Recomenda-se:

Netscope

Wednesday, March 9, 2016

É um homem ou um menino? Descobrir em três sinais



Há por aí nesta internet milhentos textos - até aqui no salão temos alguns-  a separar homens de rapazes, o homem certo do amor errado, um cavalheiro verdadeiro de um falso, a explicar as pistas para saber quando "ele" vale a pena (mesmo que pareça um bad boy) ou os sinais mais evidentes para fugir antes que seja tarde

Isto para não falar nos erros-chave que eles cometem ou nas pequenas coisas que salvam tudo. E nas muitas outras nuances já por aqui escritas, já tratadas em incontáveis outros sítios e publicadas nas revistas femininas todos os meses, por este mundo fora, desde que começou a haver publicações dedicadas ao mulherio. 

É muito texto! É muita tinta gasta no tema! É muito neurónio torrado a analisar o "inimigo" que as mulheres, fiadas no seu ardil, ou por irritação, tantas vezes apelidam de "básico". Talvez na guerra dos sexos - que é muito parecida com uma dança - as meninas (nisso todas são eternas meninas...) caiam no erro de subestimar o adversário. Outra hipótese é o adversário ser realmente "básico", mas não como se pensa, e a mente feminina complicar o que é claro como água, pela sua mania de ver só aquilo que gostaria que fosse verdade, de consertar tudo e de aturar o impossível.

E no entanto, a fórmula é realmente clara; não tem nada que enganar. Com três situaçõezinhas apenas, se vê o que é trigo e o que é joio...desculpem qualquer auto plágio ou redundância e pensemos nisto como um resumo da matéria dada.

1- Quando se apaixonam



Um homem é selectivo, decidido, seguro de si e corajoso. Sabe bem as coisas que deseja e agarra-as com as duas mãos, não parando quieto até as concretizar. Como não se contenta, ao contrário de tantos "homens beta e modernaços" com a rapariga que está à mão, ao ver aquela que corresponde ao seu ideal (e/ou que lhe provoca emoções fortes), não suporta prolongar as "áreas cinzentas" entre a amizade, o romance e o compromisso. Como qualquer pessoa dotada de maturidade, tem a consciência do quão raro é encontrar alguém especial - logo, de uma maneira muito clara (ou pelo menos, de forma compreensível) um homem põe as suas intenções preto no branco, não vá outro mais decidido aparecer.
 Já um menino...por mais apaixonado que esteja, nunca está apaixonado que chegue para sacrificar o seu egoísmo: enrola, hesita e faz todos os jogos que nós sabemos.

2 - Quando se relacionam



Um homem sabe que a vida já tem - de sobra-  complicações inevitáveis. Por isso vai simplificar tudo o que estiver na sua mão e evitar situações escusadas que entristeçam a sua mulher ou que a deixem desconfortável. 
 O seu relacionamento tem primazia e o casal torna-se uma equipa, uma fortaleza para enfrentar o mundo lá fora. Defender a sua dama não só o faz sentir forte, masculino, como tem motivações práticas e racionais: um homem a sério vê uma relação como um projecto a dois, que por sua vez é um suporte para os seus outros objectivos de vida. Logo, é responsável e oferece estabilidade porque ele próprio precisa disso para realizar grandes coisas a nível profissional, social, etc. 
 Por sua vez, um menino não tem as prioridades bem definidas: quer uma mulher ao lado a todo o custo...mas também se acha no direito de continuar a ser um eterno irresponsável, não fazer ajustes nem sacrifícios, gozar certas liberdades, viver ao sabor dos caprichos e não atribuir diferentes graus de importância às pessoas e sectores da sua vida.
 Isso traduz-se em coisas desagradáveis como esbanjar em engenhocas e farras os recursos que deviam ser canalizados para um futuro a dois, não abrir mão de *mais um* passatempo dispendioso e fútil pelo bem da família ou permitir influências maliciosas de terceiros.

3- Quando fazem disparates



O homem perfeito é um ser que não existe: mesmo os de melhor coração e com as mais nobres intenções erram às vezes, como qualquer ser humano. Por mau feitio ou por orgulho, ciúmes, cansaço, frustração...uma pessoa diz e faz coisas de que se arrepende.

 A diferença é que um homem procura remediar para ontem a situação. 

Se por descuido deitamos fogo à cozinha, o impulso automático é apagá-lo e limpar os estragos para que tudo volte ao normal, certo? Não deixamos arder, atiramos água aqui e ali e no fim de tudo esturricado, tentamos usar a divisão para cozinhar como se nada fosse.

 Com uma relação é o mesmo. Um homem sério trata de reparar o mal feito seja pedindo - textualmente ou não- desculpa (gesto geralmente acompanhado "daqueles" abraços fortes que confortam corpo e alma) seja explicando-se, discutindo objectivamente o assunto e aplicando imediatamente um plano de contingência. Isso inclui eliminar as causas, se estiver na mão dele fazê-lo. Simples, não é? Um homem procura, de todas as formas, reconfortar e reassegurar a cara metade, pondo fim ao rastilho que espoletou a explosão ou levando a cabo as "obras de reabilitação" necessárias. Um menino tenta fazer as pazes porque lhe custa abrir mão do relacionamento, mas sem encarar o erro, sem se tornar um homem melhor, sem limar arestas nem prescindir de nada. Resumindo, vive em modo "venha a nós" e ainda espera um muito obrigada por cima.


Moral da história: não convém perder demasiado tempo com análises. Se parece um menino, se calhar é um menino. E o propósito de ter um homem ao lado é um dia vir a criar meninos, não treinar ad aeternum com um bebé grande feita Mary Poppins...


No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...