Recomenda-se:

Netscope

Saturday, December 19, 2015

8 erros de Natal a não cometer


Entre as modernices + consumismos + laicismos que dão cabo do significado à quadra, o stress dos presentes e os esforços para reunir a família (e infelizmente em muitos casos, para driblar certos constrangimentos de parentela que o espírito natalício não consegue aliviar)...o Natal pode ser uma carga de trabalhos. Ou para algumas pessoas, perder totalmente o propósito. Não nos deixemos enganar: a data não é uma festa comercial como muitos pensam, tão pouco "só para as crianças". Pode ser tão especial como desejemos que seja, desde que as pessoas não se afastem do seu verdadeiro sentido...e que fujam de alguns pecadilhos natalícios sem jeito nenhum. A ver:

1- Atormentar-se porque "vai engordar" com as Festas


Sem querer cair em falsos moralismos... nesta quadra, a existir alguma preocupação relacionada com guloseimas, devia ser a de partilhar os doces e os petiscos com quem não tem a mesma sorte. Se a ideia de ganhar umas gordurinhas é assim tão assustadora, uma forma simpática de a contrariar é convidar para a mesa alguém que ajude a fazê-los desaparecer, ajudar numa iniciativa para os sem abrigo ou simplesmente descer a rua para levar umas filhoses à D. Felismina, coitada, que é um pouco bisbilhoteira mas não é má pessoa e até tem os filhos todos no estrangeiro. De resto, com um pouco de cuidado é possível provar de tudo sem inchar como um balão. O stress dos preparativos trata de queimar o resto das calorias...

2- Arreliar-se com as musiquinhas de Natal



Já se sabe que são uma maçada, mas fazem parte. Mais vale cantar mentalmente as mais bonitas enquanto se corre as lojas...

3 - Não fazer presépio


Além de ser uma linda tradição iniciada por S. Francisco de Assis, tornou-se um encantador costume português, que lembra que o verdadeiro rei da festa não é o consumista Pai Natal à americana, mas o Menino Jesus. Sem falar que as crianças adoram comprar as figurinhas, procurar o musgo, montar o cenário...

4- Cortar árvores


A não ser que elas precisem de ser cortadas (e quem tem terrenos seus saberá o que deve ser desbastado). Não sendo assim, para quem faz questão de uma árvore "a sério", as Câmaras Municipais e os Bombeiros disponibilizam por vezes pinheiros cortados para prevenção de incêndios, e há sempre a alternativa de comprar, num viveiro, uma árvore em vaso que pode ser plantada depois. Senão, mais vale cingir-se às versões artificiais...

5- Querer que tudo seja perfeito


Ralar-se porque gatos e enfeites de Natal não combinam, ou porque as crianças também espatifam a árvore de Natal, ou porque quer uma consoada de anúncio mas a sua família arma uma batalha campal por qualquer coisa - tudo isso faz parte e Natal sem zaragata não é Natal, porque onde há confusão quer dizer que a família está reunida e isso é uma bênção. Ninguém quer um Grinch ou um Mr. Scrooge sem espírito de Natal, mas o excesso de zelo pode transformar a pessoa mais alegre numa Christmaszilla.


6- Pinderiquices que não lembram, literalmente, ao Menino Jesus

Da mesma forma que o Presépio saiu de cena, também há quem ache por bem actualizar o estilo aos enfeites de Natal...ou usar dessa bela coisa que são os enfeites natalícios "fashion" ou "tuning" (Credo!).

Há um motivo para existir uma coisa cheia de mofo que se chama "cumprir a tradição". É que caso se dê asas a certas pessoas mais...bom, criativas, cheias de modernices, o mau gosto instala-se com muiiita facilidade. De modo que em vez de bolas, maçãs, embrulhinhos e sininhos de cores sortidas; de tons branco, verde, encarnado, prateado e dourado...se vêem por aí horrores estilo árvores de Natal pretas, vulgo pinheiro zombie/ todo chamuscado (se o autor da obra for um pretensioso armado em decorador) ou pior um pouco (se o autor ou autora for deste género) árvores cor de rosa de alto a baixo, rosa-serigaita ou rosa nails, cheias de purpurinas e plumas, que mais parecem a árvore de Natal de um cabaret ou de uma casa de mau viver (o Natal é para todos, mas haja respeito hein?). Uma árvore com cara de quem foi enfeitada por uma stripper (ou vá, por uma Barbie de feira)  é tão mau como uma noiva com um decote vertiginoso. O mesmo vale para a partilha de piadas brejeiras com o Pai Natal, as figuras do Presépio ou o que seja. Haja respeito pela quadra, fazfavor.


7- Trazer preocupações para a mesa


O futuro profissional do filho, os preparativos do casório da filha que só dão dor de cabeça, o negócio que não há meio de desenvolver, a crise do país, etc. Confusão saudável é uma coisa - estragar os festejos com coisas sérias que se podem adiar para o ano, é outra.

8 -  Ser um maluquinho dos presentes


Ou porque se entra em modo "não dou nadinha a ninguém!" (o que é um bocadinho triste e de evitar a não ser em caso extremo) ou porque se exagera com medo de melindrar e
 traz-se este mundo e o outro, gastando horrores em bugigangas, ou porque se é preconceituoso em relação a presentes que têm má fama, mas que escolhidos com bom gosto dão excelentes ofertas, ou ainda porque se compra inflaccionado. Na dúvida, antes correr tudo a vales-presente que se poderão gastar mais sensatamente logo a seguir. E em todo o caso, o gesto é que conta e isto não é uma competição...

No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...