" extra que uma mulher precisa de ter, e ser Mulher Gato não é desculpa para caminhar dengosamente.


A Catwoman de Anne é mais compostinha que a de Michelle Pfeiffer: pouca maquilhagem, menos doideira e a toilette também cobre quase tudo - embora justa, os materiais são mais espessos. Blusão de cabedal, luvas e cuissardes mas tudo muito simples, com um ar quentinho e próprio para proteger a pele em caso de queda.  Lição número um: quando se usa botas longas, o resto deve ser discreto!


Ou tão discreto quanto é possível em modo super vilã, vá. 

 E por fim Halle Berry, que foi bastante criticada pela sua versão de Catwoman.


 Só vi o filme recentemente e...não admira que tenha sido um flop. A ênfase nos temas "do sagrado feminino" e das inseguranças das mulheres com a beleza e a juventude até podia ter tido a sua piada embora fosse um cliché, mas Credo, Halle Berry e seus figurinistas deram cabo de tudo.

Caretas ordinárias, estilo sou tão sexy que não aguento? Check! Luvas com buracos para mostrar a nail art que é simultaneamente uma arma letal, capaz de matar só pela pinderiquice? Check!



Super traje estilo stripper que parecia comprado na sex shop da esquina - ele era decote, ele era crop top decotadíssimo, ele era cintura descaída a mostrar mais do que ficaria bem (mesmo nela) e rasgões estratégicos no "respectivo", enfim, bom para se esfarrapar toda logo que caísse de um prédio abaixo? Sem esquecer o sapatuxo aberto para dar cabo das unhas dos pés na primeira corrida? Check!


E last but not the least, uma make up exageradíssima (como se uma super anti-heroína tivesse tempo para se retocar entre takes) e...reparem neste caminhar bamboleado, de Super Serigaita. Classy. Toda a vida tive gatas em casa e nunca nenhuma se abanou assim. Bem se diz na minha terra, é muito feio uma mulher balançar as ancas quando caminha. Mesmo uma mulher gata!



Em resumo, até no Carnaval se leva a mal caso a fantasia não seja de Super Heroína, mas de Super Flausina...a dignidade cabe em toda a parte, pois claro.

1 comment:

Sérgio S said...

A minha favorita é a primeira...

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...