Recomenda-se:

Netscope

Tuesday, March 31, 2015

O complexo Carol -ou mulher com "M"


Não é novidade que sou uma fã acérrima de The Walking Dead, uma das poucas coisas que me levam a ligar a caixinha mágica. Apesar dos momentos que deixam os espectadores algo impacientes, a série está muitíssimo bem orquestrada e dá sempre que pensar.

E, final da 5ª temporada volvido, concluo que neste momento Carol Peletier é a minha personagem preferida. O programa é riquíssimo em exemplos (bons e maus) de comportamento, e no que toca a personagens femininas tem mostrado de tudo: da adúltera e fraca Laurie à típica mulher que dá mau nome às líderes de saias, Dawn, passando pela aparentemente forte mas tola Andrea e pela valente e ponderada Michonne.

 Pois Carol é, apesar dos momentos extremos (compreensíveis num cenário daqueles) o arquétipo da mulher que descobriu a sua força mas não deixou de lado a sabedoria. É o tipo de senhora com quem, apesar dos seus defeitos, gostaríamos de contar e a chefe que saberíamos respeitar no local de trabalho.

 No início, era apenas uma boa dona de casa e mãe extremosa vítima de violência doméstica - fraca mais valia num ambiente de apocalipse, portanto. Mas a perda do marido e da filha mostraram uma resiliência que ela não sonhava que tinha. Em última análise, uma mulher que vivia aterrorizada na própria casa, a  pisar ovos, acabou por não achar um mundo pejado de mortos vivos tão assustador como isso. Ao contrário de outras personagens que perderam um pouco o juízo com tanta brutalidade, ela conseguiu manter alguma cabeça fria. E ultrapassados os primeiros obstáculos - nomeadamente, habituar-se a usar uma arma -  depressa desabrochou de mera figura maternal do grupo para uma aliada valiosa, que salvou o dia mais do que uma vez.

  Mas o que mais aprecio nela é que não faz alarde da sua força, não se deslumbrou com o recém adquirido estatuto de "mulher guerreira e poderosa" nem tomou uma posição autoritária. 


É sensata e inteligente que chegue para não mostrar abertamente as suas capacidades a não ser no momento necessário (valeu-se mesmo do seu aspecto de "dona de casa indefesa, excelente cozinheira" quando não sabia se podia confiar no novo grupo que acolheu o seu) e para deixar a liderança a Rick Grimes. Carol é forte que chegue para não se sentir amesquinhada por um chefe masculino: age como a melhor conselheira, a voz política da razão que faz o que tem de ser feito mesmo que não seja agradável sem nunca perder o auto domínio - uma Lívia Drusilla do universo zombie, portanto.

 Numa altura em que tanto se fala de mulheres fortes e poderosas, é sempre bom lembrar que o poder feminino tem muito mais impacto quando é exercido com calma, auto disciplina e discrição. Voltando a citar a tia Margaret Thatcher, ser poderosa é como ser uma Senhora: quem o é, não precisa de o afirmar...




1 comment:

C. N. Gil said...

Esta é uma das coisas em que me surpreendes...
...o gostar desta série!

Confesso que comecei a ver quando estreou, vi os primeiros 2 ou três episódios com alguma curiosidade...
...e depois percebi que aquilo tudo, bem espremido, era como o "Lost"; Não dá sumo!

Entretanto, dado o pressuposto da série, pensei que fizessem apenas uma só temporada...
...mas não, já vão com 5!

É que, convenhamos, por esta altura não haveria morto vivo que estivesse em condições de se levantar...
...e levando em conta que o cérebro é que é atacado pelo virus e é uma parte mole, pelo que é das primeiras a decompor-se, já nem deveria haver mortos vivos a andar de um lado para o outro...

...mas, curiosamente, por algum milagre inexplicado, 5 temporadas depois eles ainda andam e grunhem...

Já me disseram "Ah e tal, tens de ver que a série é acerca das interacções entre os personagens e daquilo que o espirito humano é capaz, quer para o bem, quer para o mal..." e eu só me lembro que então é uma espécie de Battlestar Gallactica em que os robot's Cylon foram substituidos por mortos vivos...

...pelo menos os Cylon não tinham o problema de base que este "script" tem à partida...

Mas gostos não se discutem-se... LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL

:)

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...