Recomenda-se:

Netscope

Friday, January 15, 2016

23 pinderiquices de marca maior (Parte I)

Isoladamente, *algumas* destas coisas até podem não emparolizar ninguém. Mas mais do que duas ou três juntas são sinal de parolice desbragada e genética - ou, se são manias recentes numa pessoa que tinha gosto até então, de que se anda em más companhias, com o pé a escorregar muito, muito para o chinelo. Urge ligar o botão do bom senso no máximo ou tomar uma overdose de snobismo positivo quanto antes, até que tudo volte ao normal e o risco de suicídio social tenha passado.

1- Seguir pseudo celebridades nos social media



A suposta actriz de novelas, a participante da Casa dos Segredos ou coisa que o valha, a irmã/tia/periquito do jogador da bola, este ou aquele membro de um clã pimba que tentam a todo o custo tornar mainstream...e comentar as suas publicações. Fazer isso com ar muito sério é o cúmulo, mas é sempre questionável nem que seja para dizer mal: partilhar algo que venha directamente de tal fonte é admitir que se sonham as idas e vindas de tais personagens. E isso é um atestado de demasiado tempo livre em mãos, no mínimo.

2- Achar-se muito moderno por debitar 10 palavrões a cada frase

Asneiras são um recurso expressivo como qualquer outro (disse e repito) mas há ocasiões para tudo e nem toda a gente possui a leveza necessária para as dizer como quem diz "pão", ou tem tanta graça como julga. Sim, mesmo gente "do Norte" que acredita que só por isso tem free pass para não ser bem educada.  Da malta rude do campo (ou da oficina/bar/fábrica/you name it) que deixou de moderar o palavreado quando uma senhora passa às marias rapazes que se acham muito prá-frentex por escreverem brejeirices, desculpem desiludir mas isso não é giro, não é ser durão: é mesmo grosseria. E parolice.


3- Usar brejeirices que são piores que palavrões



De trocadilhos maliciosos a despropósito (mas esta gente não cresceu?) a expressões boçais, babosas e abrasileiradas como "gostosa (o)", "gostosão","sabor de pecado" e outras que me falham agora, mas que soam inevitavelmente a anúncio de casa de alterne. Mal por mal, antes dizer a asneirola toda. É mais honesto.

4- Tatuagens pouco rebeldes...e pseudo fofas ou sexy




As tatuagens perderam de todo a graça, como a Casa da Mariquinhas, quando deixaram de ser transgressoras - ou seja, apanágio de estrelas de rock, motards, tribos verdadeiras e tribos urbanas, militares, marinheiros e piratas - para passarem a ser feitas por qualquer dona de casa em desespero pós divórcio no salão de estética da esquina. Isto já diz tudo, mas elaboremos: uma tatuagem bonita, bem feita e discreta, com verdadeiro significado, vá que passa: principalmente se o look da pessoa for enfim,  para o alternativo ou não sendo, se dá para esconder o desenho a maior parte do tempo. Mas encher-se de estrelinhas, golfinhos, nomes de fulano e beltrano, caras de sicrano ou pior, frases motivacionais e "kiduchas"em inglês macarrónico, símbolos ou caracteres de uma cultura que nada tem a ver consigo, manchas de tigresse ou qualquer outro padrão de bicharoco e o cúmulo dos cúmulos, colocar um "selo de galdéria" ao fundo das costas é o fim. Pelo ruído visual, pelo conjunto que faz com as roupas e acessórios quase sempre indiscretos e vulgares, por não bater a bota com a perdigota. Não.

5- Fazer questão de ser tratado por "doutor"...




...fora do meio académico, principalmente se não se é doutorado. E usar um grande anel de curso. Ou qualquer cachucho desse estilo, de resto. Numa época e num país em que qualquer primata tira um curso e em que ser licenciado equivale a trabalhar numa caixa (sem desprimor para as caixas) não sei de que vale tal vaidade, mas enfim. Esta é tão velha e estafada que se torna quase desnecessário apontá-la, mas como ainda não desapareceu, seja.


6- Ter muita estimação na Bimby e nas Tupperwares



A Bimby (ou qualquer outro robot de cozinha) não traz mal ao mundo em si, antes pelo contrário, tal como as simples caixas de guardar comida ou qualquer outra utilidade doméstica. Mas ter manias com isso, troçar de quem não usa tupperwares "de marca" (como se o plástico usado anos a fio não fizesse mal à saúde nem nada) passar-se se não sabe da tampa de um raio de uma tupperware, ligar aos seus amigos a reclamar porque não as devolveram como se fosse um prato Wedgwood que se perdeu ou pior, organizar em sua casa reuniões para aquisição de uma coisa ou outra (sendo que o cúmulo são os casalinhos deprimentes que fazem "swing de bimbies") isso é uma doença pequeno-burguesa a tratar quanto antes. A não ser que se seja chef de cozinha profissional ou ganhe a vida com um estupendaço serviço de catering onde põe a render as receitas da sua bisavó e da governanta dela vindas da quinta de família em Azeitão ou no Douro. Ou enfim, se tiver um negócio paralelo de venda de rissóis. Aí desculpa-se porque sempre são instrumentos de trabalho, mas só um bocadinho.

7- Aderir a todos os modismos bacocos



"Degustar"as coisas em vez de as provar/comer/enfardar (juro que ouvi "vamos degustar um leitão"), beber gin só porque é moda, engolir sumos verdes/tomar pequenos almoços de linhaça só para Instagram ver, ir a festivais de sushi ou jurar a pés juntos que ali é o verdadeiro sushi (ou, mais parolo ainda, "só vou a restaurantes onde o sushi seja feito por japoneses, como este"- e só por acaso, o sushi man ser brasileiro, não que isso afectasse a receita. Juro que me disseram esta), fingir que se gosta de vinho, jurar amor eterno aos cupcakes/macarons/whatever para dali a nada já não saber o que isso é, e outras parolices trendy ou pseudo cosmopolitas.


8- Partilhar posts fofinhos e lamechas nas redes sociais




E juntar-se a toda e qualquer causa em modo je suis Charlie, mudando a imagem de perfil para não ficar atrás. I rest my case- over, and over, and over....

9-Nail art




Já tanto foi dito por aqui que nem vale a pena elaborar: unhacas com qualquer tipo de bonequinhos são coisa capaz de pôr em causa a maior Senhora, mesmo que esteja vestida dos pés à cabeça como uma senhora, fale e aja como uma senhora. Quanto mais as outras...depois, só resta escolher o que é pior; se as serigaitas que usam tudo a fazer pendant com as unhas (roupa sintética e provocante, argolas, montes de maquilhagem, cabelo esticadinho, saltos de stripper) se as que vestem como senhoras da limpeza em hora de expediente, não se maquilham, não cuidam da silhueta, não se penteiam, só calçam ténis MAS não dispensam algo tão amaricado como unhas enfeitadas. Se calhar é por dar menos trabalho estar sentada uma hora e tal a fazer unhas e trocar mexericos do que sofrer uma hora de ginástica ou passar um bâton nos lábios todas as manhãs, mas nem tentemos entender.

10- Ver, seguir e comentar reality shows



Se for um qualquer do canal E! é mau, mas pronto. Sempre pode jurar que só vê porque gosta do trabalho da Rachel Zoe, para espreitar os trapinhos Givenchy da Kim Kardashian ou para perceber como é que, afinal, a Kardashian mais piquena usa o famoso delineador de lábios. Mas tomar as dores de sub-celebridades esfomeadas ou de acompanhantes e Carlões da Casa dos Segredos e pior, votar neles, é o fim do mundo e a barraca armada.

11- Ler as Cinquenta Sombras




Ou qualquer escritor lamechas e pseudo erótico que produza a pensar no público-alvo das mulheres românticas-frustradas-desesperadas (se for um homem a fazer isso porque viu a mulher ler, pior: é sinal de que algo vai muito mal governado nessa casa). Ou levar a sério os livros tirados a papel químico de best sellers internacionais escritos por jornalistas e apresentadores, chamando-lhes "literatura", ou comprar o último "testemunho corajoso" da amante de um figurão que foi alvo de bordoada e agora se vinga, ou de uma ex celebridade local que venceu um drama qualquer, ou...you know what I mean.

12- Dançar despudoradamente afro-latinas 




Já se sabe que a "kizomba" que por cá se ouve agora (e que é apenas uma desculpa esfarrapada para a sem vergonhice) nada tem a ver com a verdadeira dança  angolana - diz quem sabe, não sou eu que afirmo. Logo, ser condescendente com isso ou gostar disso é muito mau sinal. E vendo o ambiente que vai pela maioria dos "estúdios de dança" que povoam cada esquina, esqueçam. Palavra de honra que no outro dia me enviaram imagens de uma "escola de dança" cá do burgo onde mães de família aprendem pole dance e no fim do ano fazem um recital vestidas à Pussycat dolls com crianças a assistir e tudo. Há danças que pessoas honestas não consentem nunca em dançar, por mais que lhes salte o pé. Já as danças de salão convidam a uma certa elegância e podem sempre ser úteis, por muito que tenham ganho uma aura mais popularucha nas últimas décadas. Por isso you can dance if you want to, mas prepare-se para esclarecer constantemente que traça uma linha clara entre o certo e o errado.

13- Orgulhar-se de só comprar roupa de "marca", mas não saber ao certo o que isso é


Não há maior burguesice emergente do que espatifar o orçamento exclusivamente em marcas de segmento médio, achando que é "chic" e sem ao menos dar uma olhadela às etiquetas para ver se se está a comprar acrílico ao preço de lã. Nada contra estas lojas per se (já se sabe que há "achados" de qualidade nas mais variadas fontes) mas confundir isso com "luxo" já é outra história. E claro, o cúmulo dos cúmulos é rematar o look com uma carteira Prada made in ciganininhos. De novo, nada contra as feiras desde que se saiba comprar nelas (são boas para encontrar, por exemplo,  restos de colecção multimarcas e  stocks de casas de peles ou lojas de sobretudos) mas tralha contrafeita e com logótipos visíveis ainda por cima, tudo dito.

14- Tratar a cara metade [ou pior,  o (a) amancebado (a)] por "môr", as amigas por "miga" ou "linda" e os filhos por "príncipes"




Não me querendo repetir, mas já repetindo e caindo em redundâncias...



To be continued daqui a pouco!

3 comments:

Maria Francisca said...

assino tudo por baixo. tudinho. principalmente a coisa das unhas.

Maria Francisca said...

só faltou o uso de certas e determinadas expressões como dizer "comer" em vez de almoço ou mesmo comida. ou o derivado de.

Imperatriz Sissi said...

"O comer" estava no rascunho quando a Maria Francisca comentou...podia lá faltar na lista? ;)

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...