Recomenda-se:

Netscope

Monday, January 28, 2013

Ricardo Araújo Pereira dixit: estúpidos

   
                                        
Tenho Ricardo Araújo Pereira como uma das mentes brilhantes do nosso país: uma excelente prova de que o mito "os bons portugueses foram todos nas caravelas ou pereceram em Alcácer Quibir" não é, felizmente, verdade absoluta. É dotado de quatro das características que mais admiro -  génio, espírito, imaginação e subtileza. Também tem uma cara muito patusca e expressiva (outra coisa que conquista imediatamente a minha simpatia) mas acima de tudo, possui algo que é apanágio das pessoas de refinada inteligência: a ausência total de pedantismo bacoco, a capacidade de dizer coisas sérias e complexas numa linguagem que toda a gente entenda. Empregar com efeito a parábola ou a ironia não é para todos. E a generosidade de transmitir conhecimentos sem que os outros percebam que lhes ensinaram alguma coisa, ou simplesmente que foram obrigados  a pensar, é outro privilégio de quem tem realmente miolos e não precisa de palavras caras para o demonstrar. Sempre ouvi que quem é muito bem educado pode dar-se ao luxo de, quando apetece e é possível, desprezar atrozmente a etiqueta; e com o discurso, ou o intelecto, acontece exactamente o mesmo. 
 Este vídeo é um exemplo excelente. As pessoas estúpidas nascem ou fazem-se? É que têm de vir de algum sítio, certo? Às vezes, quando alguém é deveras estúpido, sem apelo nem agravo, muito menos salvação, eu digo que aquele ser não pode ter nascido de mulher alguma; pessoas de cabeça oca, espírito tacanho, mesquinhez desmedida,  ganância desgovernada, parafusos soltos e ausência total de noção só podem ter saído de dentro de um ovo abandonado à beira da estrada por uma avestruz choca, ou passarão desse género. Para mim faz mais sentido do que nascerem nas árvores, porque se assim fosse não faltaria quem as mandasse abater e disso, já basta o que basta.
 Claro que também há a hipótese - que toda  a gente vê mas ninguém se atreve a dizer em voz alta - de Ricardo Araújo Pereira ter razão, e de haver criancinhas estúpidas que se tornam adultos estúpidos. De todo, acrescente-se.
 

7 comments:

Pusinko said...

Nao conhecia este "Mixórdias" dedicado à estupidez. Estou um pouco atrasada, é facto.
De resto, concordo com a tua apreciacao do RAP. Acompanho a sua carreira desde a sic Radical e nunca saturei. Entre livros, sketches, crónicas... o Ricardo, claramente, nao era um menino estúpido :)

Jedi Master Atomic said...

Eu não alinho nesta tua teoria do último parágrafo. A estupidez é um gosto adquirido, logo não se nasce com ela :P

A Bomboca Mais Gostosa said...

Adoro-o, é simplesmente brilhante!

Imperatriz Sissi said...

O menino Ricardinho devia ser um prodígio. O meu irmão é que me vai actualizando. É realmente fantástico!

Imperatriz Sissi said...

mmm...não sei. Uma coisa é ser estúpido, isso não se pode evitar, outra é realmente gostar de ser estúpido! Há muitos assim!

Imperatriz Sissi said...

É um Eça sem romances!

Framboesa (uma diva de galochas) said...

Concordo absolutamente com tudo :))))

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...