Recomenda-se:

Netscope

Sunday, September 15, 2013

Quase famosos. Quase, graças a Deus!

                                

Diz o meu melhor amigo que esta semana teve um terrível pesadelo: íamos nós e mais umas quantas pessoas amigas pelas bandas de Cascais, a caminho de uma discoteca da moda qualquer (nota-se mesmo que estava a sonhar, porque dificilmente me caçariam numa "discoteca da moda") e montes, magotes de paparazzi a correr atrás de nós. Numa daquelas reviravoltas bem vindas que os sonhos têm, saltámos para um providencial carro de vidros escuros e blindados (nota bene: não uma limusina, porque eu nem em sonhos entraria  de boa vontade numa coisa tão pirosa; só o fiz uma vez, porque o contrato a isso obrigava, e....bem, percebem a ideia) e lá conseguimos escapar, com os predadores de instantâneos embaraçosos no encalço. Antes de fechar o vidro, fizemos aos fotógrafos parasitas uns sinais muito feios que eu não tenho por hábito fazer (mais uma vez, foi um sonho...) e lá escapámos.
Ri-me bastante com a ideia, e dei por mim a pensar como é bom ficar longe da celebridade. Deixemos de lado a discussão acerca de os famosos (principalmente os nossos supostos famosos, já que nesta terra de brandos costumes poucos papparazzi há, e muito menos gente que valha a pena "paparazzar") se colocarem ou não a jeito para estas situações chatas. 
 Para quem gosta de seleccionar as fotografias que lhe tiram, imaginem o que não é ser retratado nos piores ângulos possíveis, e ver tais imagens publicadas, com uns retoques para parecerem piores. Não admira que os famosos acabem maluquinhos, em reabilitação, e se encham de plásticas na tentativa de parecer apresentáveis de todos os lados - o que é tarefa difícil; poucos mortais ficam bem em TODOS os retratos, e mesmo esses hão-de fechar os olhos  ou fazer caretas de quando em vez.
 Não sei quanto a vós, mas isso era o suficiente para me pôr doida, já nem falo de ter estranhos à porta ou gente a saltar-me pelos muros. Ia ficar conhecida sim, pela brutalidade dos seguranças israelitas cujo ordenado me ia consumir boa parte dos rendimentos mensais, era limpinho...
Sou da opinião que "fama" e notoriedade, só mesmo a estritamente necessária para certas ocupações cujo sucesso depende disso (ser cantor, actor ou escritor de best sellers no anonimato é capaz de ser complicado). E mesmo assim...

No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...