Recomenda-se:

Netscope

Friday, January 24, 2014

Que lições podemos tirar de "A Bela e o Monstro"?



"If you hadn't frightened me 
I wouldn't have run away!"

Bela, desafiando o Monstro, dixit


Juntamente com Sleeping Beauty (o mais gótico e tenebroso dos filmes da Disney) e Alladin (porque sempre tive uma fixação por génios da lâmpada) Beauty and the Beast é o meu clássico  preferido.  Talvez porque sempre gostei muito do conto original.  Talvez pelo ambiente - o castelo obscuro e recôndito, o século XVIII. Ou porque me identificava com a heroína, sempre de nariz nos livros e a sonhar não necessariamente com um príncipe encantado mas com um homem forte no corpo e na alma, que a compreendesse, que fosse capaz de lhe refrear a personalidade vincada sem a diminuir e que não se sentisse ameaçado pela inteligência dela. 

O facto de o Príncipe (na sua forma original) ser o mais giro de todos os heróis da Disney e de ter um carácter algo...peculiar (um diamante em bruto, e portanto um desafio) também pode ter contribuído um bocadinho. Nunca gostei de coisas óbvias. E o Monstro é, claramente, um bad boy

Ora, atrevo-me a dizer que quanto mais forte e independente uma rapariga é, maior a possibilidade de se sentir atraída por quem pareça forte o suficiente para a acompanhar. Porque uma mulher forte não é necessariamente mandona e dominadora, mas dificilmente vai querer a seu lado alguém que seja demasiado passivo: é muito mais provável que baixe as defesas perante um companheiro que lhe permita deixar-se proteger, para variar. Ser sempre invencível é muito cansativo.

 Vendo a história com olhos de adulta, há algo de irresistivelmente romântico, mas de uma forma trágica e perigosa, na forma como a relação entre os dois se desenvolve. A Bela e o Monstro é primeiro que tudo, um rapto. O relacionamento cresce num ambiente fechado, isolado do mundo - um pouco como os raptos consentidos noutros tempos (quando os apaixonados fugiam para casar e passavam um ciclo lunar inteiro escondidos, bebendo hidromel para estimular a paixão: quando finalmente regressavam a casa, já havia um descendente a caminho e as famílias nada podiam fazer- daí o nome Lua de Mel). 

Todos os amantes gostam de se isolar, de viver da imagem um do outro durante os primeiros tempos, mas aqui não sabemos se a Bela realmente se apaixonou pelo Monstro  ou se viveu um caso gravíssimo de síndroma de Estocolmo...embora por vezes seja difícil separar uma coisa da outra.

Em cada homem (ou em cada ser humano) existe uma fera, ou uma besta. A diferença está na capacidade de cada um para a dominar. No caso do Monstro, essa Fera está bem à vista. É a heroína com a sua beleza, a sua fragilidade, a sua meiguice mas também com o poder para o desafiar, para não lhe mostrar medo, que consegue levar o Monstro a polir-se, a limar as arestas, deixando brilhar o Príncipe que na realidade é.

 Porém essa transformação só se dá, o encantamento só é quebrado, porque o Príncipe dentro dele leva a melhor sobre o Monstro. A Bela ajuda, espoleta a mudança, mas é o Monstro  que põe fim à sua própria maldição. Porque as pessoas só mudam se quiserem. Quando assim decidem. Quando estão cansadas de ser monstros, de se esconder atrás de unhas e dentes, e escolhem acabar com o sofrimento que causam a si próprias e aos outros.

 Fosse o Monstro um Monstro mesmo,  da vida real, e o fim da fábula  podia ser outro. A Bela podia acabar muito mal- ou ter fugido. Mas é para isso que servem os Contos de Fadas: fazer sonhar e trazer esperança, mesmo que o Monstro que se esconde na floresta seja, na verdade, sem emenda.


3 comments:

Sandra said...

Muito bonito Imperatriz. Adoro os teus posts!

Sandra Paiva said...

Então, pode parecer algum tipo de flagelo, mas antes de ter tv cabo e vinha para casa das noites, via sempre esse filme antes de adormecer. Sempre foi o meu favorito também. Qualquer psicoterapeuta terá algum síndrome a me diagnosticar!!!

Imperatriz Sissi said...

Muito obrigada, meninas. E apesar de tudo, continuo a adorar o filme!

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...