Recomenda-se:

Netscope

Thursday, November 29, 2012

Coisas que me metem medo: leite com nata

Visão traumática
Há pouco fui fazer um chocolate quente e por uma fracção de segundo, arrepiei-me toda: pareceu-me que o leite tinha uma nata, uma malfadada de uma nata. Afinal era só um grumo de chocolate - mas bastou para me dar a volta ao estômago e disparar-me, em grande velocidade, para o passado. As natas do leite são coisa cada vez mais rara hoje em dia (para mim, pelo menos) talvez devido ao hábito de aquecer as bebidas no microondas, ou talvez porque lá em casa aprenderam depressa que as natas só tinham paralelo, no quesito de me horrorizar, obrigar-me a fazer caretas e entrar em modo gremlin, com a clara do ovo (long story, um dia conto a saga). Depois de muito blheeeeeec, de muita cena, de muito "é só uma nata, espera que eu filtro o leite, mas é preciso esse escândalo todo?" enquanto eu saltitava em pânico à volta da mesa, acharam mais prudente deixar-me tomar o pequeno almoço e lanchar da maneira que me parecia melhor. Leite frio com Ovomaltine acompanhou muitos dias da minha vida. O pior é quando lanchávamos fora, muitas vezes em casa de uma das minhas tias: ela servia sempre bolo de Ançã quentinho com manteiga e café e eu, que não gostava lá muito de comer, achava a maior das graças àquilo tudo -  talvez pelo cheiro do bolo acabado de cozer, talvez pela companhia ou pelo ar puro que me abria o apetite. E a tia oferecia-me café, coisa que lá em casa, temendo ataques de mau génio, não se dava às crianças sem mais aquelas. Por mais que se insistisse que não era café, mas Mocambo, teimavam comigo que a hipotética cafeína tinha de ser cortada com leite. Leite acabadinho de ferver...e com nata. Eu tentava fazer cerimónia mas era mais forte do que eu. Lá acontecia o arrepio, o blheeec, o nata não, nata não, nata não, com o meu irmão e os meus primos a fazer coro por contágio "o quêêê, se o leite tem nata também já não o bebo!"  apesar dos avisos " modera-te senão os teus primos também não querem lanchar!" e a outra tia "deixe lá, se ela não quer a nata, não quer a nata!" e já não sem quem a dizer que encontrar nata até não era mau de todo, só para nos arreliar ainda mais, o que lançava um blhec geral. Acabei por ganhar e o Mocambo ficou, a bem do sossego, que para desatinos já bastavam os tios a discutir futebol e política... 
Tenho para mim que obrigar pessoas a beber tal coisa devia ser considerado uma eficaz e atroz forma de tortura, de deixar os chineses envergonhados.
Ainda hoje prefiro acompanhar bolos e coisas semelhantes com café preto, e não consigo olhar para um galão sem que me assalte a tentação de perguntar ao empregado de mesa "é sem nata, não é?". Natas só batidas, em chantilli ou em pastéis...

18 comments:

felicidade-35 said...

Adorei este post, fez-me retoceder no tempo com umas boas gargalhadas que fez chamar a atenção do meu filho...e eu a pensar que só eu sofri desse mal do blheeeeeec, obrigada são estes posts que me fazem correr para o PC sempre que tenho um bocadinho de tempo livre, obrigada;)

Imperatriz Sissi said...

oooh, muito obrigada, Felicidade :D
Fico muito contente por ter pessoas que acompanham o que vou escrevendo de forma tão fofa!
E sim, o blhec é uma instituição nacional (não sei se ainda está na moda, agora que as crianças sofrem menos do mal da nata). Beijinho :*

LookLuisa said...

Fizeste-me rir! Uma altura numa bela estalagem em Trás-os-montes aconteceu-me algo do género!Foi um trauma jeitoso, ía vomitando para cima de uma mesa de pequeno-almoço com mais de 30 pessoas de família!. Raios para o raio da nata!

beijinhos

lookluisa.blogspot.pt

Na Província said...

Adorei, revivi situações da minha infância, algumas com mais de 30 anos :) :)
Mas ao contrário da Sissi, eu hoje já gosto do cheiro a nata, eheheheh
beijinhoss

Imperatriz Sissi said...
This comment has been removed by the author.
Imperatriz Sissi said...

Eheheh, que situação! Mas é isso mesmo que as natas fazem. Uma pessoa bebe sem dar por nada e quando nota...é uma agonia difícil de disfarçar. O que vale, noutros contextos as natas fazem coisas fantásticas!
Obrigada e um beijinho :**

Imperatriz Sissi said...

Ainda não consigo gostar, confesso. Tenho de repetir o mantra "chantilli, nata batida, cappuccino, pastéis de nata, a nata serve para isso e muito mais, calma Sissi...". E os fervedores no campo, que levantavam tão bem a nata? Traumazinho...Beijinhos

♥ Guida said...

Cá em casa nunca houve o problema das natas, talvez porque ninguém goste de as ter no leite. Mas bem me lembro de na pré-escola e no ATL fazer birra ao lanche por causa da maldita nata. Isso e o suposto leite com chocolate que sabia a tudo menos chocolate. A minha mãe foi bastante condescendente e ao fim de algum tempo lá fez com que me deixassem beber leite branco fresco, nunca mais houve crise.

Cristina Torrão said...

Também nunca gostei da nata e tenho o azar de ter uma mãe que adoooooora a nata (ele há gostos!). De maneira que nunca entendia o circo que eu fazia à volta da nata.

Penso que hoje não se encontra a nata por causa do leite pasteurizado, que não precisa de fervura. Ou o leite não é tão gordo como antigamente.

Uma palavra para: "a hipotética cafeína tinha de ser cortada com leite". Na verdade, isso é um engano. O leite não corta a cafeína, pelo contrário, prolonga o seu efeito. A cafeína no café é simples de "trabalhar" (desculpa, falta-me outra palavra) pelo organismo, pelo que, bebendo café simples, a cafeína atua logo, tipo bomba, mas o efeito dura apenas duas a três horas. Já a cafeína do chá vai-se desintegrando lentamente, pelo que não obtemos o efeito bomba, mas ela vai atuando, devagarinho, durante 10 a 12 horas. O leite, no café, faz, mais ou menos, esse efeito. Ou seja: a cafeína fica lá e, se o seu efeito é atenuado, por outro lado, é mais prolongado.

Por isso: nada de dar "pingos", ou "garotos" às crianças!

Papoila said...

A ti dá-te medo e a mim dá-me nojo.
É horrível mas o meu gato adora-as... IAC!!

**

Imperatriz Sissi said...

Eheheh, Cristina, a ironia! Devo ter sido bem pior e com mais mau génio por me darem o leite com a maldita nata. Bem feito :D
E sim, o leite pasteurizado é capaz de ser uma explicação, se bem que me recordo de já ser pasteurizado em pequena. Talvez fosse por ser leite gordo? Hoje têm a mania de tirar a gordura a tudo, como se o leite fosse coisa de "embadochar" alguém...mas livramo-nos da nata, menos mal.

Imperatriz Sissi said...

Esse leite, Guida! Nunca percebi porque fingiam que tinha chocolate! Dava-o sempre aos colegas e ficava enjoada a olhar para eles...

Ladyfairy closet said...

Thank you for stopping by me and for the follow! I follow you back. ^_^
XOXO, Ladyfairy

http://www.ladyfairy-scloset.blogspot.it/

Imperatriz Sissi said...

O nojo é tanto que fico com medo ...tão giro, o gato. Realmente há gostos para tudo nesta vida!

Imperatriz Sissi said...

Thank you, Lady Fairy :D

Xoxo

Isto e aquilo said...

Não tenho a mesma aversão à nata. mas este é mais um dos seus deliciosos posts e adoro particularmente o "blheeec", que até se consegue ouvir :))

Imperatriz Sissi said...

Muito obrigada :D
Fico muito contente por ter gostado e por saber que consegui um post agradável de ler apesar de tantos blheeec!
Beijinhos :********

Sara Silva said...

natas no leite... bbbrrrr!
em casa dos meus pais o leite já era aquecido no microondas, mas de vez em quando lá saía quente demais e a imagem de colocar a colher na caneca e ela "quebrar" a barreira da nata é algo que jamais esquecerei...
beijinhos *

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...