Recomenda-se:

Netscope

Wednesday, December 10, 2014

Mais um "Othello" da vida real...e uma perfeita Desdémona.


Ontem foi noticiado o assassinato da bailarina e actriz Stephanie Moseley às mãos do marido, que se suicidou em seguida, perante um amigo que (coitado do pobre) assistiu a tudo via webcam, no melhor espírito de filme de terror.

 Segundo testemunhas o casal discutia constantemente porque a cara metade de Stephanie, Earl Hayes, não conseguia superar uma alegada traição (ou separação, não compreendi ao certo) do passado. Via infidelidades até numa mosca que zumbisse por perto e tornava a vida da mulher num inferno. Os dois estavam mesmo em vias de um afastamento definitivo à conta disso, mas dez tiros selaram a tragédia para ambos.
 Só falta saber-se que as suspeitas de Earl eram infundadas, causadas por uma intriga qualquer, para termos o enredo de Othello sem tirar nem pôr.

 Já muito se falou aqui dos Mouros de Veneza , dos ciumentos patológicos, e por mais que dê voltas não consigo perceber o mecanismo. Se alguém provoca ciúmes e dá motivos para desconfiar; se é preciso vigiar essa pessoa a toda a hora e ela é imatura que chegue para alimentar situações que deixem o outro desconfortável...o remédio é afastar-se, certo?

Isso pode ser doloroso, mas ao menos não coloca ninguém em risco.

 Se assim não é e as suspeitas nascem lá na cabeça do ciumento e ele não aceita a realidade por mais provas de dedicação que se lhe dê, então se calhar é hora de pensar mais na cara metade e no sofrimento injusto que está a provocar. E procurar tratamento especializado ou reconhecer que é uma pessoa com quem é impossível viver...porque é mesmo.

 Mas o problema do ciumento é que não é só desconfiado e inseguro: é possessivo, e a posse exagerada (pois o amor destituído de algum sentido de posse não tem graça, o mal está é nos extremos) nasce de um profundo egoísmo. De uma incapacidade para abrir mão do controlo total. Estilo se me afasto dois metros para reflectir e avaliar a situação alguém aparece imediatamente para me roubar a mulher.

 E como tal, em casos destes, o meio para pôr fim ao desconforto interior é resolver o caso a tiro ou coisa pior. O velho "se não me pertence não será de ninguém". Tenho para mim que os Othellos que chegam a actos dramáticos desses estão, na sua cabeça, a cometer não um crime, mas uma demonstração de romantismo mórbido.

 Para homens assim, se a a história de amor não pode ter um final feliz...que tenha um final trágico. Juntos a bem ou a mal. Nenhum ciumento sabe ser razoável - essa é a raiz do problema.

No comments:

Textos relacionados:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...