Recomenda-se:

Netscope

Saturday, February 27, 2016

E quando as mães acham que é fita, mas não é?




Ontem acabei por me  rir com uma notícia sem graça nenhuma, tudo por causa da forma cómica que algumas pessoas têm de contar desaires aos jornalistas.

 Dezenas de crianças numa escola de Carnaxide ficaram severamente intoxicadas com a comida da cantina- o pandemónio foi tal que além de acorrer o INEM em força, os funcionários se viram obrigados a reunir todos os afectados numa sala de aula para que não andassem para lá aos caídos, a desmaiar pelos cantos- o que também não foi grande ideia porque a divisão acabou transformada na versão moderna dos supostos vomitorium romanos (blhec!).

Claro que os pais acorreram, aflitos, e alguns falaram para as câmaras, barafustando. E uma mãe em particular teve muita graça, ao descrever como o seu filho andava farto de se queixar ai que a comida não presta, aquilo parecem restos, etc, mas ela não tinha feito caso porque achava que o rapaz tinha era fastio, pois sempre fora pisco e niquento à mesa.



Quem nunca refilou com os prodígios culinários de escolas, creches e colégios, que atire a primeira pedra. Eu gostava tão pouco de certas coisas que as boas Irmãs (que honra lhes seja feita, até cozinhavam muito bem) me alcunharam de pastelona

 O belo pudim de peixe, o arroz doce quentinho e a  sopa com couves "da horta da irmã L., tão tenrinhas que até são doces" até marchavam, mas clara de ovo estrelado, não e não mesmo; e quase morri quando me tentaram impingir arroz de cabidela (hoje gosto,mas na altura fui para casa a choramingar que me tinham dado "arroz com vinho"). 



Mas acredito que em muitos casos o cenário tenha piorado desde que passaram a rarear as mal encaradas mas bondosas cozinheiras residentes, gordinhas e de toucas na cabeça, que ralhavam connosco sem cerimónia - até no liceu- se deixássemos o pão ou não comêssemos a sopa toda, cruelmente substituídas por concessões a empresas de distribuição alimentar. Vá-se lá dar à criançada comida processada, requentada, sem sal, sem açúcar e com as calorias calculadas ao milímetro! Antes as mixórdias e as papas dos antigos colégios à inglesa...

Em todo o caso, há detalhes que não mudam: os meus pais nunca engoliram a minha queixa do arroz com vinho, tal como estes agora não quiseram crer que "a comida não presta!" era no sentido literal...criança sofre. Forma o carácter.

No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...