Recomenda-se:

Netscope

Wednesday, September 2, 2015

5 detalhes que as roupas actuais não têm (e que evitavam muitos faux-pas!)

Já se sabe que não se pode pedir qualidade de couture em pronto a vestir, principalmente quando falamos de fast fashion. No entanto, as roupas de antigamente tinham alguns detalhes engenhosos que hoje faltam - até em marcas de luxo - e que poupavam muitos embaraços. Em alguns artigos de alta costura actuais esses pormenores ainda se vêem, mas é mais comum
 encontrá-los nas peças vintage - tanto couture como nos vestidos elaborados por boas modistas.

 E no entanto, não estamos a falar de nada que tornasse a produção muito cara. Principalmente tendo em conta o "efeito luxo" instantâneo que acrescentam a qualquer trapinho. À falta de visão por parte das marcas, é sempre possível pedir à costureira que faça essas alterações: pode não ser prático mandar fazer isso em peças que se tenha em grande quantidade, mas que compensa, compensa .

1- Molas entre os botões da camisa



Qualquer menina ou senhora com um busto minimamente acentuado percebe esta: é um desafio manter os botões que incidem sobre o peito devidamente fechados! Por esse motivo ando sempre a bater na tecla das pregadeiras, mas às vezes um alfinete mal colocado, ou que não tenha o formato certo, pode não garantir a necessária "privacidade"... e pronto, lá se vê um pouco da lingerie ou algo mais, cruzes. Contra isso, além de mandar apertar bem as casas dos botões, convém aplicar umas molas entre eles nessa zona: problema resolvido. Como camisas são algo que quase toda a gente tem em grande número (ou devia, pela versatilidade que permitem) não dá muito jeito mandá-las adaptar todas. Não custava nada que já viessem assim, não era? Pois...

2 - Forros em condições



Já se sabe que a maior parte das roupas - especialmente vestidos e saias - assentam melhor se forem forradas, de preferência com um tecido macio que deixe a pele respirar. Principalmente se falarmos de saias ou vestidos de material vaporoso, fino ou muito maleável (como certas malhas) que adere à pele, revelando demasiado, mostrando certas gordurinhas de quem as tem ou criando volume onde ele não existe. Infelizmente, roupa bem forrada não é a norma actualmente. Arrepio-me quando vejo mulheres com vestidos de malha colados às coxas, a aumentar desnecessariamente uma data de centímetros ou a expor em grande detalhe os contornos da roupa interior. Um spanx é um remédio aceitável e aconselhável, mas nem sempre resolve tudo. Colocar forros não é das alterações mais acessíveis ou fáceis, mas vale a pena pensar nisso se gosta muito de uma peça, ou investiu bastante nela, mas não cai como deveria.


3- "Chumbos" nas saias rodadas



Um antigo (e baratíssimo) truque muito comum em saias e vestidos vintage, para evitar o indesejado "efeito Marilyn": pequenos pesos, vulgo "chumbos de cortinado" inseridos estrategicamente sob o tecido!  Sua Majestade Isabel II, invariavelmente impecável, pede sempre à sua costureira que não se esqueça deste "salva modéstia" que lhe permite sair de helicópteros ou assistir a paradas em dias ventosos sem o mínimo risco ou constrangimento. É útil pensar nisso para saias amplas, mas leves ou pouco consistentes.

4 - "Respiradouros" em vestidos justos



Esta artimanha só a vi mesmo em vestidos de alta costura e tive de fotografar para vos mostrar. Trata-se de uma abertura sob a axila, que não se nota, para evitar quaisquer apertos ou manchas indesejadas em vestidos de mangas justas feitos de tecidos porosos, caros e difíceis de limpar, como certas sedas. Truques semelhantes são utilizados em roupas de desporto ou militares (sob a forma de fechos ou aplicações, nessa zona, de pano com pequenos buracos).

5 -"Segura-alças" de lingerie




Vestidos e blusas com formatos exóticos ou desconfortáveis, que dificultem usar roupa interior adequada, são de evitar o mais possível, mas às vezes torna-se difícil manter as alças da lingerie no lugar até com decotes relativamente comuns (como o "Bardot", shoulder-to-shoulder ou coração). Isto acontece com frequência em vestidos de noite, cujos tecidos são mais pesados e /ou escorregadios. Contra isso, há dois remédios: coser sob o vestido um soutien especialmente bom, na posição certa, que suporte e não descaia (o que requer uma costureira com o poder de cálculo de um engenheiro). Mais fácil e prático ainda: mandar fazer umas pequenas presilhas por dentro dos ombros da peça, que prenda as alcinhas do soutien no lugar. É remédio santo e só exige uns centímetros de tecido e umas molas minúsculas.

Engenhocas, não acham?


1 comment:

Carla Santos Alves said...

pois...leva a crer que nem sempre evoluímos para melhor!

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...