Recomenda-se:

Netscope

Monday, June 8, 2015

Zen ou senso comum?


Quando um problema é posto à luz do dia, a solução tem por força de aparecer; e não é possível guardar um rio dentro de um aquário, por muito grande que ele seja, por mais boa vontade que haja.

Ocorreu-me isto a propósito de libertar espaço para arrumações, mas acho que se aplica a tudo. Na vida, como nos armários, nunca há condições ideais. Dava sempre jeito ter mais meios, mais tempo, dados mais completos, mais certezas, mais segurança, mais margem de manobra - mas só tirando a tralha (ou os factos) para fora das estantes, sem dó, piedade nem medo, é possível ver tudo com olhos de ver, enfrentar o touro e equacionar uma solução. Quem procura, acha. Ou como dizia Picasso "eu não procuro; encontro".

Depois, por pouco que apeteça, por difícil e trabalhoso que seja, é preciso aligeirar a bagagem, deitar coisas fora, livrar-se do que já não serve. Porque se guardarmos tudo - sejam jeans que não assentam ou estão fora de moda mas um dia pode ser que sim, livros que nunca lemos mas podem vir a dar jeito para consulta, engenhocas que pareciam boa ideia mas nunca usámos, bugigangas que nos ofereceram e não servem para nada ou emoções fora de prazo (receios, cicatrizes, ligações negativas, compromissos tóxicos) - nunca vai haver espaço suficiente para circular e para arrumar devidamente as coisas de sempre que nos fazem bem e as coisas novas que vamos trazendo para casa. 

Nada de zen aqui, mas o sossego que garante não está à venda em lado nenhum...


No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...