Recomenda-se:

Netscope

Wednesday, August 28, 2013

Amor fati

                      

" Só a falsidade premeditada pode dar uma impressão de perfeição...a verdadeira sinceridade apresenta sempre, ao mesmo tempo, qualidades e defeitos".

Alberto Moravia, in A Romana


" O sábio estóico é aquele que consente na sua pertença ao mundo, porque 'o destino guia quem consente e arrasta quem recusa'." 

(Fonte não confirmada)

No fim de semana passado, consegui finalmente deitar a mão a um exemplar de A Romana, de Alberto Moravia. A mão e os olhos, porque este era um romance que andava há anos para ler e por isso - e pela prosa quase perfeita - não o larguei mais. O livro foi adaptado às telas por duas vezes: no cinema, com a magnífica Gina Lollobrigida como protagonista, e na televisão, desta feita com Lollobrigida no papel de mãe da heroína, Adriana. Linda de morrer aos sessenta, a contracenar com uma das mulheres mais belas que já agraciaram o ecrã: Francesca Dellera. Sou suspeita, vero, mas acho que o dito "Deus disse: haja pessoas sensuais...e depois fez os italianos" é mesmo real.
 A quem não leu não vou contar nada, mas segundo alguns críticos literários, o romance versa sobre a temática do Amor Fati: o amor ao Fado, a aceitação blasé, indiferente, do Destino, de que só os espíritos superiores são capazes. Ou como dizia o outro, que isto tudo o que envolva italianos e romanos tem sempre máximas dignas de nota "um homem deve abraçar o seu destino, ou ser destruído por ele".
 É uma ideia que foi defendida por várias Fés e escolas de pensamento em diferentes épocas. Como filosofia não é o meu forte apesar de eu ter o detestável hábito de pensar muito, recorramos a essa fonte fidedigna que é a Wikipedia:

Amor fati (do latim amor, nominativo singular de amor, óris: 'amor a algo' e fati genitivo singular de fatum,i, 'destino') é uma expressão latina que significa 'amor ao destino', 'amor ao fado'.  No estoicismo e em Nietzsche, significa aceitação integral da vida e do destino humano mesmo nos seus aspectos mais cruéis e dolorosos (...)
(...) o estoicismo propõe a indiferença em relação ao que é externo ao homem; o amor fati é compreendido como (...)  indiferença ao sofrimento e a tudo aquilo que ao homem é acidental, como forma de anular o conflito. 
Já disse algures por aqui que não tenho opinião formada sobre o destino; a ideia que melhor me satisfez até hoje foi obviamente a de Maquiavel: há que usar a Virtù, que está na nossa mão, para tirar o melhor partido da Fortuna (que não controlamos) e assim subjugá-la à nossa vontade, torná-la nossa amiga. Mas essa Virtù pode muito bem passar, em dadas ocasiões, por não nadar contra a corrente e aceitar com mansidão de observador as directrizes dos Deuses. Why not? Quando o destino nos prepara um amor que parece tudo menos correcto, um estilo de vida que foge completamente ao planeado, uma mudança repentina de estatuto ou qualquer outra coisa que escapa à lógica, mas a que todas as circunstâncias parecem conduzir e o coração não nega, será isso Virtù? Eu que tendo a calcular ao milímetro, a ver os ângulos todos, a pensar estrategicamente apesar da impetuosidade que não consigo reprimir, estou como o sábio: "nada sei". Mas chego a considerar se haverá verdade no que me disseram por estes dias: não faças planos para a vida, que ela já tem planos para ti





1 comment:

Ulisses L said...

Vi, ou li, ou ouvi, ou sei lá... (não tenho a certeza de como ou onde... :) ) um dito que creio oriental:

A vida é como um rio. Tem partes serenas e calmas, tem rápidos, quedas de água...

Se estiveres nuns rápidos e tentares nadar contra a corrente, vai cansar-te até ao limite das tuas forças e a maior probabilidade é acabares afogado. Mas se te deixares ir o rio acabará por te deixar numa margem calma...

Ir contra a corrente é aquilo que costumo chamar de "dar murros em ponta de faca". Quando tens um projecto que tem absolutamente tudo para dar certo e não dá, isso deixa-nos frustrados...

...e depois, às vezes, sem qualquer razão aparente, acontece qualquer coisa que te leva para um caminho completamente diferente...

:)

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...