Recomenda-se:

Netscope

Friday, August 14, 2015

Antes de detalharmos as tendências de Outono

Dolce & Gabbana

Se já começaram a reparar nas tendências para o próximo Outono-Inverno (quero voltar aí em pormenor esta semana) podem ter notado que não há nada de espantosamente novo.

Eu diria que a década que atravessamos se podia resumir a uma tríade de mistura, revivalismo e styling. É como se nos últimos anos se tivesse aplicado à moda (e em particular, ao street style - ou será por culpa do street style?) a máxima da Magia do Caos: nada é real, tudo é permitido.

 Em termos de materiais, silhuetas e calçado - ou mesmo nos cabelos e maquilhagem- deixou de haver uma tendência dominante. Vêem-se nas ruas calças slim, skinny, flare, pantalonas, cropped; mini saias, saias lápis e saias de balão; vestidos ultra femininos e visuais francamente andróginos; plataformas e saltos tão clássicos - ou mesmo oxford shoes e loafers - que parecem saídos do armário da avozinha. Foram-se buscar referências à belle époque, aos anos 20, 50 e 60; há dois, três anos, os anos 80, que nunca se esperou que regressassem, voltaram dos mortos, até em ombreiras. E os anos 90, demasiado recentes, deram um ar da sua graça com mom jeans, denim com  lavagem, cabelos coloridos, lip liner visível e mesmo - pasme-se - as horrendas gargantilhas de elástico!

 Desta feita, no Outono vai manter-se o espírito dos anos 70 que ainda não houve tempo de explorar a fundo- as calças flare e boca de sino, as franjas e camurças...mas acompanhado da riqueza de materiais que o Inverno permite, tornando-se muito mais étnico e boémio, com peles, rendas, brocados...

Também os anos 80 estão de volta, mas sob a forma das diversas tribos urbanas da década: os new romantics, com inspirações vitorianas e do sec. XVIII; os yuppies e o seu power dressing; o punk; o gótico...sendo que estas duas últimas estão quase sempre presentes em quaisquer compêndios de moda de Inverno, com mais ou menos relevo de uns anos para outros.

 O look rockabilly continua a trazer as linhas dos anos 50, mas também veremos alguma influência mod da década de 60...portanto, continuamos na mesma: o vintage mantém-se na ordem do dia, e a "moda" tem mais a ver com o styling que se faz do que com as peças em si.

Pessoalmente isto agrada-me, por muita falta que sinta de ver uma colecção realmente espectacular e marcante de alto a baixo. 

No meio disto tudo, resta recordar que ao fazer misturas é preciso, para não perder o foco nem a elegância, manter um grande sentido das proporções e ter presente a regra de ouro: procurar que pelo menos a base de cada outfit seja composta de peças de boa qualidade. 

 Uns jeans skinny da Primark podem fazer um panache enorme num look punk, desde que coordenados com um perfecto de material nobre, não necessariamente de griffe (se sim, ouro sobre azul!).

Ao assaltar o armário da avó para o misturar com as novas aquisições, há que não esquecer uma regra que as avós recomendavam sempre: "o que é bem feito, bem parece".






No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...