Recomenda-se:

Netscope

Monday, April 4, 2016

5 instintos masculinos que as mulheres descuram...e não deviam.


 O sexo oposto não é tão difícil de entender nem tão maldoso como muitos livros modernos "para mulheres" o pintam. Pelo menos na questão "mal me quer, bem me quer" só não percebe os homens quem gosta de se iludir com modernices e wishful thinking: mais nuance menos nuance, poucas criaturas neste mundo são tão pão, pão, queijo queijo como eles.

Mas no que se refere à convivência quotidiana (seja com namorados, maridos, pais, irmãos ou primos) a psicologia é mais complexa. E há reflexos ou instintos masculinos que as nossas avós conheciam e contornavam bem mas que hoje, com a disseminação da ideia de que somos todos absolutamente iguais, são postos de parte.

E no entanto, esses instintos e reflexos existem...logo, a bem da harmonia - e da velha habilidade feminina de dar a volta às situações de forma discreta - não convém desprezá-los. Vejamos:

1- Aversão à confusão...em todos os sentidos

 
É paradoxal, porque alguns são bem barulhentos e desarrumados...mas talvez por serem mais visuais e menos verbais do que nós, confusão, histeria e trapalhada deixam-nos baralhadinhos de todo. E impossíveis de aturar. Seja no aspecto logístico ou emocional, quanto menos poluição, melhor! Por algum motivo os manuais antigos para "boas esposas" frisavam sempre que, para que um casamento corresse bem, era crucial o lar estar sempre arrumado e acolhedor (hoje, que a maioria das mulheres trabalha fora de casa, o melhor conselho será criar hábitos saudáveis de divisão de tarefas).  Já aqui vimos isto em maior detalhe, mas resumindo, eles não suportam barafunda. Supostamente, o cérebro masculino não consegue processar tanta informação em simultâneo como o feminino. Isto leva a que entrem em pânico se vêem o mulherio entrar em casa com alguns sacos de compras (nem é muita coisa, mas acham logo que se comprou este mundo e o outro) ou que tenham dificuldade em reagir com calma se a mãe, esposa ou irmã lhes expõe um assunto toda nervosa, a dar imensos detalhes. Eles não ouvem um terço, só sentem que algo se passa - e pioram o cenário mil vezes lá na sua cabeça.

2- Ouvidos MUITO sensíveis


Lá dizia o outro "é um longo caminho dos lábios de uma mulher aos ouvidos de um homem"...porém, a verdade é que eles podem fazer orelhas moucas a bons conselhos, avisos sensatos ou raciocínios elaborados, mas apanham imediatamente um tom de voz ríspido ou agressivo. E detestam! É mais fácil convencê-los a atirarem-se a um poço com bons modos do que a fazerem uma coisa muito boa aos gritos. A experiência prova a fórmula da avó "com eles, não se consegue nada por mal". Por vezes uma mulher fala de forma apressada ou impaciente, sem qualquer má intenção, e ei-los de com cara de tacho, sentidíssimos e quezilentos, barafustando "isso são modos de me falar?". Perdi a conta às quezílias que tenho visto começar só porque - queixa deles - "ela falou-me à bruta".


3- Necessidade de apoio e um beliscável sentido de respeito 



Se as mulheres (admitam ou não) gostam de se sentir protegidas, os homens adoram proteger e ser os heróis do dia. Mas com isso, vem também a necessidade de sentir que a "sua mulher" está sempre a seu lado, no melhor modo se ele diz mata, ela diz logo esfola. Sentir que não são respeitados pela própria cara metade fere-os no mais íntimo do seu ser. E já se sabe, se a briga for com outra pessoa qualquer, tomar o partido do oponente é pedir zanga na certa: seja porque ele se travou de razões com um amigo numa festa demasiado "animada" ou porque o pai impôs um castigo à criançada e a mãe, perante a prole, o contradiz logo, desautorizando-o, cuidado com isso. Mesmo que eles não tenham a razão toda ou ajam de cabeça quente, é melhor conversar sobre o assunto em privado e com meiguice. Jamais de forma ríspida, que os diminua, ou pior - diante do "adversário".


4- Ego e bazófia
 
Uns mais do que outros, mas nenhum está imune a uma certa vaidade e a assomos de orgulho parvo.
 Por algum motivo adoram desportos de velocidade, luta e competição, que os deixem provar quem é o maior. Ou quanto mais não seja, quem é o maior maluco ou o mais temerário. E voltam para casa contentes e felizes, mesmo com pés torcidos, galos na cabeça ou bólides amassados. Esse instinto reflecte-se em muitas pequenas coisas: por vezes, podem entrar em competição até com a própria mulher. As estórias complicadas em que um homem se sente ameaçado por a esposa ganhar mais do que ele são um caso típico (e muito feio) mas na maioria, as manifestações são mais subtis e inócuas. Conheci um senhor que, sendo da mesma altura da mulher, amuava sempre que ela calçava saltos. Outros podem ficar arreliados com isto ou aquilo e defender-se exagerando, dourando a pílula ou fazendo coisas superiores às suas forças só para manterem uma posição de superioridade, em modo "ora toma!" mesmo que isso lhes custe caro. Por exemplo, aventurarem-se a fazer um movimento de Yoga difícil só para não ficarem atrás da mulher, que pratica a modalidade há dois anos (e lesionarem-se) ou, se a namorada tem a má lembrança de mencionar um ex, retaliarem com alguma história  escabrosa dos tempos de faculdade. Mesmo que saibam que isso vai atrair sarilho, ou que a legítima esteja farta de saber que o livrinho negro dele não tem nada de ameaçador. Quando o ego é posto à prova, o tacto desaparece e extrapolam mais que um pescador. Criancice much? O melhor é não ligar e accionar o programa entra por um ouvido e sai por outro.

5- Rabujice em modo bebé


Seja por fome, sono, ciumeira repentina, cansaço ou frustração profissional, quando algo os incomoda podem ter vergonha/dificuldade/preguiça de se explicarem como gente e protestarem rabujando, quezilando ou embirrando com outra coisa qualquer. Quando é assim, o melhor é aplicar o remédio das nossas avós, por antiquado e machista que possa soar: se estão maldispostos, deixá-los! Mais vale tentar que fiquem confortáveis (oferecer-lhes comida rapidamente, sugerir que vão tomar um banho quente, que façam uma sesta ou que vão arejar as ideias com um jogo de playstation costuma funcionar) e ralhar-lhes mais tarde, quando tiverem as ideias no sítio. Caso contrário, sujeita-se a casa toda a uma embirração de horas a fio que não beneficia ninguém, no melhor espírito muito barulho por nada.


Haja psicologia invertida para lidar com "eles", que outro tanto será feito por nós....

3 comments:

A Bomboca Mais Gostosa said...

Acho que acabaste de descrever o meu marido... ahahaha :P

Carla Santos Alves said...

O relacionamento homem / mulher tem vindo a esbater-se nos ultimos anos.
O respeito entre pares,é importantíssimo, diria crucial, até!
Por isso acho importante que antes dos casamentos de faça a preparação CPM - que regra geral ajudam muito os casais.
Homens e mulheres são diferente. (ponto)
Há que respeitar essas diferenças - e tudo correria muito melhor, digo eu!
Obrigada pelo post. Adorei.

Unknown said...

Sempre se realçam as diferenças entre género! A relação interpessoal é um contínuo de aprendizagem!

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...