Recomenda-se:

Netscope

Monday, November 23, 2015

Dos amores "efeito borboleta"


A propósito deste post, uma nossa amiga e blogger chamou-me a atenção para o facto de o novo sucesso da Adelinha, Hello, visar mais do mesmo: uma conversa daquelas agridoces com uma antiga paixão que correu mal (e nota bene, as cantigas acabam invariavelmente com a menina a ser dispensada; cá para mim devia ir à bruxa ou  pedir umas dicas ao nosso Rui Veloso, que dizia e muito bem "nunca voltes ao lugar onde já foste feliz", essa sim, uma das minhas canções preferidas).




Antes de mais, um aparte: tenho definitivamente de reproduzir aquela maquilhagem do vídeo. Digam o que disserem, o raio da mulher sabe fazer surgir beleza na sua cara (ou contrata quem sabe, vá).



Adiante : Hello, além de ter uma melodia mais interessante, intimista e menos xaropenta do que a cantiga-irmã, Someone Like You, é uma canção muito mais honesta.

Se Someone Like You reproduz o discurso típico da mulher da luta sem dignidade que foi rejeitada mas mesmo assim quer ficar amiguinha do ex a ver se cola (de-pri-men-te), a situação cantada em Hello já podia acontecer a qualquer uma. 

Não necessariamente com um ex, que quanto a isso estou com o Rui Veloso; não necessariamente ligando do Outro Mundo para assombrar uma alma que está descansada na sua vida, pois uma senhora digna não faz essas coisas nem aparece onde não é desejada.



Mas por vezes há Aquela Pessoa que poderia ter sido perfeita e que se deixou escapar por descaso, por acaso, por estupidez, por partida do destino, por timidez, por tolice de juventude, quando tudo é puro e possível. 

Por causa disso o coração de um, de outro, ou de ambos, partiu um bocadinho, mas um bocadinho que fez falta sem que se percebesse, que nunca esqueceu nem curou. E  num solavanco quântico que altera a ordem do universo, a vida dos dois tomou rumos muito díspares, cometeram-se erros e sofreram-se coisas que nunca teriam surgido caso a opção tivesse sido outra. 



  Mas como nada é estanque nesta vida, às vezes há dúvidas, há aqueles terríveis "what if?" (e se?) que têm vontade própria, que não ficam sem resposta ainda que não se faça nada por isso. É como se o fragmento ou estilhaço que saltou fora do peito corresse Seca e Meca para voltar ao seu sítio. Quando assim é, os dois podem reencontrar-se e eventualmente começar no ponto onde pararam, já com as suas feridas de guerra, outra perspectiva, outra sabedoria mas surpreendentemente iguais ao que eram. Porque o que tem de acontecer, o que está escrito assim, dá-se inevitavelmente.

Por vezes procura-se muito longe aquilo que esteve perto desde o início, e um simples "hello", que quase não se dizia, pode pôr de novo em marcha esse estranho efeito borboleta...

1 comment:

C.N. Gil said...

Pois,...

...A letra é o que é...
...A voz continua excelente...
...a musica desce de qualidade de disco para disco! Claro que é disfarçada por tralha atrás de tralha, artefactos de produção que tornam a sonoridade "clean" e apelativa...
...mas que, quando esprememos não dá nada mais do que o costume! Infelizmente!
Basicamente são músicas "Tony Carreira style" com um orçamento de produção mais elevado!

Sou-te franco, produções destas fazem-me lembrar algo que um amigo meu uma vez disse:
-Se pegares num cagalhão e o deixares secar até endurecer, podes poli-lo. Se o polires como deve de ser ele vai ficar brilhante,...
...mas um cagalhão polido e brilhante não deixa de ser um cagalhão!

Desculpa um pouco a linguagem e não estou a comparar directamente esta música ao dito. No entanto a figura de estilo aplica-se. Parece algo composto às três pancadas para encaixar uma letra banal e que tem uma única mais valia, a voz da Srª. E depois pule-se aquilo ao extremo até brilhar! E quando já está brilhante as pessoas gostam, porque brilha!

Basicamente acho a maior parte da música que nos massacra incessantemente "ouro dos tolos"...
...não vale nada mas brilha...

:)

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...