Recomenda-se:

Netscope

Wednesday, May 28, 2014

Evitem-se momentos Marilyn Monroe. Motivos no interior do post.


As saias rodadas têm muito encanto, mas é sempre preferível que sejam feitas de um tecido consistente. Primeiro porque favorecem mais, mesmo as magrinhas; segundo, porque não revelam nada do que se passa por baixo, nesta época em que os saiotes andam fora de moda e é muito feio notarem-se as costuras da roupa interior... terceiro, porque o vento é imprevisível. Quem diz vento diz maquinaria indiscreta, saídas de metro, helicópteros, ventoinhas, escadarias muito altas ao ar livre ou qualquer outra coisa com potencial para levantar pano. A nenhuma mulher convém ter um momento Marilyn Monroe.

 Ou bem que se opta pela bela saia lápis, ou bem que se escolhe um material que não esvoace.

 Porém, se se faz MESMO questão de tecidos leves, recorra-se ao velho truque de alta-costura, cada vez mais em desuso mas que Sua Majestade a Rainha de Inglaterra ainda utiliza e muito bem, que consiste em mandar coser uns chumbinhos no interior da barra da saia para a manter onde deve.

 E em todo o caso, não vá o Diabo tecê-las, usar uma lingerie que cubra o que deve cobrir e que, embora discreta sob a roupa, não levante dúvidas quanto à sua existência em caso de ventania.

 Por muito que a Moda tente não se pode ir contra as leis da Física, mas é possível lidar com elas.

 HRH a Duquesa de Cambridge tem sido alvo de atenção devido aos sustos provocados pelas suas saias que se erguem mais do que deveriam acima dos joelhos, o que me faz meditar no pensamento estratégico dos seus personal stylists (meditar por uns segundos, vá, porque tenho mais em que pensar...). Considerando que a Duquesa vai sair de um helicóptero ou passear por uma praia ventosa, pôr de parte tecidos flutuantes para esses dias da agenda parece-me de uma lógica elementar. Se a nenhuma mulher cai bem fazer de Marilyn, a alguém no seu papel muito menos.


 O resultado desse descuido regular é um artigo na Elle americana (que está a perder qualidades) a tratar a consorte do Príncipe William pelo petit-nom aberrante de "KMidd" - na tradição irritante que entretanto se inventou de baptizar celebridades e com absoluta falta de noção das circunstâncias - dando conta de um artigo mais medonho ainda num qualquer tablóide alemão, que publica uma imagem de Catherine Middleton com as saias completamente erguidas e aquilo que parece ausência de roupa interior (seguir link se tiverem curiosidade, que eu nunca iria pôr aqui uma coisa tão feia). 

 Isto tudo, nota bene, acompanhado de comparações com o derrièrre de...Kim Kardashian e de outras ordinarecas, perdão,  Vénus de Willendorf dos nossos dias.

 Como a grosseria é tão generalizada que não se pode evitar e já não há respeito por nada, o melhor mesmo é não se expor de modo nenhum a tais comentários. Mais vale escolher outra toilette ou mandar "chumbar" as bainhas, que custa menos...

1 comment:

A Bomboca Mais Gostosa said...

Realmente não havia necessidade de a rapariga andar sempre com saias dessas. É que já aconteceu por diversas vezes o "desastre". Não acho que combine com a imagem que pretende transmitir.

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...