Recomenda-se:

Netscope

Sunday, May 19, 2013

Quando um pressentimento bate (infelizmente) certo

                             
É escusado repetir o sermão, já tantas vezes abordado aqui, de prestar atenção à nossa voz interior, e das consequências de não o fazer. Em muitos casos, as dicas e os sinais de alarme estavam todos lá, as respostas também, nós é que escolhemos ignorá-los porque "também era pouca sorte acontecer uma coisa tão estranha". Mas as coisas estranhas acontecem e é melhor que nos habituemos à ideia de que não são tão raras como isso. Ou que algumas almas, vá-se lá saber porquê, têm uma propensão para atrair novelas mexicanas, cada um com a sua cruz, e acontece amiúde que ninguém - mesmo perante factos que são vox populi -  tem a bondade de nos prevenir, ou porque (compreensivelmente) não quer meter-se onde não é chamado, ou porque a nossa sociedade anda cada vez mais desligada e ninguém está para se ralar com os outros, mau grado a proximidade oferecida por redes sociais e outras engenhocas que supostamente deviam fomentar o sentido de comunidade. Em todo o caso mea culpa, mea culpa, que isto...quem confia está sujeito a ganhar afectos ou lições para o resto da vida, como li há bocado por aí. Lembram-se de ter falado nisto, e  nisto, e nisto? Verdade, tudo verdade, com contornos mais extravagantes do que podia ter imaginado. O lado positivo (se é que isso existe) é saber que nada poderia ser feito, que não havia poder para mudar a situação, que não há verdadeira culpa no enredo e que no meio de tudo, houve um bom anjo da guarda a evitar males maiores. O lado mau é a tristeza da situação em si e a confusão dolorosa que deixa. Há coisas que não podem ser reparadas, nem salvas. Deal with it.


No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...