Recomenda-se:

Netscope

Tuesday, May 26, 2015

A propósito dos Globos de Ouro: há criticar como stylist...e há ser desagradável.




Eu estava para não me pronunciar de todo sobre os Globos de Ouro. Costumo fazê-lo só se algum detalhe/vestido me chamar a atenção ou se pudermos tirar alguma lição, em termos de estilo, do evento, porque a televisão me passa bastante ao lado. Reparo apenas como se apresentaram pessoas minhas conhecidas, e olha lá...

Isto para explicar que alguns zunzuns que li me fizeram mudar de ideias. Vou então dizer de minha justiça: não para avaliar as toilettes, não para defender ou apontar gaffes a qualquer convidada, mas para analisar o comportamento de quem avalia, por vezes levianamente.

Pondo de parte nacionalismos gratuitos e escusados, a César o que é de César: se nas mais mediáticas galas internacionais as coisas já não são o que foram, chega a ser disparatado que bloggers, stylists, jornalistas de moda, et cetera portugueses- com mais ou menos propriedade para opinar - se ponham com demasiadas exigências, com ares de rainha ultrajada, perante os esforços nacionais.

 Há que elevar os padrões nas ocasiões certas? Isso sem dúvida, defendo mais que ninguém que não honrar o dress code é um vício imperdoável; mas ser mais papista que o Papa, salvo seja, pode transformar uma crítica equilibrada numa anedota e pôr em causa o profissionalismo de quem faz esse juízo (se estivermos, claro, a falar de críticos com algum conhecimento de causa ou experiência/formação nesse sentido). 

 Se é para chamarmos o Papa a estes assuntos, lembremo-nos sempre, antes de opinar, da grande humildade de Clemente XI:  "fazei-me prudente nos conselhos!". 

 Há formas pertinentes - dentro do estilo de cada um, do mais sereno ao brincalhão - de fazer crítica de moda. E há formas inconvenientes, grosseiras e que nada acrescentam de tentar a mesma coisa. Podemos apreciar mais ou menos o discurso: o que interessa é se a crítica é estruturada e fundamentada.

  Há dias o stylist Nuno Tiago, do blog Polícia da Moda, foi notado nas redes sociais por "arrasar" (era este o termo, ou exagero semelhante?) uma apresentadora. Ora, fazer uma crítica justa a um vestido que está torto e reparar no styling (em termos de penteado) não é arrasar quem quer que seja, muito menos quando se percebe realmente de fitting e alfaiataria, como é o caso. Tais críticas, por mais que sejam ditas em tom de graça, são construtivas e bem vindas.

 Afinal é esse o trabalho do stylist, ou do crítico de moda: ao estudar e avaliar o visual alheio, tem de isolar o mais possível o seu gosto pessoal (que é sempre relativo) e deter-se nos critérios que importam: nas proporções, na adequação ao dress code e às tendências (não estar na última moda não é necessariamente um defeito, mas não convém que um visual pareça "cansado" por ter sido já muito visto recentemente, ou datado), na qualidade dos tecidos, no fitting, na alfaiataria, na riqueza dos detalhes, na harmonia e impacto do conjunto, nas cores (se é uma cor clássica ou do momento, se favorece a pele, traços e cabelo de quem usa) no styling (o penteado, makeup, calçado e acessórios) etc. 

Só esses aspectos interessam para uma crítica feita com profissionalismo, que sirva para governo da visada e para ensinar o público que lê ou vê o comentário. O gosto de cada um, as tentativas de fazer humor gratuito, são irrelevantes.

Um visual pode não fazer o nosso género, mas se está bem conseguido, tem bom ar, favorece quem vestiu e não atropela nenhuma regra de elegância, é isso que tem de  se ter em conta e ponto final. É lícito dizer "fulana não costuma acertar, mas desta feita saiu-se bem" ou vice-versa, mas deixemos de lado simpatias e mesquinhezas.

 Pois bem- sem querer dizer nomes, pois sabem como sou avessa a tolices desse género- deparei-me com um blog (amplamente publicitado via anúncios nas redes sociais) da autoria de alguém com alguns pergaminhos académicos aos quais juntava formação em personal styling. Ao ver tanta insistência, 
segui a página por curiosidade: gosto sempre de conhecer o trabalho que se vai fazendo por aí e se a pessoa tiver obrigação para escrever correctamente, tanto melhor.

  Entretanto o blog em causa dedica um post aos Globos de Ouro...e não direi que fiquei surpreendida ao ver a crítica pueril, no mínimo, que escreveu: da adjectivação com termos brasileiros menos polidos, usados como se fossem nossos, ao redutor "este vestido é uma piroseira porque sim!" ou chistes do género "parece um guardanapo", a apelar à  piadinha fácil, era o costume. O costume que dá mau nome aos bloggers e o costume que granjeia aos profissionais de moda, mesmo aos mais sérios, a reputação de fúteis e desmiolados. Em última análise, serenidade e elegância cabem em toda a parte. Que cliente gostaria de contratar um(a) stylist que classifica as outras (potenciais clientes também, e pessoas com quem essa blogger parece querer vir a cruzar-se em certos círculos) de "foleiras"? Quem quiser ouvir de si... 

Foi, em suma, um discurso de rapariguinha de shopping,  baseado apenas na sua opinião e (entremos, uma vez sem exemplo, em modo ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão) no seu gosto pessoal que, se tivermos em conta os critérios atrás descritos e só esses, eu classificaria de questionável. E como este há imensos!

 Sejamos sérios, rigorosos e sobretudo profissionais nos conselhos...porque fazer crítica de moda tem mais que se lhe diga do que cortar na casaca. 





5 comments:

gisela pascoal said...

Concordo plenamente, apesar de já estar farta de ver aqui em blogs o tema: Globos de ouro. Isto tem sido um 'bacanal' completo de elogios, 'críticas' se assim o considerarmos e decadência no palavreado de certas bloggers. No entanto, é isso que o público gosta, portanto façam-se stylists sem o ser. Obrigada por partilhar uma opinião diferente do que vi até agora dos Globos. Beijinho

Lingua Afiada said...

Confesso que fui à procura de quem tinha feito os comentários. Na minha opinião a blogger em questão está a tentar seguir o estilo de outra bem conhecida mas que tem mais graça.
Por acaso contava ver aqui a opinião sobre os vestidos dos Globos de Ouro porque foca-se precisamente em pontos relevantes.
Eu não sou profissional da área mas adoro vestidos e gosto de comentar mas este ano não tive vontade de o fazer. Na minha opinião não houve nenhum de tirar o fôlego, mas depois da passadeira de Cannes deste ano não será fácil arrancarem-me suspiros.

Imperatriz Sissi said...

@gisela, muito obrigada. "palavreado" é o termo certo.

@lingua, hoje ia precisamente falar sobre Cannes porque nunca vi uma versão tão fraquinha. Nem parecia Cannes. Quanto aos Globos, espreitei as vestimentas muito por alto. Já o blog, se estivermos a falar do mesmo, que habilidades de detective :D Eu vi-o, depois até queria mostrar confirmar uma coisa e não o encontro em parte nenhuma. Sim, está a querer fazer o mesmo que outra blogger mas essa apesar do tom jocoso tem alguma piada ...e outra experiência.

Sandra Marques de Paiva said...

Muito gostava de saber qual era esse Blog. Manda mail ;)

Lingua Afiada said...

Enviei-lhe um e-mail com o link do blog. Se está no Google eu encontro :D
Já vi o seu post sobre Cannes e se realmente nos focarmos nos tiros no pé houve muito disparate, mas ainda assim a comparar com as outras passadeiras vermelhas deste ano gostei de muitos vestidos. Se estavam completamente corretos em termos de fitting e styling isso já não é bem a minha área.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...