Recomenda-se:

Netscope

Saturday, September 5, 2015

Para eles e para elas: elegância é estar adequado.




A verdadeira elegância no vestir é algo um pouco difícil de precisar, mesmo tendo os conhecimentos certos. Vê-se e sente-se à distância, pela qualidade dos materiais e do corte das roupas, mas está muito associada ao porte da pessoa e à forma como faz brilhar o que traz vestido. Há quem tenha um ar "dispendioso" mesmo com o trapinho mais descontraído e quem pareça deslocado ou pouco à vontade (a) quando se veste "bem".

  Continuo a acreditar na velha máxima que rezava "uma senhora ou um cavalheiro 
notam-se sempre, mesmo com uma camisa amarrotada ou um casaco velho". Isto porque - pondo de parte o ar de cada um (a) , que conta muito- há ocasiões para tudo e roupas para as diferentes ocasiões. Dentro dos mais variados estilos e respeitando os diversos dress codes, há roupa elegante para ir trabalhar, sair à noite, para praticar desporto, para ocasiões sociais e formais, para estar no campo ou na praia, para uma volta descontraída na cidade ou no parque, e assim por diante.




É importante ter este conceito em mente já que há quem, quando tenta adoptar um visual mais polido e alinhado (por razões pessoais ou profissionais) pense, erradamente, que tem de estar sempre demasiado formal, vulgo "emperiquitado": cai-se então na caricatura e no ridículo, além de se ficar com um aspecto pouco natural e desconfortável.

É o caso das mulheres ainda jovens que querendo ser tomadas a sério, adoptam tailleurs pesados e vestidos "de senhora" quando até aí andavam de ténis ou micro saias todos os dias (e que levam saltos altíssimos e finos para um evento num relvado) ou de homens que passam a andar sempre de blazer, até para um churrasco numa cottage na montanha!




  Isso não é estar bem vestido: para passear no campo, no meio da lama e das ervas, finalizando o dia com uma "patuscada" que envolva levantar fumo, é mais elegante um bom par de galochas, um sports jacket ou uma parka e uma camisola de lã espessa, do que parecer demasiado rígido num casaco inadequado,  andar em ânsias porque uma silva pode deixar um arranhão no tecido, ou ainda, no caso das senhoras, atrasar toda a gente por causa de uns saltos altos que se enterram no caminho! 

 Chanel dizia que elegância é renúncia (o velho e sábio "menos é mais, que assegura um visual polido e clean) mas elegância também é adequação. Quem está adequado ao local e à assistência sente-se à vontade consigo mesmo e com o ambiente, e o à vontade - sem excessos nem atrevimentos - é um grande "quê"...




 Depois, nunca é demais realçar que para ter um visual adequado, com certa sofisticação, não é preciso transformar-se noutra pessoa. Embora toda a gente deva ter em casa alguns coordenados para traje formal ou social, não é obrigatório adoptar um estilo preppy/clássico (e dandy, no caso dos homens) para se estar bem vestido. 

Gostos não se discutem; é possível usar um estilo hipster, hippie, vintage, punk, streeetwear, edgy/fashionable, etc e estar elegante. Porém, tratando-se de visuais "alternativos" ou com certas fantasias, cair em erro torna-se mais fácil.


Este "personal trainer das estrelas" consegue um visual
elegante dentro de um estilo muito casual, recorrendo a materiais luxuosos,
 peças de bom corte e elementos simples.

 Algumas normas para isso são comuns ao trajar feminino e masculino, como vimos aqui e aqui: ter bons básicos, limitar o ruído visual, garantir que todos os "trapinhos" que se tem em casa, mesmo que tenham custado pouco, sejam de certa qualidade...

Por fim, uma ressalva para eles: como a roupa masculina - por muito que se invente - acaba por ter menos variantes do que a feminina, mais fácil se torna aos homens cultivar uma elegância intemporal; construir um guarda roupa que, mais pormenor menos pormenor, lhes possa ficar igualmente bem daqui a uns bons anos. Há uma altura na vida de um homem em que, por mais descontraído que se seja, convém deixar de vestir como um rapazinho. Um senhor também se conhece pela roupa e pelo calçado...


 Independentemente do gosto, estilo de vida e personalidade de cada um, convém conhecer o que é correcto ou não. Há detalhes que dependem do gosto pessoal e outros que são inapropriados ou dão imediatamente um aspecto deselegante.

Assim, há que evitar as gaffes que muita gente tenta fazer passar por moda: t-shirts decotadas ou em V (porque não fazem mesmo sentido), as t-shirts demasiado justas (muito menos se a intenção é mostrar os músculos) logótipos visíveis, ténis demasiado desportivos fora do ginásio (sim, mesmo com jeans...) sapatos formais (como os Oxford) com t-shirts e/ou jeans, jóias e bijutaria, jeans com gravata, calças brancas de linho fora da praia, bonés fora de contexto, roupa de praia/campo de basket/ginásio quando não se está em nenhum desses sítios...o bom senso deve estar acima das tendências, e decerto há atletas e artistas da MTV que não são para copiar, de todo.







3 comments:

Carla Santos Alves said...

...obrigada pelas dicas.
Eu uso os meus oxford de camurça camel com jeans e blazer, e não acho que fique mal...vou pedir uma dica, acha que com vestido fica bem?

Imperatriz Sissi said...

Olá Carla,

Os oxford de camurça ganham um toque descontraído, por isso prestam-se bem a essa combinação "somewhere in between" de jeans com blazer.

Quanto ao vestido, tenho visto muitos lookbooks usando oxfords com vestidos ou saias (principalmente curtas). É uma questão de gosto pessoal. Dá um certo ar entre o avant garde e o colegial que tem a sua graça! Sendo camel e de camurça, eu recomendaria combiná-los com um vestido floral ou de quadradinhos, romântico, com um ar um pouco grunge.

Carla Santos Alves said...

Obrigada.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...